Putin promete cidadania russa fácil a todos os ucranianos | Notícias internacionais e análises | DW | 27.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ucrânia

Putin promete cidadania russa fácil a todos os ucranianos

A proposta anterior, de passaportes russos aos separatistas do Leste da Ucrânia, despertara protestos internacionais. Em vez de recuar, Putin aumentou a oferta e convida presidente ucraniano eleito para negociar a paz.

A Rússia planeja facilitar para todos os ucranianos a obtenção da cidadania russa, anunciou o presidente russo, Vladimir Putin, em entrevista coletiva neste sábado (28/04), na China.

"Estamos pensando em conceder cidadania de forma simplificada a todos os cidadãos da Ucrânia, não apenas aos moradores das repúblicas de Lugansk e Donetsk", disse Putin, referindo-se às repúblicas dominadas por separatistas. Logo em seguida à oferta, o governo em Kiev telefonou para o Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Na quarta-feira, o chefe de Estado russo assinara decreto para a concessão simplificada de cidadania russa aos moradores das regiões separatistas da Ucrânia. A União Europeia condenou a medida como "mais um ataque à soberania da Ucrânia pela Rússia", e manifestou "apoio firme" à "independência, soberania e integridade territorial da Ucrânia".

Recordando os protocolos internacionais que levaram ao fim dos confrontos em larga escala no Leste da Ucrânia entre forças governamentais e separatistas pró-russos, a porta-voz da UE para a política externa, Maja Kocijancic, disse esperar que "a Rússia se abstenha de ações que são contra os acordos de Minsk e impedem a plena reintegração de áreas não controladas pelo governo na Ucrânia".

Durante a coletiva em Pequim, Putin assegurou que o oferecimento de cidadania não afetará os benefícios sociais e aposentadorias dos russos: "Não há dúvida, todas as obrigações sociais serão cumpridas." Ele descartou como "histórias de terror" as acusações de que a decisão sobrecarregaria o orçamento nacional. "Nós calculamos tudo de antemão", assegurou..

Na ocasião, o chefe do Kremlin ofereceu ainda ao presidente eleito ucraniano, Volodymyr Zelensky, a oportunidade de um encontro com o fim de acabar o mais depressa possível com o conflito entre os dois países.

O comediante de TV Zelensky venceu o chefe de Estado em exercício, Petro Poroshenko, no segundo turno das eleições presidenciais, no último domingo. Como uma das prioridades de seu mandato, ele prometeu encerrar a guerra com a Rússia, que já matou mais de 15 mil.

AV/lusa,afp,ap,dpa

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais