Portugal exige quarentena em voos indiretos de Brasil e Reino Unido | Notícias internacionais e análises | DW | 06.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Portugal exige quarentena em voos indiretos de Brasil e Reino Unido

Mudança visa fechar lacuna permitindo que viajantes entrassem fazendo escala em países onde a chegada é autorizada. Voos diretos dos dois países são proibidos desde janeiro.

Duas pessoas com máscaras e portando mochilas

Passageiros de voos indiretos do Brasil e do Reino Unido terão que ficar 14 dias em quarentena

A partir deste domingo, passageiros voando indiretamente para Portugal do Brasil ou do Reino Unido devem apresentar teste de covid-19 negativo realizado 72 horas antes da partida e têm que ficar em quarentena por duas semanas após a chegada, informou neste sábado( 06/03) o Ministério do Interior de Portugal.

A mudança visa fechar uma lacuna que permitia que viajantes do Reino Unido e do Brasil entrassem em Portugal fazendo conexão em países onde a chegada era autorizada.

Voos comerciais ou privados diretos de e para o Reino Unido e o Brasil estão proibidos em Portugal desde janeiro, para limitar a propagação de variantes da covid-19.

Assistir ao vídeo 01:34

Explosão de casos de covid-19 deixa Portugal no limite

Os voos humanitários diretos e de repatriação ainda estão autorizados, mas os passageiros devem apresentar um teste de covid-19 negativo feito 72 horas antes da partida e ficar em quarentena por 14 dias.

As medidas devem ser revisadas em 16 de março.

O ministro do Turismo de Portugal disse à BBC na sexta-feira que o país esperava permitir a entrada de turistas britânicos que provem terem testado negativo ou serem imunes à covid-19 a partir de 17 de maio, quando a Inglaterra deve suspender a proibição de viagens internacionais.

Portugal, que contabilizou 808.405 casos de covid-19 e 16.486 mortes, planeja uma suspensão paulatina das restrições a partir da próxima semana, após quase dois meses de lockdown rigoroso, depois de um aumento devastador de casos no início do ano.

md (Reuters, ots)

Leia mais