1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Flugabwehrpanzer Gepard
Um blindado Gepard. Alemanha prometeu enviar modelo à UcrâniaFoto: Thomas Imo/photothek/picture alliance

Quais armas a Alemanha está enviando para a Ucrânia

Christoph Hasselbach
11 de maio de 2022

A Alemanha vem fornecendo armas leves para a Ucrânia e já se comprometeu a enviar sistemas pesados, como tanques e artilharia. Veja lista de equipamentos enviados por Berlim – e outros que Kiev deseja receber.

https://www.dw.com/pt-br/quais-armas-a-alemanha-est%C3%A1-enviando-para-a-ucr%C3%A2nia/a-61763081

Blindado de combate antiaéreo Gepard

O Gepard (alemão para "guepardo") é um blindado antiaéreo, ou tanque antiaéreo, com dois canhões de 35 mm. Ele pode ser usado contra aeronaves e helicópteros que voam em altitudes de até 3.500 metros (11.500 pés), mas também contra alvos terrestres levemente blindados, como veículos de infantaria e tanques de transporte.

Isso significa que o Gepard pode ser usado tanto como arma defensiva quanto ofensiva. No entanto, ele não teria chance contra um tanque de guerra por causa de seus canhões de calibre relativamente pequeno. O Gepard tem um alcance de cerca de 550 quilômetros (340 milhas) e pode atravessar corpos d'água sem equipamento adicional especial.

O que a torna relevante para uma missão na Ucrânia é que a arma foi desenvolvida, entre outras coisas, para combater helicópteros de ataque, como a aeronave soviética-russa Mil Mi-24 "Hind".

O Gepard foi introduzido em 1976 e foi por muito tempo a espinha dorsal das defesas aéreas militares alemãs, bem como dos exércitos holandês e belga. Mas nesses países, o Gepard foi aposentado há cerca de 20 anos. Já a Alemanha não usa o blindado desde 2012. A Romênia é o único Estado-membro da Otan que ainda usa o Gepard. O Brasil, por sua vez, adquiriu 34 veículos usados da Alemanha em 2013.

Como a maior parte dos Gepard que ainda se encontram na Alemanha estão parados há quase uma década, eles devem primeiro ser colocados em operação novamente antes do envio para a Ucrânia.

Outro desafio para colocar os veículos em operação na Ucrânia é que o blindado antiaéreo demanda bastante da tripulação devido aos seus sistemas eletrônicos complexos, incluindo equipamentos de radar e controle de incêndio. De acordo com Johann Wadephul, porta-voz para assuntos de defesa do partido alemão União Democrata Cristã (CDU), o treinamento de tripulações demanda pelo menos seis meses. Por essa razão, ele defende o envio de tanques Leopard 1 ou de veículos de combate de infantaria Marder, que têm sistemas menos complexos.

A Alemanha anunciou o envio de 50 Gepards para a Ucrânia, mas Berlim ainda tenta contornar uma escassez de munição para o veículo. A Suíça, fabricante dessa munição, já afirmou que não pretende se envolver na operação para não se desviar de sua política de neutralidade. Dessa forma, resta à Alemanha procurar munição em países que ainda usam o Gepard, como a Romênia e o Brasil.

Obus autopropulsado PzH 2000

Esta é uma arma de artilharia blindada autopropulsada com calibre 155 mm. No modo de rajada, seu canhão pode disparar três projéteis em nove segundos, dez projéteis em 56 segundos e – dependendo do aquecimento – lançar entre 10 e 13 projéteis por minuto continuamente. O remuniciamento é automatizado.

Os alvos podem ser destruídos a uma distância de 30 a 56 quilômetros, dependendo da munição usada. As empresas Krauss-Maffei Wegmann e Rheinmetall forneceram os primeiros veículos para a Bundeswehr (Forças Armadas da Alemanha) em 1998 e continuam a desenvolver versões mais avançadas.

Ao contrário do tanque de combate Leopard, o obus autopropulsado deve efetuar pausas durante disparo contínuo, o que o torna inferior a um tanque de combate em confronto direto. No entanto, o PzH 2000 pode ser camuflado após um disparo com o objetivo de evitar contrafogo.

O obus pode ser deslocado a velocidades de até 60 km/h. Seu alcance é de cerca de 420 quilômetros e ele pode atravessar corpos d'água até uma profundidade de 1,5 metro.

O obus foi usado com sucesso em missões no Afeganistão em 2006 e 2007 em conjunto com apoio aéreo. Segundo a ministra da Defesa da Alemanha, Christine Lambrecht, a Bundeswehr tem cerca de 100 obuses em seu inventário, dos quais cerca de 40 estão operacionais. O chanceler federal Olaf Scholz prometeu à Ucrânia sete obuses, mas, assim como os Gepard, primeiro eles teriam que passar por manutenção, algo que deve se arrastar até o verão europeu.

Obus PzH 2000
O obus PzH 2000Foto: picture-alliance/dpa

Veículo de combate de infantaria Marder

Os veículos de infantaria Marder (alemão para "marta", um mamífero carnívoro semelhante a uma doninha) transportam tropas para o combate, fornecem fogo de apoio e um local protegido de onde os soldados podem atirar. Isso torna o Marder um sistema particularmente versátil. O veículo tem capacidade para seis ou sete militares, conta com uma metralhadora de 20 mm e mísseis guiados Milan que podem ser usados contra alvos terrestres e aéreos.

