Política europeia de matérias-primas vai agravar pobreza no mundo, dizem ONGs | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 27.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Política europeia de matérias-primas vai agravar pobreza no mundo, dizem ONGs

Estratégia visa garantir matérias-primas e uso moderado de recursos naturais, alega UE. Para organizações de ajuda ao desenvolvimento, o bloco europeu impõe seus interesses sem considerar necessidades dos países pobres.

default

UE quer retirada de impostos de importação para metais de terras raras

A União Europeia anunciou na quarta-feira (26/01) que pretende mudar sua política de matérias-primas para incentivar o consumo moderado dos recursos naturais. Do ponto de vista europeu, o uso eficiente de recursos como água, minério e alimentos visa proteger o meio ambiente e a economia. Para as organizações alemãs de ajuda ao desenvolvimento Oxfam e WEED, no entanto, a UE está mais preocupada com a aquisição de matérias-primas baratas, e com isso pode agravar a pobreza no mundo.

A Comissão Europeia pretendia anunciar o projeto de sua futura política já na quarta-feira, mas a divulgação foi adiada devido a pontos controversos. Segundo um porta-voz da UE, as autoridades europeias querem investigar melhor os impactos do projeto na especulação sobre os preços de mercado de matérias-primas. A nova versão do plano deve ser apresentada no final da próxima semana.

Além do aumento no preço dos alimentos, a UE está preocupada com a escassez de matérias-primas essenciais à indústria, como os metais preciosos. Para assegurar o abstecimento, a União Europeia pretende utilizar três mecanismos, ligados principalmente a acordos comerciais.

O primeiro passo seria discutir no âmbito da Organização Mundial do Comércio o fim de restrições a importações – como taxas alfandegárias de exportação – por parte dos países fornecedores. Em segundo lugar, a UE quer promover a utilização de recursos naturais de países dentro do bloco. O terceiro passo seria intensificar a reciclagem.

O lado mais fraco

24.02.2008 DW-TV JOURNAL WIRTSCHAFT MINIREPORTAGE ROHSTOFFE

Países da África, Caribe e Pacífico serão os mais afetados

De acordo com um estudo realizado em conjunto pelas organizações Oxfam e WEED, a nova política de commodities da Europa pode agravar maciçamente a pobreza nos países em desenvolvimento. A principal crítica das organizações é o fato de a UE exigir, nos novos acordos de livre comércio, que muitos países em desenvolvimento renunciem a seus impostos de exportação sobre matérias-primas como metais, madeira, substâncias químicas e couro.

"A União Europeia tenta fazer valer seus interesses econômicos de forma agressiva, sem levar em conta as necessidades dos países em desenvolvimento", critica o especialista em comércio da Oxfam, David Hachfeld.

De acordo com o estudo "A nova caça por recursos: Como a política comercial e de recursos naturais da UE ameaça o desenvolvimento", o consumo de recursos naturais per capita na Europa é três vezes maior do que na Ásia e quatro vezes maior do que na África.

"Em vez de olhar para dentro de casa e começar reduzindo o consumo excessivo de recursos naturais, a UE quer implantar uma política de matérias-primas que garanta para si o acesso aos recursos naturais de outros países", diz a especialista em comércio da organização WEED, Nicola Jaeger.

A situação deve ficar mais crítica para países da África, do Caribe e do Pacífico, explicou à Deutsche Welle Roland Süss, da organização alemã Attac. "Os países mais pobres serão pressionados a retirar suas taxas alfandegárias de exportação, o que vai reduzir as receitas do Estado e impactar o desenvolvimento social do país. Ao mesmo tempo, a UE mantém o seu protecionismo em forma de subvenção para exportações de empresas europeias, agravando ainda mais a precária situação dos países afetados", completa Süss.

Autora: Francis França
Revisão: Augusto Valente

Leia mais