Puigdemont quer lista unificada para eleição | Notícias internacionais e análises | DW | 04.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Europa

Puigdemont quer lista unificada para eleição

Líder destituído defende união de independentistas catalães na eleição de 21 de dezembro, mas partido Esquerda Republicana condiciona participação à presença de todas as formações pró-independência.

Puigdemont em Bruxelas

Apelo foi feito em Bruxelas, onde o líder catalão se encontra, apesar de seu paradeiro exato ser desconhecido

O presidente destituído do governo da Catalunha, Carles Puigdemont, defendeu neste sábado (04/11) a união dos partidos independentistas catalães na eleição de 21 de dezembro, apelando à constituição de uma "lista unitária" independentista.

Opinião: Puigdemont foi do heroico ao ridículo

"Chegou o momento de todos os democratas se unirem. Pela Catalunha, pela libertação dos presos políticos e pela república", escreveu o dirigente separatista na sua conta no Twitter. O apelo foi feito em Bruxelas, onde o líder catalão se encontra, apesar de seu paradeiro exato ser desconhecido.

Pouco depois, seus parceiros na coalizão Junts pel Sí (JxSí), a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), à qual pertence o ex-vice-presidente regional Oriol Junqueras, detido desde quinta-feira, anunciaram que somente concordam com uma lista independentista unificada se ela aglutinar todos os partidos pró-independência, o que torna muito difícil que a lista se torne realidade.

Puigdemont anunciara na véspera, na televisão pública belga RTBF, estar disposto a se candidatar na eleição convocada pelo presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, que destituiu o Executivo catalão e colocou a região sob tutela de Madri algumas horas após a proclamação da "República da Catalunha", em 27 de outubro.

Depois de serem acusado pela Justiça espanhola de rebelião, sedição e apropriação indevida de fundos públicos, Puigdemont e quatro ministros do seu governo destituído são alvos de um mandado de detenção europeu, emitido nesta sexta-feira por uma juíza de Madri.

O Ministério Público belga confirmou ter recebido mandados de detenção de Puigdemont e outros quatro antigos governantes, cabendo agora a um juiz a decisão de os mandar prender ou não. 

AS/lusa/efe

Leia mais