Quantas mortes poderiam ter sido evitadas no Brasil? | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 19.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Pandemia

Quantas mortes poderiam ter sido evitadas no Brasil?

Pesquisadores não têm dúvida: dezenas ou até centenas de milhares das 500 mil vidas perdidas até agora poderiam ter sido poupadas com mais vacinas, medidas de combate ao vírus e sem o negacionismo de Bolsonaro.

Bildergalerie 500.000 Corona-Tote in Brasilien

Cemitério coletivo em Manaus

No dia em que o Brasil superou a marca de 500 mil mortos por covid-19, uma pergunta é repetida na mente de muitos brasileiros: quantas dessas mortes eram evitáveis? Meu familiar teria sobrevivido se o governo tivesse adotado outra postura no começo da pandemia?

Estimar esse número é possível a partir de diferentes metodologias, e pesquisadores brasileiros desenvolveram modelos simples e complexos para chegar a esse dado. Quatro dessas projeções são explicadas abaixo.

396 mil mortes evitáveis até hoje

Uma abordagem simples, mas fundamentada, foi apresentada pelo epidemiologista Pedro Hallal, autor do primeiro estudo brasileiro a avaliar a magnitude da pandemia do coronavírus no país e ex-reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

O cálculo dele leva em consideração que 2,7% da população mundial vive no Brasil, e projeta quantas mortes por covid-19 teriam ocorrido no país se ele tivesse tido um desempenho na média mundial. A diferença entre esse número e o número real de mortes ocorridas é atribuída por ele ao "mau desempenho" do Brasil no enfrentamento da pandemia.

O raciocínio foi exposto em uma carta publicada na revista científica The Lancet em 22 de janeiro e intitulada SOS Brasil: ciência sob ataque, e citado pela microbiologista Natalia Pasternak à CPI da Pandemia na última sexta-feira (11/06).

Usando a metodologia de Hallal, neste sábado (19/06), o mundo registrava 3,8 milhões de mortes pela covid-19 – 2,7% dessas mortes seriam 104 mil. A diferença entre esse número e o número real de mortes no Brasil até o momento é de 396 mil mortes, atribuíveis ao "mau desempenho" do país. 

À DW Brasil, Hallal afirma que optou por esse critério pela sua simplicidade e fácil compreensão pela população. E diz que, se incluísse outras variáveis, o número de mortes evitáveis seria ainda maior.

"Se a gente for botar mais complexidade nesse cálculo, por exemplo ajustar para a estrutura etária da população, que é o principal indicador, a situação do Brasil piora mais ainda. Mas como todo pesquisador gosta de ser conservador, preferi apresentar dessa maneira", diz.

Ele afirma que o mau desempenho do país no combate à pandemia é resultado de um conjunto de erros: "Negar ofertas de vacina, promover aglomerações, promover o não uso da máscara e promover tratamento deficiente e passar uma falsa sensação de segurança da população".

Bolsonaro em manifestação com motociclistas: presidente promoveu aglomerações ao longo de toda a pandemia

Bolsonaro em manifestação com motociclistas: presidente promoveu aglomerações ao longo de toda a pandemia

Recusa de vacinas: mais 145 mil mortes em 2021

Eduardo Massad, professor emérito da faculdade de medicina da USP e professor de matemática aplicada da FGV, afirma que o cálculo de Hallal está "perfeitamente correto" e que, apesar da simplicidade, leva em conta "tudo o que o Brasil fez de errado" no combate à pandemia.

Ele reuniu um grupo de pesquisadores para coordenar uma pesquisa com uma pergunta mais focada: quantas mortes teriam sido poupadas apenas em 2021 se o Brasil tivesse iniciado uma campanha de vacinação em 21 de janeiro, aplicando 2 milhões de doses por dia – estimativa que Massad considera plausível se o governo tivesse aceitado as ofertas de doses da Pfizer e da Coronavac feitas ao longo de 2020.

A Pfizer ofereceu 70 milhões de doses, e o Instituto Butantã, 60 milhões, em agosto do ano passado – ambas as ofertas foram recusadas. Esses números serão incluídos no relatório da CPI da Pandemia. O governo fechou acordo com Butantã apenas em janeiro e, com a Pfizer, em março.

O modelo usa técnicas de cálculo mais complexas e considera 24 variáveis, como a taxa de infecção de pessoas expostas, a mortalidade natural dos brasileiros, a taxa de recuperação de quem pegou covid-19, a taxa de hospitalização e o ritmo de vacinação. A pesquisa identificou o comportamento dessas variáveis desde o início da pandemia até o final de 2020, e a partir dessa dinâmica projetou a evolução para 2021.

Segundo essa metodologia, o Brasil teria 145 mil mortes a menos ao longo deste ano se tivesse vacinado sua população a uma taxa de 2 milhões de doses por dia desde janeiro. Esse número ignora mortes que poderiam ter sido evitadas por outras políticas públicas, como maior incentivo ao uso de máscaras e ao distanciamento social. "Essas 145 mil mortes neste ano são atribuíveis apenas ao fato de o governo ter rejeitado as ofertas de vacina", diz Massad.

O número de mortes por covid-19 projetado para este ano, de 395 mil óbitos, é 58% maior do que a estimativa se o país tivesse esse ritmo de vacinação mais robusto, de 251 mil mortes.

O estudo também projeta que, até o final de 2021, o Brasil chegará ao total de 590 mil mortos pela covid-19, mantido o atual ritmo de vacinação. A pesquisa será submetida a uma revista especializada, e foi obtida por exclusividade pela DW Brasil.

"O comportamento do governo frente à pandemia desde o começo tem sido um descalabro total em todos os aspectos. Estamos pagando o preço por termos um governo que não encarou a pandemia com a seriedade que deveria", afirma Massad.

Vacinação ampla: 56 mil mortes a menos no trimestre

Outro grupo de pesquisadores, vinculados ao projeto SP Covid-19 Info Tracker, também calculou qual seria a diferença no número de mortos pela doença se o Brasil tivesse uma campanha de vacinação mais robusta.

O estudo inseriu as curvas de vacinação, novos óbitos, novos casos e recuperados dos meses de janeiro, fevereiro e março, além de outros dados, em um sistema para que o computador "aprendesse", a partir do uso da inteligência artificial e de um modelo matemático, o comportamento dessas variáveis e projetasse a evolução para os três meses seguintes, explica Wallace Casaca, cientista de dados e matemático vinculado à Unesp e à USP e um dos autores da pesquisa, já submetida a uma revista científica e em fase de avaliação.

Segundo o modelo, o Brasil terá 192 mil mortes no segundo trimestre deste ano. Se o ritmo de vacinação, apenas nesse período, fosse de 2,2 milhões de doses por dia, 56 mil vidas teriam sido poupadas. O número de óbitos estimado nesse intervalo é 41% superior do que se a imunização estivesse mais acelerada – a diferença seria ainda maior se a projeção considerasse um programa de vacinação mais robusto desde o início do ano.

A pesquisa também projetou o que aconteceria no período de três meses de 13 de junho a 12 de setembro, usando as mesmas variáveis registradas de 1º de janeiro a 12 de junho. Nesse intervalo, o modelo estima que o país terá 108 mil mortes por covid-19, volume menor do que a da simulação anterior pelo fato de a vacinação já estar mais avançada.

Se o ritmo de vacinação fosse o dobro do atual, com 1,6 milhão de doses aplicadas por dia, 16 mil mortes seriam evitadas nesse período. À média de 2 milhões de doses por dia, 23 mil vidas seriam poupadas. No melhor cenário, com 2,5 milhões de doses diárias aplicadas, 29 mil mortes evitadas. "O modelo mostra o impacto da vacinação. Quanto mais pessoas vacinadas, menor o número de suscetíveis à doença", afirma Casaca.

Alinhamento a Bolsonaro: 78% mais mortes no começo da pandemia

Além de vacinação, diversos epidemiologistas já apontaram que o discurso do presidente de um país durante a pandemia também conta bastante para a dinâmica da doença em seu território, pelo poder comunicacional vinculado ao cargo. Há evidências, por exemplo, de que os bolsonaristas violaram mais a quarentena no início da pandemia.

Em meados do ano passado, um grupo de pesquisadores vinculados a diferentes instituições calculou que o alinhamento de parte dos brasileiros ao discurso contrário ao isolamento social propagado por Bolsonaro provocou, desde o primeiro caso registrado no país, em 26 de fevereiro, até 29 de junho de 2020, 25,5 mil mortes adicionais, ou 78% a mais do que o esperado caso não houvesse resistência às recomendações científicas. Nesse período, foram registradas um total de 58,3 mil mortes por covid-19.

A pesquisa foi divulgada como pre-print, ainda sem revisão por pares, na última terça-feira (15/06). Para chegar ao dado, os pesquisadores isolaram a influência do alinhamento a Bolsonaro de outros fatores que também determinam a decisão de cada indivíduo sobre o isolamento social, como necessidade econômica.

Isso foi feito a partir das respostas a três pesquisas de opinião feitas pelo Instituto Datafolha, em 17 e 27 de abril e em 26 de maio do ano passado. Os levantamentos pediram às pessoas que indicassem o grau de isolamento que praticavam, em uma escala com quatro níveis, e como avaliavam o trabalho de Bolsonaro em relação à covid-19.

A adesão média ao isolamento dos que consideravam a performance de Bolsonaro sobre a pandemia boa ou ótima ficou 2 pontos percentuais abaixo da adesão média do conjunto da população. "Isso significa que o isolamento teria sido dois pontos percentuais superior se essas pessoas não estivessem presentes", diz Patrícia Ferrini, ex-consultora da Organização Mundial de Saúde (OMS) e uma das autoras do estudo.

Em seguida, os pesquisadores usaram um modelo matemático que projeta o desenvolvimento de uma pandemia a partir de diversas variáveis para reproduzir a evolução do número de mortes pela doença no Brasil naquele período, que concluiu que o grau de isolamento médio no país nesse intervalo foi de 53% – sendo 100% o isolamento total.

Ao final, os pesquisadores rodaram o mesmo modelo, mas utilizando uma taxa de isolamento de 55% — percentual esperado se nenhum brasileiro considerasse a atuação do presidente na pandemia boa ou ótima, dois pontos percentuais maior do que a taxa real de 53%. No novo cenário, o número final de mortes seria 32,8 mil. Essas 25,5 mil mortes a menos do que o registrado na realidade seria o número de vítimas associado ao negacionismo de parte da população em relação à covid-19 nesse período.

"A taxa de isolamento social influencia a taxa de contato entre indivíduos suscetíveis e infectados e, como consequência, o número de novos casos por unidade de tempo. Variações bem pequenas no isolamento podem levar a diferenças importantes no número de mortes, devido ao crescimento exponencial da curva de contágio", diz Ferrini.

Leia mais