1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, em visita à Polônia em abril de 2022.
"Imagens que nos chegam de Pequim me comovem", disse SteinmeierFoto: Jens Büttner/dpa/picture alliance

Presidente alemão defende liberdade de expressão na China

Jens Thurau
28 de novembro de 2022

Em entrevista à DW, Frank-Walter Steinmeier fala sobre os protestos que eclodiram na China e o momento da guerra na Ucrânia. E explica por que ainda descarta negociações de cessar-fogo entre Kiev e Moscou.

https://p.dw.com/p/4KCRn

O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, expressou em entrevista à DW sua solidariedade à população chinesa diante dos protestos contra a rígida política sobre covid-19 no país.

"As imagens que nos chegam de Pequim e de várias cidades chinesas me comovem", disse ele em entrevista à DW, lembrando que a pandemia também colocou os alemães à prova.

"Só podemos imaginar quão grande é o fardo para as pessoas na China, onde as medidas são muito mais rígidas, muito mais duradouras e persistem até hoje."

Chineses protestam em Pequim contra a dura política anti-covid da China
Chineses protestam em Pequim contra a dura política anti-covid da ChinaFoto: Michael Zhang/AFP/Getty Images

"Pequim deve respeitar a liberdade de expressão"

Nos últimos dias, a indignação diante da estrita política chinesa de "zero covid" provocou protestos em toda a China, na maior onda de desobediência civil desde os atos pró-democracia de 1989.

O estopim foi um incêndio num edifício residencial em Urumqi, na região de Xinjiang, noroeste do país, que matou dez pessoas na última quinta-feira.

"Como democrata, só posso dizer que a liberdade de expressão é um bem importante", disse o presidente alemão. "E, ao que nós vemos, só consigo associar a esperança de que as autoridades estatais chinesas respeitem esse direito à liberdade de expressão e manifestação."

O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, em entrevista exclusiva à jornalista Rosalia Romaniec, da DW, no Palácio Bellevue, em Berlim.
O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, em entrevista exclusiva à DW no Palácio Bellevue, em BerlimFoto: Nina Haase/DW

"Ucranianos ameaçados por dificuldades, escuridão e frio"

Sobre a guerra na Ucrânia, Steinmeier disse que condena os recentes ataques russos a civis e à infraestrutura de fornecimento de gás e eletricidade aos ucranianos:

"Acho que isso faz parte da estratégia de guerra que estamos vendo aqui. Não vemos apenas uma guerra agressiva, travada militarmente contra o Exército ucraniano. O que temos — e isso se torna mais visível quanto mais perto do inverno chegamos — é um ataque brutal à infraestrutura crítica e, é claro, à população civil."

Sobre a situação das pessoas na zona de guerra, Steinmeier também expressou profunda preocupação: "Vimos o que aguarda as pessoas na Ucrânia: dificuldades, escuridão e frio."

Em Cherson, homem fica diante de escombros de uma casa onde sete pessoas morreram em um ataque russo
Em Cherson, homem fica diante de escombros de uma casa onde sete pessoas morreram em um ataque russo no último domingoFoto: Chris McGrath/Getty Images

"Uma trégua neste ponto corroboraria toda a injustiça" cometida pela Rússia

Steinmeier, que também já foi ministro do Exterior da Alemanha, ainda não vê ocasião para conversas sobre um possível armistício.

"Todas as recomendações de se buscar uma trégua agora são claramente levianas, pois uma trégua neste ponto corroboraria toda a injustiça já cometida. Uma trégua agora significaria conceder à Rússia o território por ela ocupado. E com isso, as violações de fronteira, o desrespeito ao direito internacional e a apropriação de terras também seriam ratificados."

Steinmeier evitou comentar sobre eventuais garantias de segurança do Ocidente para a Ucrânia antes de Kiev e Moscou darem início a possíveis negociações. "Ainda estamos em um estágio em que não podemos dizer exatamente como seriam essas garantias de segurança."

"Armas nucleares não devem ser usadas"

No início do ano, Steinmeier foi duramente criticado por seus contatos pessoais de longa data com políticos russos na Ucrânia. Agora, o presidente alemão qualifica a ameaça russa de usar armas nucleares como intolerável.

"Isso, na verdade, vai contra toda a nossa experiência histórica. E representa um nova escalada que a Rússia está buscando nesta guerra. As armas nucleares não devem ser usadas!”

"Sou muito grato ao Bundestag alemão"

Em entrevista à DW, o presidente alemão saudou a intenção do Bundestag (câmara baixa do Parlamento alemão) de reconhecer nesta semana o chamado Holodomor e qualificá-lo como genocídio.

Evento em memória do Holodomor, a crise da fome dos anos 1930 na Ucrânia
Evento em memória do Holodomor, a crise da fome dos anos 1930 na UcrâniaFoto: Valentyn Ogirenko/REUTERS

No início da década de 1930, milhões de pessoas morreram de fome na Ucrânia ao verem sua produção de alimentos sistematicamente subtraída e confiscada pela liderança soviética da época. Agora, o Partido Social-Democrata (SPD), o Partido Verde e o Partido Liberal Democrático (FDP), que compõem a coalizão que governa a Alemanha, além da União Democrata Cristã/União Social Cristã (CDU/CSU), da oposição, querem mudar isso com uma resolução conjunta.

"Foi uma estratégia consciente do regime de Stalin em 1932 e 1933 de deixar partes da população da então União Soviética morrer de fome", afirmou Steinmeier, que se disse "muito, muito grato" pelo fato de o Parlamento decidir mudar isso.

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado