Próximo presidente terá que comprovar liderança internacional do Brasil | Eleições 2018 | DW | 29.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2018

Próximo presidente terá que comprovar liderança internacional do Brasil

Quem vencer as eleições encontrará caminho pavimentado deixado por Lula no cenário internacional, avaliam especialistas. Conquistas deixaram o Brasil em mais evidência e criaram grandes expectativas.

default

Lula em visita à Rússia

Ao fim da primeira década do século 21, as maiores instituições do globo acompanham com atenção o fim da era Lula e a chegada de um novo líder político brasileiro. Mas, há 20 anos, o mundo não esperava ver o Brasil atuando com influência no cenário internacional.

"O que vemos agora não era previsível. O Brasil, assim como outros países da América Latina, passou por uma ditadura, teve uma entrada tardia na democracia e teve que lutar por uma série de coisas. Acho que muita lição de casa foi feita. Lula mostrou ao mundo coisas novas e áreas novas em que seu país poderia contribuir", avalia Federico Foders, especialista em Relações Internacionais e professor da Universidade de Colônia, no oeste alemão.

Há certo consenso entre os pesquisadores que acompanham o desenrolar político brasileiro: o novo presidente vai herdar um Brasil com mais credibilidade internacional do que há oito anos.

"A visão que o mundo tem hoje do Brasil é muito diferente. Ele foi um país introvertido durante muitos anos. Isso começou um pouco na época de Fernando Henrique Cardoso. Mas foi com Lula que o Brasil passou a fazer parte da primeira liga de nações", afirma Susanne Gratius, pesquisadora alemã da Fride, Fundação para Relações Internacionais e Diálogo Exterior, com base em Madri.

Melhor do que o esperado

Em 2002, quando Lula assumiu, havia também uma tensão na comunidade internacional, como lembra Federico Foders: "Ao fim desses oito anos, podemos dizer que Lula foi melhor do que muitos esperavam. Porque, quando ele chegou ao poder, um grande número de pessoas tinha medo de suas políticas e coisas do tipo".

Mas o que se viu foi o Brasil fazendo parte, ativamente, do G20, que reúne as maiores economias do globo – do qual exerceu a presidência em 2008 – , atuando como protagonista no BRIC, grupo de países emergentes criado no início da década, e também puxando as negociações da rodada de Doha.

"O Brasil é agora o que foi o México nos anos 1970, ou seja, um porta-voz dos países latino-americanos e em desenvolvimento. E, ao mesmo tempo, forma o time dos primeiros países do mundo", classifica Susanne Gratius.

Iran Lula da Silva Mahmud Ahmadinedschad

Mediação do Brasil no conflito internacional com o Irã

A pedido da Deutsche Welle, o comissariado de relações diplomáticas da União Europeia fez uma análise das relações com o Brasil no últimos anos. Além de destacar a relevância do país em números, Maja Kocijancic, porta-voz de Catherine Ashton, alta representante da UE para Política Externa, acrescentou: "A União Europeia reconhece por completo o papel global crescente do Brasil e, por isso, estabeleceu em 2007 uma parceria estratégica com o país", afirmou.

De lá para cá, os encontros anuais geraram diversos reflexos positivos para os dois lados. Um exemplo está no fato de o Brasil receber mais investimentos europeus do que Índia e China juntas. Só em 2008, foram 112,5 bilhões de euros.

Um pouco de aventura

Os especialistas reconhecem a influência de Lula devido a sua personalidade carismática, que repercutiu tanto em nível nacional – com o maior índice de popularidade de um presidente já visto no Brasil – como internacional.

Mas, para Susanne Gratius, o presidente também se mostrou uma figura controversa: "Se pensarmos que ele se aproximou de países com regimes autoritários como Irã e Cuba, claro que isso tem implicações ideológicas. Mas isso não existia antes na política exterior do Brasil".

Já o professor da Universidade de Colônia vê a mesma temática com outros olhos. Ao se envolver na negociação do acordo atômico com o Irã, por exemplo, o Brasil recebeu provas de que é respeitado pela comunidade internacional. "Não se pode participar de uma negociação desse tipo se não se tem respeito. E não acho que o Brasil tenha sofrido danos na sua imagem. Não se devem julgar essas negociações apenas pelos resultados imediatos, elas precisam de tempo. E acho que foi importante o envolvimento do Brasil, isso reforçou a reputação do país no século 21."

Ainda sobre a aproximação com governos mais autoritários, Foders analisa que o desempenho de Lula, pontualmente no caso da Venezuela, foi o melhor que poderia acontecer para os demais países da região. "Se não fosse o presidente Lula, no Brasil, conter o presidente Chávez, não saberíamos o que aconteceria com a influência da Venezuela na América Latina."

Jogo de forças

Independentemente de quem vencer as eleições de 3 de outubro, o novo chefe de governo deve encontrar um caminho delineado no tocante à política externa brasileira. "Lula preparou o caminho para que Brasil continue atuando fortemente em nível internacional. Agora se trata de consolidar esses avanços na política internacional e comprovar se o Brasil será capaz de manter essa liderança, esse protagonismo global", desafia Gratius.

A União Europeia também espera reforçar as negociações bilaterais e revela ambições de cooperação mais estreita nas áreas de pesquisa, energia, meio ambiente e comércio – especialmente no âmbito do Mercosul, como revela Maja Kocijancic.

A "notável presença brasileira no cenário internacional" tem um significado que, para Federico Foders, sinaliza a mudança dos tempos: "Eu acredito que as grandes potências estão perdendo força. No jogo do cenário internacional, só é possível ganhar força se alguém a perde".

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais