Primeiro-ministro da Eslováquia apresenta renúncia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 14.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Primeiro-ministro da Eslováquia apresenta renúncia

Robert Fico diz estar pronto para deixar o cargo, na tentativa de evitar eleições antecipadas e aplacar escândalo após morte de jornalista que apurava ligação entre políticos e máfia. Presidente precisa aceitar renúncia.

Robert Fico vinha sendo pressionado pela população a deixar o cargo

Robert Fico vinha sendo pressionado pela população a deixar o cargo

O primeiro-ministro da Eslováquia, Robert Fico, anunciou nesta quarta-feira (14/03) que ofereceu sua renúncia ao cargo, em mais uma tentativa do governo de acalmar a crise política desencadeada pelo assassinato do jornalista investigativo Jan Kuciak e de sua noiva, em fevereiro passado.

"Apresentei minha renúncia ao presidente da República [Andrej Kiska]. Se ele aceitar, estou pronto para renunciar amanhã", declarou o premiê. Segundo a Constituição da Eslováquia, é o presidente que escolhe o primeiro-ministro. Ainda não está claro se Kiska, rival de Fico, aceitará a renúncia.

A condição imposta pelo premiê para deixar o cargo foi a de que seu partido, o social-democrata Smer-SD, possa escolher seu sucessor. O plano foi acordado com os líderes das outras duas legendas que formam a coalizão governista: Most Hid, da minoria húngara, e o ultranacionalista Partido Nacional Eslovaco.

A renúncia do chefe de governo é vista como uma tentativa de manter a coalizão no poder e evitar eleições antecipadas. "A convocação de novas eleições seria quase certamente acompanhada de caos e instabilidade", justificou o premiê, cujo mandato iria até 2020.

O governo eslovaco mergulhou em uma crise após a morte de Kuciak, que investigava uma possível ligação entre políticos de alto escalão do país e organizações criminosas. A polícia interrogou mais de 100 pessoas no âmbito da investigação, mas ninguém foi acusado ainda.

Os investigadores acreditam que a morte de Kuciak está "muito provavelmente" relacionada às apurações que resultaram num artigo publicado após a sua morte sobre os laços entre políticos eslovacos e a organização criminosa 'Ndrangheta, da máfia italiana.

Desde então, o país de 5,4 milhões de habitantes, membro da União Europeia e da Otan, viveu uma série de protestos da população contra o governo, que pediam a renúncia de Fico e a convocação de eleições antecipadas.

O escândalo levou ainda à renúncia, nesta segunda-feira, do ministro do Interior e vice-primeiro-ministro do país, Robert Kalinak, que também vinha sofrendo pressão para deixar o cargo. Ele disse, na ocasião, que renunciou para manter a estabilidade do governo do primeiro-ministro.

Kuciak, de 27 anos, e sua namorada foram encontrados mortos a tiros em sua casa. Ele já havia alertado a polícia que vinha recebendo ameaças, que supostamente não foram investigadas pelos órgãos de segurança, até então sob responsabilidade de Kalinak como ministro do Interior.

Diante da crise, o partido Most Hid chegou a exigir a saída de Kalinak como condição para seguir no governo. Se a legenda abandonasse a coalizão, as consequências mais prováveis seriam a formação de um governo de minoria ou a realização de novas eleições.

EK/ap/efe/rtr/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais