1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Fileira de tanques alemães do tipo Marder
Tanques alemães do tipo Marder são armamentos pesados altamente modernosFoto: Armin Weigel/dpa/picture alliance

Por que Alemanha não fornece armas pesadas à Ucrânia?

Robert Mudge
23 de abril de 2022

Berlim se vê sob crescente pressão internacional para dar maior apoio bélico a Kiev. Mas nem todas as justificativas alemãs para negar envio de arsenal pesado se sustentam, dizem analistas.

https://p.dw.com/p/4AJlu

O chanceler federal da Alemanha, Olaf Scholz, tem sido alvo de críticas incessantes, acusado de procrastinar e quebrar suas promessas de fornecer armamentos pesados para que a Ucrânia se defenda do invasor russo.

Berlim tem dado diversas justificativas para esse posicionamento. Ele se sustenta? A DW checa alguns fatos.

"Alemanha está simplesmente seguindo a linha de seus aliados"

Esse é o mantra de Scholz desde que a Rússia marchou sobre território ucraniano, em 24 de fevereiro. Ele afirma estar procedendo em coordenação estreita com os parceiros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e da União Europeia.

"Vejam o que os nossos aliados estão fazendo, por exemplo, os nossos amigos do G7", disse numa coletiva de imprensa na última terça-feira, afirmando que países como o Canadá, Reino Unido e Estados Unidos teriam enviado a mesma quantidade de equipamentos que a Alemanha.

Mas dois dias depois, nesta quinta-feira, os EUA anunciaram um novo pacote de ajuda militar de 800 milhões de dólares para a Ucrânia, incluindo artilharia pesada, subindo para 3 bilhões de dólares o total das contribuições americanas, desde que o presidente russo, Vladimir Putin, iniciou a guerra.

Em contraste, até o começo de abril, de quando data a informação mais recente disponível do Ministério da Economia da Alemanha, os gastos de Berlim com a defesa ucraniana circulavam pelos 186 milhões de euros, sobretudo para compra de granadas lançadas por obuses, mísseis antiaéreos, metralhadoras, munição e equipamento de proteção – mas não armamento pesado.

De acordo com o Tratado sobre Forças Armadas Convencionais na Europa, o termo "arma pesada" se aplica a todos os tanques e veículos blindados, assim como a artilharia de 100 milímetros ou mais, e a aeronaves e helicópteros.

Segundo Carlo Masala, professor de defesa e segurança da Universidade da Bundeswehr (Forças Armadas alemãs), sediada em Munique, Scholz estaria, por um lado, emitindo para os russos a mensagem de que o país ainda se contém em relação a armamentos pesados. Por outro lado, trata-se também de um sinal para sua audiência doméstica e seu Partido Social-Democrata (SPD), de centro-esquerda.

"É uma questão que está sendo agora debatida por vários grupos do SPD, e ele precisa deles no Parlamento. Ele precisa de toda essa gente que não quer entregar armas pesadas, achando que vai assim escalar o conflito e que a Alemanha se tornaria um alvo das atividades russas", explica Masala.

Trata-se de uma ressalva justificável, porém difícil de conciliar com o tuíte da deputada ucraniana Lesia Vasylenko, na terça-feira, anunciando que diversos países ocidentais, entre os quais EUA, Reino Unido e Holanda, estavam entregando grande quantidade de armamento pesado.

Consta que também a República Tcheca se comprometeu a enviar dezenas de tanques T-72, de fabricação soviética, e veículos de infantaria BMP-1. Em meados de abril, os EUA anunciaram que forneceriam rapidamente 11 helicópteros Mi-17 produzidos pela Rússia, 200 veículos blindados M113 para transporte de pessoal e 90 howitzers (obuses de longo alcance) de 155 milímetros, com 40 mil projéteis.

"A Bundeswehr chegou a seu limite"

Segundo Scholz, não seria possível enviar mais apoio militar à Ucrânia porque a Alemanha ficaria incapacitada de cumprir suas obrigações nacionais e com a Otan: "Aqui, nós temos que reconhecer que as opções que temos estão chegando a seus limites", declarou na terça-feira.

A Bundeswehr alega necessitar de suas armas pesadas para garantir as obrigações de defesa nacionais e da aliança de defesa. Isso se aplicaria, por exemplo, ao howitzer 2000 autopropelido ou aos veículos de combate Marder.

O sistema Marder inclui mísseis teleguiados, armas de mão e munição, exigindo treinamento intensivo. Embora esse processo possa ser abreviado, "ainda é uma questão de semanas, e o equipamento tem que ser preparado", afirmou na quarta-feira o major-general Markus Laubenthal, vice-inspetor geral da Bundeswehr, à emissora pública ZDF.

Ele respondia assim ao embaixador ucraniano na Alemanha, Andriy Melnyk, um dos críticos mais ferrenhos da postura de Berlim: "A alegação de que a Bundeswehr não pode fornecer nada à Ucrânia não é compreensível", acusou recentemente o diplomata.

A força dispõe de 400 Marders, dos quais 100 são usados para treinamento, podendo ser cedidos imediatamente à Ucrânia, prosseguiu. Segundo Laubenthal, contudo, "para assegurar a operacionalidade de nosso exército, precisamos de sistemas de armas".

