Pressionada pelas urnas, Merkel admite erros | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 19.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Pressionada pelas urnas, Merkel admite erros

Após perdas sofridas pela CDU em eleições regionais, chanceler federal alemã assume parte da responsabilidade e reconhece falhas em relação à crise de refugiados. "Se pudesse, voltaria no tempo para me preparar melhor."

Após seu partido, a União Democrata Cristã (CDU), sofrer um novo revés eleitoral, desta vez na cidade-Estado de Berlim#, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, falou numa "derrota amarga" e assumiu parte da responsabilidade pelo resultado nesta segunda-feira (19/09).

A CDU foi a segunda mais votada no pleito deste domingo, atrás do parceiro de coalizão Partido Social-Democrata (SPD), mas caiu 5,7 pontos percentuais na preferência dos berlinenses e alcançou apenas 17,6% – o pior resultado do partido em Berlim desde a fundação da República Federal da Alemanha.

Em entrevista coletiva, Merkel falou sobre o momento difícil vivido pela CDU, após as recentes eleições regionais em Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental e Berlim. Ela reconheceu que erros foram cometidos durante anos em relação à política para refugiados, assumindo parte da responsabilidade como chefe do partido e de governo.

"Se eu pudesse, voltaria no tempo para, ao lado do governo federal e de todos os responsáveis, me preparar melhor para a situação [crise de refugiados], que nos pegou despreparados no fim do verão de 2015", declarou a chanceler.

Merkel afirmou que vai se esforçar para melhorar a situação, se um dos motivos para as perdas sofridas pela CDU foi o fato de o objetivo e a direção de sua política de refugiados não terem ficado claros o suficiente.

Ela reiterou que a solução para a crise de refugiados não virá de um dia para o outro – "também porque nós não fizemos tudo corretamente nos últimos anos". E afirmou que a Alemanha "não foi campeã mundial" em termos de integração de estrangeiros e esperou demais para se preocupar com os refugiados.

A chanceler federal destacou que não usará mais com tanta frequência a frase que se tornou o slogan de sua política de refugiados, "Nós vamos conseguir". A frase, disse Merkel, foi alvo de tantas interpretações que se transformou "num lema simples, em quase uma fórmula vazia".

Merkel afirmou ainda ter consciência de que a questão da acomodação e de vagas em cursos de idioma para refugiados ainda deixa a desejar e de que a integração ao mercado de trabalho é um grande desafio. Segundo ela, o combate às razões para a fuga dos migrantes é a principal tarefa pela frente, e, para isso, a União Europeia (UE) precisa adotar uma linha conjunta.

"Situação nunca foi tão difícil"

Horst Seehofer – governador da Baviera e filiado à União Social Cristã (CSU), partido-irmão da CDU – afirmou que a "situação nunca foi tão difícil para a União [CDU e CSU]". Os dois partidos, disse, precisam urgentemente superar diferenças e definir uma linha comum.

Horst Seehofer, governador da Baviera

Seehofer: CDU e CSU precisam superar diferenças

"Temos um grave problema", afirmou Seehofer, referindo-se aos reveses sofridos nas urnas e apontando que estes não foram causados apenas pela política de refugiados. A União precisa apresentar respostas para a segurança interna, assim como para as políticas fiscal e econômica.

Seehofer rechaçou acusações de que, ao se desentender com a CDU, a CSU foi a responsável pelas perdas sofridas nas urnas.

O partido de coalizão SPD, por sua vez, acusou a União pelas perdas sofridas pelos sociais-democratas. A legenda foi a mais votada em Berlim, com 21,5%, mas registrou uma queda de 6,8 pontos percentuais em relação à eleição anterior, em 2011.

Se CDU e CSU brigarem permanentemente sobre a política de refugiados, então, a coalizão de governo também transmite a mensagem "de que não sabe para onde caminha", disse o chefe da bancada do SPD no Parlamento, Thomas Oppermann, nesta segunda-feira.

O destaque da eleição regional em Berlim foi o partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD), que obteve 14,1% dos votos. Com isso, a AfD entrou em mais um parlamento regional alemão, o décimo de um total de 16. O partido é o principal crítico da política para refugiados da grande coalizão.

Em relação ao avanço da legenda, Merkel disse: "Às pessoas que têm medo dos estrangeiros, só posso dizer: a Alemanha não se deixará abalar em seus fundamentos". A chanceler federal disse estar confiante de que o país sairá fortalecido desses "tempos complicados".

LPF/dpa/rtr/ots

Leia mais