Prefeito de Berlim critica nova feiúra de Alexanderplatz | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 09.09.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Prefeito de Berlim critica nova feiúra de Alexanderplatz

Prédios construídos após queda do Muro destoam da estética socialista que caracterizou a Alexanderplatz de Berlim, praça imortalizada pelo romance filmado por Rainer Werner Fassbinder. Prefeito da cidade reclama.

default

Wowereit não gostou do dos projetos na Alexanderplatz

Gegend am Berliner Alexanderplatz Alexa

Fachada de Alexa desagradou ao prefeito

"Como está feia", comentou o prefeito de Berlim, Klaus Wowereit, ao observar da cobertura de um edifício as novas construções em torno de uma das mais tradicionais praças berlinenses e coração da antiga Berlim Oriental – a Alexanderplatz.

Segundo noticiou o diário Berliner Morgenpost, Wowereit aproveitou o recesso de verão para fazer um "passeio de ônibus urbanístico" pelos novos projetos que estão sendo construídos em sua cidade.

Na Alex, diminutivo carinhoso pelo qual é conhecida a famosa praça, o prefeito reclamou do novo piso de granito de cor clara cravejado com milhões de gomas de mascar, da falta de aberturas das paredes externas e das cores das fachadas dos centros comerciais ali construídos, die neue mitte e Alexa.

Wowereit não escondeu o seu descontentamento e afirmou que os novos centros comerciais seriam caracterizados por uma "maciça feiúra". O prefeito teme que o novo conjunto venha agora a ameaçar a atratividade do tradicional ponto de encontro de berlinenses e turistas.

História de transformação

Deutschland Berlin Alexanderplatz Panoramafoto

Berlim, Alexanderplatz, antes dos novos projetos, em 2001

Em sua história, a Alexanderplatz foi caracterizada pela transformação. De mero mercado de gado, no século 17, a praça tornou-se ponto de passagem obrigatório no começo do século 20. Seu nome foi homenagem à visita do czar Alexandre 1°, que adentrou a antiga capital prussiana, em 1805, pelo portão da praça que herdaria seu nome. Com a construção do traçado ferroviário berlinense, foi inaugurado, em 1882, o prédio da estação ferroviária Alexanderplatz que até hoje existe.

A Alexanderplatz atingiu seu apogeu nos anos de 1920. Foi neste período que Alfred Döblin escreveu o romance Berlim Alexanderplatz, adaptado por Rainer Werner Fassbinder para a televisão em 1980. Com 15 horas e meia de duração, o filme é considerado a mais longa película narrativa da história.

A fama da praça, no entanto, foi acompanhada do caos do transporte urbano e individual e à renovação urbana da praça que deu origem à forma que hoje possui. Segundo o plano da prefeitura, a Alexanderplatz seria transformada num espaço circular de 100 metros de diâmetro, contornado por prédios de sete pavimentos.

No começo dos anos de 1930, o arquiteto alemão Peter Behrens construiu dois prédios ainda existentes, a Alexanderhaus e a Berolinahaus. A crise financeira afastou os investidores responsáveis pelas demais construções.

Unidade urbana socialista

60 Jahre Danach - Bildgalerie - Berlin 01/20

Destruição da Alexanderplatz em 1945

Após a Segunda Guerra, o urbanismo seguiu os preceitos do funcionalismo modernista de Le Corbusier. Em países socialistas, este também foi acompanhado da monumentalidade estatal. Aproveitando a destruição dos prédios pela guerra, promoveu-se o afastamento dos trilhos dos bondes e a construção de passagens subterrâneas. A Alexanderplatz tornou-se um imenso espaço de aglomeração, nos moldes da Praça Vermelha de Moscou ou da Praça dos Três Poderes de Brasília.

Em 1951, foi aberta a avenida Stalinallee, hoje Karl-Marx-Allee, um eixo monumental de 90 metros de largura que tangencia a Alexanderplatz ao oeste. Eram ali que se realizavam as paradas e desfiles da antiga Alemanha Oriental.

Karl Marx Allee in Berlin mit Plakat

A avenida Karl Marx e Casa do Professor em 1999

Durante os anos 60, a Alexanderplatz ganhou uma série de novas construções que lhe deram a unidade urbana característica do socialismo: a Haus des Lehrers (Casa do Professor), entre 1961 e 1964; a famosa torre de televisão, entre 1965 e 1969; o Centrum Warenhaus (Centro Comercial), uma torre de hotel de 120 metros de altura e o prédio da Haus der Elektroindustrie (Casa da Indústria Eletrônica), em 1969. Dois anos mais tarde, era construída a Haus des Reisens (Casa da Viagem).

Unidade urbana mais uma vez danificada

Rundfahrt Berliner Politiker zur städtebaulichen Entwicklung der Stadt

A Alexanderplatz tem história de transformação

Após a reunificação da Alemanha e a mudança da capital para Berlim, muitos têm sido os esforços para fazer da cidade, novamente, a capital de uma grande nação e trazer-lhe de volta o charme urbano do pré-guerra. Mas a Segunda Guerra Mundial e, sobretudo, o socialismo deixaram suas marcas. A Alexanderplatz foi uma delas. No começo dos anos 90 um concurso vencido pelo arquiteto Hans Kollhoff retomou o projeto de Behrens dos anos 20.

O novo projeto retoma a idéia da praça circundada por prédios de sete a oito andares e torres de 42 pavimentos na parte externa. Deste projeto, provêm os prédios dos centros comerciais die neue mitte e Alexa. O prédio do antigo Centrum Warenhaus foi reformado e ampliado em 25 metros em direção à praça pelo arquiteto Josef Paul Kleihues.

Kleihues transformou o prédio modernista, hoje Galeria Kaufhof, num prédio classicista. Assim também é o fechado bloco do centro comercial Alexa. Como as torres não foram construídas, as fachadas adjacentes dos centros comerciais ficaram sem janelas, por se tratarem de paredes corta-fogo. Como no passado, os bondes voltaram a circular sobre a Alexanderplatz.

Diferentemente da praça Pariser Platz, onde se localiza o Portão de Brandemburgo, e da região em torno da Ilha dos Museus, a superintendência de obras de Berlim não quer estabelecer padrões urbanísticos rígidos para a Alexanderplatz, ou seja, seu caráter socialista não foi considerado e sua unidade urbana ficou danificada.

Leia mais