O veículo também possui um sistema de ventilação de proteção contra ataques nucleares, biológicos e químicos e pode atravessar corpos d'água de até dois metros de profundidade.

O veículo fez sua estreia em 1971. Ele é ainda mais antigo que o Gepard e está sendo gradualmente substituído na Alemanha pelo seu sucessor, o Puma. No entanto, o Marder ainda segue em serviço na Bundeswehr e em vários outros países. Ele provou sua utilidade tanto nas campanhas do Kosovo quanto no Afeganistão. Isso foi possível graças a atualizações contínuas ao longo dos anos.

O blindado Marder
O blindado MarderFoto: Philipp Schulze/dpa/picture alliance

Tanque de combate Leopard 2

O Leopard 2 é o carro-chefe da indústria alemã de armamentos. O tanque de combate, desenvolvido pela empresa Krauss-Maffei Wegmann, entrou em produção em 1978 e foi atualizado várias vezes desde então. A Bundeswehr não planeja substituí-lo pelo menos até 2030.

Mais de 3.600 Leopards 2 foram fabricados até hoje, tendo sido exportados para mais de uma dezena de países. Dessa forma, existem várias variantes do modelo, cada uma adaptada às necessidades específicas dos países compradores. Há também fabricantes licenciados no exterior.

Seu antecessor, o Leopard 1, também foi um modelo bem-sucedido de exportação e ainda é usado por vários exércitos ao redor do mundo.

O canhão de 120 mm do Leopard 2 pode ser usado para atingir alvos fixos e móveis. Ele tem capacidade de atingir alvos em movimento mesmo ao se deslocar em terrenos acidentados.

O Leopard pode atravessar corpos d'água de até quatro metros de profundidade com equipamento adicional. Sua proteção contra armas nucleares, biológicas e químicas é projetada para durar até 48 horas.

O tanque pode atingor velocidades superiores a 60 km/h, mas seu peso superior a 60 toneladas costuma ser um desafio para atravessar pontes.

De acordo com militares canadenses e dinamarqueses, o Leopard 2 provou seu valor nas operações no Afeganistão, principalmente por causa de seu alto nível de proteção contra ataques. Ele também já foi usado pela Turquia em operações no norte da Síria.

O governo alemão ainda não se comprometeu a enviar à Ucrânia veículos Marder ou tanques Leopard 2. Andrij Melnyk, o embaixador ucraniano em Berlim, vem pedindo publicamente "a rápida exportação de 88 tanques Leopard 2, 100 veículos Marder, obuses autopropulsados ​​​​e muito mais".

Um tanque de combate alemão Leopard 2
Um tanque de combate alemão Leopard 2Foto: picture-alliance/dpa/P. Steffen

Lançador de mísseis Stinger

O Stinger é um lançador de mísseis terra-ar guiado por infravermelho. Uma arma leve, lançada sobre o ombro, o Stinger foi originalmente desenvolvido nos Estados Unidos pela empresa Raytheon no início dos anos 1980. O equipamento é hoje também fabricado na Europa, inclusive na Alemanha.

Projetados para abater aeronaves a baixas altitudes, os lançadores funcionam como um sistema de defesa aérea portátil. Após ser disparado pelo artilheiro, o míssil rastreia seu alvo automaticamente a um alcance de até cerca de 4 mil metros. A ogiva explode com um pequeno atraso após o impacto, geralmente contra o tanque de combustível, aumentando o efeito.

Durante a Guerra do Afeganistão (1979-1989), centenas de Stingers foram enviados para os guerrilheiros mujahidins. A arma se mostrou extremamente eficaz e fácil de usar contra helicópteros soviéticos.

A Alemanha já forneceu à Ucrânia 500 mísseis Stinger dos estoques da Bundeswehr desde o início da guerra.

Míssil terra-ar Stinger
O Stinger é um míssil terra-ar. Arma foi usada com sucesso durante a primeira Guerra do Afeganistão contra as forças soviéticasFoto: picture-alliance/epa/C. Rehder

Arma antitanque Panzerfaust 3

A Bundeswehr e outras forças armadas nacionais usam o Panzerfaust 3 como equipamento antitanque. O nome remete à antiga Panzerfaust usada pela Alemanha na Segunda Guerra Mundial. A moderna versão da arma, semidescartável e sem recuo, é fabricada pela Dynamit Nobel da Alemanha desde 1992. A Panzerfaust 3 é disparada a partir do ombro contra alvos estacionários até 400 metros de distância e alvos móveis até 300 metros de distância.

Tem capacidade para penetrar até 300 mm de aço blindado. Com o uso de munição específica, também se mostra eficaz contra bunkers, podendo penetrar até 240 mm de concreto armado.

A Alemanha forneceu à Ucrânia milhares dessas armas ainda no início da guerra.

Soldado alemão com uma Panzerfaust 3
Soldado alemão com uma Panzerfaust 3Foto: Sebastian Gollnow/dpa/picture alliance

Armas leves variadas

Até o final de abril, a Alemanha também havia enviado à Ucrânia 100 metralhadoras, 100 mil granadas de mão, 2 mil minas, cerca de 5.300 cargas explosivas e mais de 16 milhões de cartuchos de munição de vários calibres, para uso em fuzis de assalto e metralhadoras pesadas.

O envio foi confirmado por membros do governo ucraniano. Já o governo alemão evitou fornecer estimativas sobre o envio de armas leves.