O especialista em defesa Masala concorda se tratar de mero pretexto do governo, pois, "se a defesa do território da Otan precisa, digamos, de 20 tanques alemães, não deveríamos nem tentar defendê-lo, pois seria desastroso".

Panzer Leopard 2 A7+
Tanque Leopard 2: armas pesadas, como os Marder, e outros blindados, teriam sido cortadas da lista pelo governoFoto: picture-alliance/dpa

"As armas disponíveis não são de utilidade imediata para a Ucrânia"

O governo alemão argumenta que os soldados ucranianos só são capazes de utilizar as armas com que estejam familiarizados, o que inclui a logística para poder realizar consertos com as devidas peças sobressalentes.

Para Masala, é uma ressalva válida: "O que ocorre se houver um problema técnico com o Marder? Você não tem sobressalentes, não tem os técnicos que saibam repará-la. É preciso assegurar que haja uma linha de logística indo até a Ucrânia, com peças sobressalentes e técnicos treinados."

Ainda assim, Masala concorda que seria mais eficaz colocar os tanques nas mãos dos ucranianos agora, e mais tarde se preocupar com logística: "Treine-os para usar o modelo, envie-os para a Ucrânia. Se eles puderem usar o Marder por três semanas, é melhor do que nada. Se ele quebrar, então, tudo bem, paciência."

"Nesse ínterim, podemos trabalhar na cadeia logística para o abastecimento de peças sobressalentes. Então, também aqui, me parece mais um pretexto para não enviar as armas, porque é uma decisão política de não fornecer armamento pesado para a Ucrânia."

Falando à emissora WDR na quinta-feira, o ex-general da Otan Hans-Lothar Domröse descartou as afirmativas de que seria necessário treinamento intenso para dominar os veículos de combate Marder: "Estamos falando de comandantes ucranianos experientes, em luta desde 2014. Não é preciso lhes ensinar como usá-las: quem tem usado um modelo soviético BMP-1 pode se familiarizar com o Marder em menos de uma semana e operá-lo."

Mais dinheiro e "jeitinhos criativos" como alternativa

Segundo Scholz, Berlim estaria liberando mais de 1 bilhão de euros para a Ucrânia comprar equipamento militar da Alemanha, como armas antitanques, recursos de defesa aérea e munição. Mas não foram mencionados os tanques e aviões que o país invadido tanto vem pedindo.

O tabloide alemão Bild noticiara que companhias de defesa alemãs inicialmente se ofereceram para suprir armamentos pesados como os Marder, veículos blindados Boxer, tanques Leopard 2 e howitzers autopropelidos. No entanto esses itens teriam sido cortados da lista.

"Há algumas armas pesadas na lista, mas definitivamente nenhum tanque. Então os tanques são aparentemente a linha vermelha para o governo alemão no momento. Se vamos poder manter essa linha depende muito, óbvio, de como a guerra evoluirá nas próximas semanas e meses", observa Masala.

A crítica de que a Alemanha estaria fazendo corpo mole parece ter surtido efeito. Na quinta-feira, numa coletiva de imprensa na Estônia, a ministra alemã do Exterior, Annalena Baerbock, declarou que "não há tabus para nós em relação a veículos blindados e outros armamentos de que a Ucrânia precisa".

Aparentemente, a alternativa é suprir com equipamento alemão moderno os estoques dos países aliados que têm modelos soviéticos de sobra. À medida que os estoques da Alemanha forem se esgotando, os Estados europeus ocidentais da ONU que ainda têm armas da era soviética as "disponibilizariam, como já ocorreu em diversos casos", explica o coronel reformado da Bundeswehr Wolfgang Richter, associado do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança (SWP).

A ministra alemã da Defesa, Christine Lambrecht, confirmou na quinta-feira, na emissora privada RTL/N-TV, os planos de trocas com a Otan e União Europeia, envolvendo tanques, veículos de combate de infantaria: "São opções diferentes, que os países individuais têm e podem ceder. Estamos em conversações, e agora vai acontecer bem rápido."

Berlim está também trabalhando num acordo de troca com a parceira da Otan Eslovênia: o país enviaria para a Ucrânia diversos tanques de batalha T-72, da era soviética, e a Alemanha compensaria com Marders de seus próprios arsenais.

Outra opção criativa está sendo negociada com a Holanda, que, segundo Masala, enviaria howitzers 2000 autopropelidos, uma arma alemã extremamente moderna, enquanto a Alemanha forneceria munição e treinaria os ucranianos, provavelmente em território alemão.

Embora essa abordagem possa reduzir parte da pressão e desviar as críticas, Masala não acredita que irá muito longe. "Nossos parceiros do Leste Europeu estão ficando sem armamentos soviéticos. E os tanques soviéticos enviados pela Polônia, Eslováquia ou Eslovênia vão ser destruídos nesta guerra. A Ucrânia também vai ficar sem armas. A um certo ponto, a questão voltará: ou treinar os ucranianos ou fornecer sistemas armamentistas ocidentais modernos."

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado