Premiê da Hungria consegue poderes quase ilimitados | Notícias internacionais e análises | DW | 30.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Premiê da Hungria consegue poderes quase ilimitados

Parlamento concede ao ultraconservador Viktor Orbán poder de governar por decreto por tempo indefinido em meio à pandemia de coronavírus. Críticos afirmam que medida vai erodir ainda mais a democracia húngara.

O primeiro-ministra húngaro, Viktor Orbán

Orbán está no poder desde 2010 e há anos vem sendo acusado de minar a democracia da Hungria

O Parlamento da Hungria aprovou nesta segunda-feira (30/03) uma medida que autoriza o ultraconservador primeiro-ministro do país, Viktor Orbán, a governar por decreto sem o aval do Legislativo por tempo indeterminado.

Segundo os defensores do texto, a medida é necessária para combater a pandemia de coronavírus, mas críticos acusam o premiê de se aproveitar da crise para minar ainda mais a democracia húngara.

De acordo com o texto, Orbán poderá decidir até mesmo quando encerrar o período de emergência que justificou a emenda. A medida vai permitir que o primeiro-ministro, no poder desde 2010, não só governe por decreto, mas também suspenda leis e sessões do Parlamento.

O texto ainda prevê penas de prisão de até cinco anos para quem "espalhar informações que causem perturbação ou inquietação" sobre a pandemia e até oito anos para quem interferir nos esforços do governo para conter a doença, como violação de eventuais quarentenas.

Em tese, a Corte Constitucional do país permanece como único freio remanescente para fiscalizar as ações do premiê, mas o tribunal foi aparelhado por aliados de Orbán nos últimos anos.

"Mudar nossas vidas agora é inevitável", disse Orbán aos deputados na semana passada, quando defendeu o projeto. "Todo mundo precisa sair de sua zona de conforto. Esta lei dá ao governo o poder e os meios para defender a Hungria."

Durante a votação desta segunda-feira, ele prometeu que vai revogar a medida quando a crise passar. "Quando essa emergência terminar, devolveremos todos os poderes, sem exceção", disse.

O país já estava sofrendo os efeitos de um decreto de estado de emergência desde a metade de março, mas ele só previa uma duração de 15 dias.

A proposta foi apoiada por um total de 137 deputados, com votos do partido governante, Fidesz, e da legenda de extrema direita Nossa Pátria. Eram necessários 133 votos. Na oposição, 53 deputados que participaram da sessão votaram contra. Orbán já havia tentado aprovar o estado de emergência na semana passada, mas ainda não tinha obtido os dois terços dos votos necessários no Parlamento. 

A emenda se baseia num artigo da Constituição que permite dar ao governo poderes extraordinários em caso de "situação de perigo".

Quando a proposta foi originalmente apresentada há pouco mais de uma semana, críticos do premiê – que há anos é acusado de governar de forma autoritária – acusaram imediatamente Orbán de tentar consolidar uma ditadura.

O diretor de comunicações da seção europeia da ONG Human Rights Watch (HRW), Andrew Stroehlein, foi um dos críticos. "O partido governista Fidesz, que vem erodindo a democracia há anos, está usando a crise do coronavírus para dar os últimos passos em seu projeto de longo prazo: a ditadura", escreveu no Twitter na semana passada. Nesta segunda-feira, ele afirmou: "Qualquer que seja o problema, a ditadura nunca é a solução."

O item que prevê punições para "quem divulgar informações que causem perturbação ou inquietação" também veio na esteira da publicação de uma série de críticas por parte da mídia independente e de grupos de oposição, que acusam o governo de ocultar detalhes sobre a pandemia e de agir de maneira inconsistente na gestão da crise. O texto que prevê penas de prisão também levantou temores entre jornalistas independentes no país.

A oposição também criticou a falta de prazo para que o governo comande o país sem controle parlamentar, e pediram que esse período fosse limitado a 90 dias. O governo rechaçou essa proposta, argumentando que não se sabe até quando durará a pandemia.

ONGs como Anistia Internacional e International Helsinki Federation for Human Rights também denunciaram que "o poder ilimitado não é um remédio" para o coronavírus, e pediram que o projeto seja alterado e que o estado de emergência só possa ser declarado pelo Parlamento e "por períodos determinados".

A expectativa é que tanto o presidente do Parlamento como o presidente da República assinem ainda nesta segunda-feira a emenda, que pode entrar em vigor na terça.

Nesta segunda-feira, antes da aprovação da lei, o porta-voz da Comissão Europeia, Eric Mamer, disse que o braço Executivo da UE não tinha a intenção de "proibir nenhum Estado-membro de tomar as medidas que julgam mais adequadas a seus cidadãos, mas está vigilante para que todos sigam as regras da União Europeia".

A Hungria tem atualmente 447 casos confirmados de coronavírus, e registra 15 mortes causadas pela covid-19.

Orbán é considerado ideologicamente próximo do presidente Jair Bolsonaro. O húngaro compareceu à posse do brasileiro no ano passado. Bolsonaro também pretendia visitar a Hungria no fim de abril, mas a viagem foi suspensa por causa da pandemia.

JPS/efe/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais