Por que o eclipse solar nos EUA é um marco? | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 21.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ciência e Saúde

Por que o eclipse solar nos EUA é um marco?

Terra, Lua e Sol se alinham perfeitamente, no eclipse que será o mais observado e fotografado da história. Será o primeiro de costa a costa em território americano em praticamente um século.

Eclipse solar

Eclipse solar: 14 Estados dos EUA terão mais de 2 minutos de escuridão durante o dia nesta segunda-feira

Os americanos vão se posicionar nesta segunda-feira (21/08) ao longo de uma faixa entre os estados do Oregon e Carolina do Sul munidos de telescópios, óculos protetores e câmeras para observar um eclipse total do Sol. Será o eclipse mais observado e fotografado da história.

Veja os principais fatos que fazem do eclipse um marco:

- Será o primeiro eclipse de costa a costa dos Estados Unidos em praticamente um século. O próximo eclipse solar total nos EUA será apenas em 2024. O próximo a percorrer o país de costa a costa ocorrerá somente em 2045.

- 4.200 quilômetros serão atravessados pelo eclipse no país, em uma faixa com 96 a 113 quilômetros de largura. O fenômeno começará a aparecer às 17h15 (GMT) perto de Depoe Bay, no Oregon.

- Será o primeiro eclipse a passar por uma área tão densamente povoada na era das mídias sociais. Cerca de 12 milhões de pessoas vivem na zona em que o eclipse total será visível. Outros milhões de pessoas viajaram para locais ao longo da rota.

- A Terra, a Lua e o Sol se alinham perfeitamente todo período de um a três anos, mas a visualização desses eventos normalmente ocorre em locais desabitados, como no Pacífico ou nos polos terrestres. O último eclipse de costa a costa nos EUA foi em 1918.

- A Nasa garante que uma grande quantidade de imagens será capturada antes, durante e depois do eclipse por 11 espaçonaves, pelo menos três aviões da agência, mais de 50 balões de alta altitude e os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional – cada uma com seu ponto de vista exclusivo.

- Quatorze estados americanos terão mais de 2 minutos de escuridão em pleno dia. Shawnee National Forest, no sul de Illinois, será o local a ficar na escuridão por mais tempo: 2 minutos e 44 segundos. Toda a América do Norte terá pelo menos um eclipse parcial, enquanto a América Central e o topo da América do Sul verão a Lua cobrir parte do Sol.

- A Nasa convidou todos os observadores do eclipse a participar de um experimento de "ciência cidadã” usando o aplicativo The Globe Observer em seus smartphones e um termômetro. Os dados obtidos com a observação das nuvens e medições da temperatura do ar vão contribuir para uma base de dados usada por estudantes e cientistas para estudar os efeitos do eclipse na atmosfera.

- O eclipse desta segunda-feira representa o primeiro grande teste para a malha energética dos EUA na era das energias renováveis, que incluem a energia solar. Operadores de redes de energia têm se planejado para o evento há anos. Ele será usado como um teste da capacidade das redes de administrar uma oscilação grande na geração de energia solar. Também serão feitas simulações do potencial impacto na demanda.

- A Alemanha terá que esperar até 2081 por seu próximo eclipse total solar.

- A Nasa fará o streaming ao vivo do evento por meio do link: https://www.nasa.gov/eclipselive

PJ/rtr/ap

Leia mais