Presidente do Irã convoca muçulmanos a se unirem contra os EUA | Notícias internacionais e análises | DW | 24.11.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Presidente do Irã convoca muçulmanos a se unirem contra os EUA

Rohani critica Washington e Israel, afirmando que governos islâmicos não devem "estender tapetes vermelhos para criminosos". Líder também se diz disposto a defender interesses dos sauditas contra superpotências.

Hassan Rohani

"O que os Estados Unidos querem hoje [do Oriente Médio] é escravidão”, disse Rohani

O presidente do Irã, Hassan Rohani, pediu neste sábado (24/11) que muçulmanos mundo afora se unam contra os Estados Unidos em vez de "estender tapetes vermelhos para criminosos”.

Em maio deste ano, o presidente americano, Donald Trump, retirou os EUA do acordo nuclear fechado entre o Irã e potências internacionais em 2015 e reimpôs sanções contra a república islâmica.

"O que os Estados Unidos querem hoje [do Oriente Médio] é escravidão”, disse Rohani durante discurso numa conferência internacional sobre unidade islâmica em Teerã, transmitido ao vivo na televisão estatal. "Submeter-se ao Ocidente comandado pelos EUA seria uma traição contra a nossa religião e contra as gerações futuras desta região.”

"Temos a escolha de ou estendermos tapetes vermelhos para criminosos ou nos opormos fortemente à injustiça e permanecermos fiéis ao nosso profeta, ao nosso Alcorão e ao nosso islã”, disse o presidente, numa aparente referência à Arábia Saudita e a outros Estados do Golfo que mantêm relações estreitas com Washington.

O Irã, de orientação xiita, e a Arábia Saudita, de orientação sunita, são rivais no Oriente Médio, tendo apoiado lados opostos nos conflitos na Síria e no Iêmen, assim como diferentes facções no Iraque e no Líbano. A Arábia Saudita acusa o Irã de fomentar instabilidade entre xiitas no Golfo Árabe.

Rohani classificou os sauditas de "irmãos” que não têm motivo para temer Teerã e pediu que Riad acabe com sua dependência da "insultante” ajuda militar americana.

"Estamos dispostos a defender os interesses do povo saudita contra terrorismo, agressão e contra as superpotências. E não pedimos 450 bilhões de dólares para fazer isso”, disse, em referência a contratos entre a Arábia Saudita e os EUA.

Riad rompeu seus laços diplomáticos com Teerã em janeiro de 2016, após manifestantes invadirem representações diplomáticas sauditas no Irã devido à execução de um proeminente clérigo xiita.

Rohani também afirmou que os governos muçulmanos deveriam se unir contra Israel, o "o tumor cancerígeno da região”.

LPF/rtr/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais