Protesto conturba fala de Greenwald na Flip | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 13.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Protesto conturba fala de Greenwald na Flip

Palestra de jornalista investigativo na Festa Literária de Paraty é alvo de protesto de apoiadores do ex-juiz Sergio Moro. "Temos muito mais para revelar", diz Glenn Greenwald.

Brasilien Journalist Glenn Greenwald (Agência Senad/Edilson Rodrigues)

Glenn Greenwald falou também na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania no Senado

Na noite de sexta-feira (12/07), dezenas de pessoas com bandeiras verdes e amarelas, rojões e equipamento de som, em volume muito alto, tentaram impedir o jornalista Glenn Greenwald de falar ao público que lotou o cais de Paraty num evento paralelo à Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

O protesto realizado por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Justiça, Sergio Moro, contra o jornalista americano marcou o terceiro dia da Flip.

Greenwald é o editor do site Intercept, responsável pelas revelações de diálogos sobre a suposta atuação ilegal do ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro.

O jornalista americano participou de um debate organizado por editoras independentes sobre jornalismo investigativo, junto ao comediante e apresentador Gregório Duviver e ao jornalista Sérgio Amadeu.

Durante a intervenção, Greenwald reafirmou a veracidade dos diálogos que estão sendo publicados pelo Intercept e alguns meios de comunicação brasileiros, como o jornal Folha de S. Paulo, revista Veja e TV Bandeirantes e que colocaram em questão a imparcialidade da Operação Lava Jato.

"A máscara do Moro caiu para sempre [...] Estamos muito mais perto do começo do que do fim. Temos muito mais para revelar", frisou, referindo-se às supostas conversas ilegais mantidas alegadamente pelo ex-juiz Sergio Moro com os procuradores da Lava Jato.

Enquanto o jornalista americano falava num barco no porto de Paraty, as pessoas que se opunham à sua presença na cidade usaram caixas de som para elevar o volume dos fogos de artifício e do Hino Nacional. Durante toda a fala, Glenn enfrentou dificuldades para ser ouvido pelo público que lotava o cais.

Programada para as 19h, a palestra de Greenwald não pôde se iniciar antes das 19h30 devido ao barulho dos manifestantes, que pararam após uma intervenção policial, mas logo voltaram com som alto e fogos de artifício.

O som chegava até a tenda principal da Flip, onde a última mesa do dia reuniu o escritor indígena Ailton Krenak e o dramaturgo José Celso Martinez Corrêa, do Teatro Oficina.

Krenak aludiu ao protesto contra a participação do jornalista Glenn Greenwald na programação paralela da Flip: "Eu ouvi os fogos e pensei: é muita sorte poder falar de Canudos com essa cenografia toda." Em sua palestra, ele afirmou ainda que no Brasil muitas pessoas estão "vivendo uma experiência de resistir" a pessoas que apelam para a "força bruta".

Segundo o jornal Globo, às 20h45, quando foram permitidas perguntas da plateia, uma moradora de Paraty disse emocionada: "Eles não representam a cidade". A palestra encerrou-se por volta das 21h20.

Maior encontro literário do Brasil, a Flip acontece até este domingo, na cidade de Paraty, no litoral do Rio de Janeiro.

CA/lusa/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

 

Leia mais