PSL suspende Eduardo Bolsonaro por um ano | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 03.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

PSL suspende Eduardo Bolsonaro por um ano

Com punição, filho do presidente deve perder o posto de líder da bancada do partido na Câmara. Sigla determina também suspensão de outros 13 deputados ligados a Jair Bolsonaro e adverte mais quatro.

Eduardo Bolsonaro

Eduardo Bolsonaro travou uma batalha pela liderança do PSL na Câmara

Após a disputa que levou à saída de Jair Bolsonaro do PSL, o partido confirmou nesta terça-feira (03/12) a suspensão de Eduardo Bolsonaro (SP) e outros 13 deputados ligados ao presidente. Outros quatro parlamentares levaram advertências. A sigla dissolveu ainda o diretório estadual de São Paulo, que era comandado pelo filho de Bolsonaro.

Na semana passada, o conselho de ética do PSL recomendou as suspensões e advertências aos 18 deputados que apoiaram Bolsonaro na disputa pelo poder da legenda. As recomendações foram validadas nesta terça-feira, por unanimidade, pelos 153 membros do diretório nacional da sigla, que é presidida pelo deputado federal Luciano Bivar (PE).

Eduardo Bolsonaro foi suspenso por um ano. Com a punição, o filho do presidente deve perder o posto de líder da bancada do PSL na Câmara, posição que conquistou depois de uma batalha de listas de apoio disputada com o deputado Delegado Waldir (GO). Ao conquistar a liderança, Eduardo desistiu da indicação para ser embaixador do Brasil nos Estados Unidos. 

Apesar da suspensão, por ter sido eleito para o posto, Eduardo dever manter a presidência da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional.

Além de Eduardo, os deputados Bibo Nunes (RS), Alê Silva (MG) e Daniel Silveira (RJ) também foram suspensos por 1 ano. Entre os punidos com suspensões que variam de 3 a 10 meses, estão Carlos Jordy (RJ), Carla Zambelli (SP), Bia Kicis (DF), Filipe Barros (PR), Márcio Labre (RJ), Sanderson (RS), Vitor Hugo (GO), General Girão (RN), Junio Amaral (MG) e Luiz Philippe de Órleans e Bragança (SP).

Os deputados punidos com a suspensão são afastados da atividade parlamentar e devem ser retirados das comissões das quais participam. Outros quatro deputados receberam apenas uma advertência.

O PSL também dissolveu o diretório de São Paulo, que era liderado por Eduardo e foi alvo da disputa entre bolsonaristas e apoiadores de Bivar. A sigla deve se organizar agora para nomear um novo líder na Câmara. "Dentro do grupo não vai ter nenhum tipo de divisão. Vai ter uma pacificação e vai chegar num consenso de um nome", disse o deputado Júnior Bozzella (SP) ao jornal Folha de S. Paulo.

Alguns dos punidos já indicaram que pretendem deixar o PSL e migrar para o partido que Bolsonaro pretende criar, o Aliança pelo Brasil. A criação da sigla, no entanto, depende do recolhimento de 500 mil assinaturas, coletadas em ao menos nove estados. Essa lista de apoio deve ser apresentada no momento em que o pedido de abertura for protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que analisará a questão.

A saída de Bolsonaro do PSL ocorre após uma batalha entre o clã Bolsonaro e Bivar, pelo controle da legenda, que é alvo de uma série de acusações de candidaturas laranjas. A disputa envolve também o poder sobre os imensos fundos partidários aos quais o partido tem direito – a previsão é que a legenda receba 110 milhões de reais neste ano.

Oficialmente, o grupo de Bolsonaro no PSL manteve o discurso de que está insatisfeito com Bivar por causa da falta de transparência no comando da sigla e a eclosão das suspeitas em torno das candidaturas de fachada em Pernambuco.

Ainda assim, o próprio presidente da República insiste em manter no cargo o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que também é suspeito de comandar um esquema similar de candidaturas laranjas em Minas Gerais.

Já os apoiadores de Bivar acusam o grupo do presidente de querer controlar a gorda fatia do fundo partidário que cabe ao PSL desde que a sigla se tornou a segunda maior bancada da Câmara.

CN/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais