Putin inaugura ponte ferroviária entre Rússia e Crimeia | Notícias internacionais e análises | DW | 23.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Putin inaugura ponte ferroviária entre Rússia e Crimeia

Com uma viagem de trem, presidente russo inaugura linha férrea ligando a Rússia à península ucraniana anexada por Moscou em 2014. UE diz que obra é "nova violação da soberania e integridade territorial" da Ucrânia.

Pontes paralelas, ferroviária e rodoviária, atravessam mar

Ponte é a mais longa da Europa, com 19 quilômetros de extensão

O presidente russo, Vladimir Putin, inaugurou nesta segunda-feira (23/12) a ligação ferroviária que une a Rússia à Península da Crimeia, região ucraniana anexada pela Rússia, com uma viagem de trem.

"A viagem é mais suave do que num automóvel", disse Putin ao maquinista no momento em que as composições cruzavam a ponte sobre o Estreito de Kerch.

Em 2018, Putin já tinha inaugurado o trecho rodoviário da obra que une a Rússia à Crimeia. Com 19 quilômetros, é a ponte mais longa da Europa e começou a ser construída em 2016.  

"Este é um acontecimento muito importante para a Crimeia, Sebastopol, para todo o sul da Rússia e para todo o país", afirmou o presidente russo, estimando que 14 milhões de pessoas vão cruzar a estrutura em 2020.

Putin parabenizou os trabalhadores que participaram da obra, afirmando que "ela provou nossa habilidade para realizar projetos de infraestrutura de grande porte".

A construção é criticada pela Ucrânia, que considera a península parte do território nacional anexado pela Rússia em 2014, apesar da realização de um referendo que não foi reconhecido nem por Kiev nem pela comunidade internacional. 

A ponte consiste em duas estruturas paralelas, para automóveis e para trens. O projeto custou 3,6 bilhões de dólares. Seu planejamento começou em 2014, logo após a anexação da Crimeia.

Presidente russo, Vladimir Putin, numa cabine de trem

Putin viajou na cabine do maquinista durante inauguração da ponte

O segmento para rodoviário da ponte foi formalmente aberto por Putin em maio de 2018 e disponibilizado para o tráfego de cargas em outono do mesmo ano. A ponte ferroviária será aberta para trens de carga em junho de 2020.

O conflito no leste da Ucrânia, entre os separatistas e as forças de Kiev, mantém-se há quase seis anos, tendo provocado a morte de 13 mil pessoas. 

O alto representante da União Europeia (UE) para a Política Externa e de Segurança, Josep Borrell, disse que a ligação ferroviária Rússia-Crimeia constitui "uma nova violação da soberania e integridade territorial" ucraniana por parte de Moscou. 

"Esta ligação ferroviária é mais um passo em direção à integração forçada com a Rússia da península ilegalmente anexada e ao isolamento da Crimeia da Ucrânia, da qual continua a fazer parte", disse um porta-voz de Josep Borrell, em comunicado.

Ele também destacou que a ponte que sustenta a ligação ferroviária "limita a passagem de navios" pelo estreito de Kerch até aos portos ucranianos no mar de Azov.

"A União Europeia espera que a Rússia garanta uma passagem livre e desimpedida pelo estreito de Kerch, de acordo com o direito internacional", acrescentou o chefe da diplomacia europeia.

Ele reiterou o "apoio" total da UE à independência, soberania e integridade territorial da Ucrânia, dentro das suas fronteiras legalmente reconhecidas, e recordou que a UE "não reconhece, nem reconhecerá, a anexação ilegal da Crimeia pela Rússia".

Putin ordenou a construção da ponte, que era originalmente um projeto russo-ucraniano, a fim de quebrar o isolamento da península ucraniana anexada por Moscou em março de 2014. 

MD/lusa/dpa/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados