Polícia prende centenas em protesto por eleições livres em Moscou | Notícias internacionais e análises | DW | 27.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Polícia prende centenas em protesto por eleições livres em Moscou

Manifestantes desafiam proibição e saem às ruas da capital russa para exigir pleito local justo, com participação da oposição. Mais de mil são presos, incluindo opositores que tiveram suas candidaturas barradas.

Polícia de Moscou prende manifestante

A presença policial foi intensa, com caminhões e ônibus posicionados nas proximidades para transportar os detidos

A polícia da Rússia prendeu centenas de pessoas neste sábado (27/07) durante um protesto não autorizado em Moscou a favor de eleições locais livres e justas. Segundo a plataforma OVD-Info, que monitora prisões em manifestações, mais de mil pessoas foram detidas na capital russa.

O ato teve início em frente à Câmara Municipal de Moscou para exigir a participação da oposição nas eleições parlamentares na cidade, marcadas para setembro, depois de autoridades terem invalidado o registro de dezenas de candidatos, muitos deles opositores.

A decisão, vista pela oposição como uma forma de minar eleições livres, já havia levado milhares de manifestantes às ruas há uma semana. O ato do sábado passado, autorizado pela polícia, foi o maior registrado na cidade em anos, com a presença de 22,4 mil pessoas, segundo uma organização especializada em contar manifestantes, e 12 mil, segundo a polícia.

Polícia de Moscou prende manifestante

A polícia diz que 3,5 mil pessoas participaram do ato não autorizado deste sábado

Mesmo sem autorização para protestar, a oposição voltou às ruas de Moscou neste sábado, encontrando forte resistência da polícia.

A tropa de choque formou uma barreira para impedir que os manifestantes se aproximassem da Câmara Municipal, que fica na avenida Tverskaya, e os forçaram a ir para ruas próximas. Alguns deles resistiram fisicamente, enquanto muitos gritavam frases como "a Rússia será livre".

O forte esquema policial restringiu também o acesso ao local do protesto, a fim de impedir que mais pessoas comparecessem. A polícia de Moscou afirma que 3,5 mil pessoas participaram do ato não autorizado deste sábado.

Até as 23h10 (horário local), 1.127 pessoas haviam sido detidas em Moscou, segundo a OVD-Info. Não houve ainda informações oficiais sobre quais acusações essas pessoas podem enfrentar.

Manifestantes resistem a barreira policial em protesto em Moscou

Policiais formaram uma barreira para impedir que os manifestantes se aproximassem da Câmara Municipal

Além de manifestantes, antes do início do protesto foram presos vários candidatos opositores que pretendiam participar das eleições locais, mas tiveram suas candidaturas rejeitadas pela comissão eleitoral, entre eles Dmitri Gudkov, Ivan Zhdanov, Liubov Sobol e Yulia Galiamina.

Policiais também fizeram uma operação de busca e apreensão nas residências e centros de campanha dos opositores, que começou na noite de sexta-feira e continuou neste sábado, conforme relataram em redes sociais vários dos políticos envolvidos.

O veterano ativista Ilya Yashin foi levado a uma delegacia nos arredores de Moscou. Kira Yarmysh, porta-voz do líder opositor Alexei Navalny, e Ruslan Shaveddinov, ativista de uma organização de Navalny contra a corrupção, foram levados para serem interrogados.

O próprio Navalny foi detido na quarta-feira, 24 de julho, e cumpre uma sentença de 30 dias de prisão por ter feito apelos à população para participar da manifestação deste sábado.

Manifestantes resistem a barreira policial em protesto em Moscou

Alguns dos manifestantes resistiram fisicamente à barreira policial

Na sexta-feira, a polícia de Moscou afirmou que recorrerá a "todos os meios necessários para garantir a segurança dos cidadãos, prevenir e impedir a alteração do ordem pública".

A Câmara Municipal de Moscou, com 45 assentos e responsável pelo alto orçamento da cidade, é atualmente controlada pelo partido pró-Kremlin Rússia Unida, do presidente Vladimir Putin. O pleito de 8 de setembro vai eleger ocupantes para todas as cadeiras, com mandatos de cinco anos.

EK/afp/ap/efe

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais