Quase metade dos alemães quer renúncia de Merkel, diz sondagem | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 22.06.2018

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Quase metade dos alemães quer renúncia de Merkel, diz sondagem

Chefe de governo enfrenta um dos piores momentos de sua carreira, devido a polêmica política migratória. Divergências ameaçam até romper coalizão selada a custo em Berlim.

Premiê Angela Merkel: será o fim de um era?

Premiê Angela Merkel: será o fim de um era?

Uma sondagem divulgada nesta sexta-feira (22/06) mostrou que quase um de cada dois cidadãos da Alemanha é a favor de que a chanceler federal Angela Merkel renuncie ao cargo. A notícia vem em plena crise de governo no país

 devido à política migratória, e reforça os temores de que a coalizão em Berlim possa ser rompida.

De acordo com a pesquisa representativa, feita pelo instituto demográfico YouGov, 43% dos entrevistados defendem a saída da chefe de governo, enquanto 42% são por sua permanência. Outros 15% não souberam ou não quiseram responder.

Entre os eleitores do bloco conservador liderado por Merkel, 63% acreditam que a líder do União Democrata Cristã (CDU) deva concluir seu mandato, enquanto 27% acham que é hora de ela ceder o poder a um sucessor.

Curiosamente, os maiores defensores de Merkel se encontram na oposição: 66% dos eleitores do Partido Verde, pacifista e ambientalista, são a favor da permanência da premiê no cargo. Atrás deles vêm os simpatizantes da sigla A Esquerda (48%), seguidos pelos do Partido Social-Democrata (SPD), com 46%; do Partido Liberal Democrático (FDP), 45%; e de 6% da populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD).

Para o levantamento foram entrevistadas 2.053 pessoas, entre 19 e 21 de junho.

Merkel enfrenta um dos piores momentos de sua carreira política. Pressionada pela União Social Cristã (CSU), partido irmão da CDU na Baviera, ela se vê forçada a fechar um acordo com os demais países-membros da União Europeia antes do fim do mês, para pôr fim à entrada de imigrantes na Alemanha que se registraram ou solicitaram refúgio em outros países do bloco ao chegarem à Europa.

Diante de ameaças do ministro alemão do Interior, Horst Seehofer, de fechar as fronteiras nacionais para certos grupos de requerentes de asilo, caso não se encontre uma maneira de conter o fluxo de migrantes para a Alemanha, Merkel aceitou tratar do tema durante a cúpula da UE

, entre 28 e 29 de junho. Se até lá o impasse não for resolvido, há riscos de seja dissolvida que a coalizão do governo, selada a custo em Berlim.

As apostas neste sentido já começaram: 32% dos entrevistados acreditam que a coalizão entre o bloco conservador e os sociais-democratas será desfeita; 45% acham que ela conseguirá superar as atuais tensões. Apenas 31%, porém, consideram provável que a atual formação de governo conclua sua legislatura, que vai até 2021.

IP/dpa

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais