1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
O escritor Luiz Ruffato, que destacou o Brasil como um país paradoxal em seu discurso em FrankfurtFoto: DW/L.Frey

Polêmico discurso de Luiz Ruffato divide Feira do Livro

Luisa Frey
9 de outubro de 2013

Rechaçada por Ziraldo e, de forma velada, por Nélida Piñon, fala do escritor sobre injustiças sociais no Brasil também arrancou aplausos de outros autores e foi elogiada por visitantes do evento em Frankfurt.

https://www.dw.com/pt-br/pol%C3%AAmico-discurso-de-luiz-ruffato-divide-feira-do-livro/a-17148356

Durante o enfático discurso do escritor Luiz Ruffato na cerimônia de abertura da Feira de Frankfurt na terça-feira (08/10), já se ouviam comentários cochichados. Suas palavras sobre capitalismo selvagem, desigualdade e injustiça social foram seguidas de aplausos de pé e gritos de “bravo“, mas também de protestos e críticas negativas. No primeiro dia de feira, as opiniões ficaram divididas.

Após Ziraldo levantar na cerimônia de abertura e gritar “Não tem que aplaudir! Que se mude do Brasil, então“, foi a vez de Nélida Piñon manifestar descontentamento, mesmo que de forma velada:

"Eu adoto a postura de não criticar o Brasil fora do país, assim como não critico meus colegas", disse a escritora na segunda leitura no pavilhão brasileiro, sobre literatura e memória. O colega de palco, Carlos Heitor Cony, não presenciou a cerimônia de abertura e a fala de Ruffato.

Aprovação

Mas neste primeiro dia de Brasil como homenageado em Frankfurt, a mostra de aprovação dada imediatamente após o discurso de abertura de Ruffato se confirmou na voz de outros autores.

"Faço deles as minhas palavras. Ele fez o que deveria ser feito, só agiu com honestidade e coragem“, disse Paulo Lins, autor de Cidade de Deus. “Mas há gente que quer esconder uma realidade que não pode e não deve mais ser escondida."

Para Sueli Torres, professora brasileira que reside na Alemanha há 26 anos, o discurso só aumentou o clima de festa. “Ruffato fez um resumo da história do Brasil preciso e emocionante da história e da cultura brasileiras. Foi o melhor discurso que já ouvi. Me arrepiei e aplaudi de pé", afirmou.

Michael Kegler, tradutor do português para o alemão que adaptou livros e o polêmico discurso de Ruffatto, disse ter ficado emocionado e ter ouvido apenas críticas e reações positivas de colegas estrangeiros.

Deutschland Impressionen von der Frankfurter Buchmesse 2013
A Feira do Livro de Frankfurt, no primeiro dia com o Brasil como homenageadoFoto: DW/J. Kürten

"Eu não sou brasileiro, mas acho digno dizer que o Brasil é como ele é. E Ruffato não negou que houve mudanças para melhor", elogiou. "Acho que essa é a qualidade de todas essas vozes da comitiva de autores brasileiros aqui, que falam alto e põem o dedo na ferida. Isso é um novo Brasil, consciente de seus problemas. Já se foram os tempos de ufanismo."

O discurso

Ruffato começou falando do passado brasileiro: "Avoca-se sempre, como signo da tolerância nacional, a chamada democracia racial brasileira [...]. Esse eufemismo, no entanto, serve apenas para acobertar um fato indiscutível: se nossa população é mestiça, deve-se ao cruzamento de homens europeus com mulheres indígenas ou africanas – ou seja, a assimilação se deu através do estupro das nativas negras pelos colonizadores brancos."

E, ao falar do presente, foi aplaudido ainda durante o discurso: "E quem mais está exposto à violência nao são os ricos que se enclausuram atrás dos muros altos de condomínios fechados, protegidos por cercas elétricas, segurança privada e vigilância eletrônica, mas os pobres confinados em favelas e bairros de periferia, à mercê de narcotraficantes e policiais corruptos."

E, para o escritor, ainda há muito presente do "legado de 500 anos de desmandos" no país: "Continuamos a ser uma país onde moradia, educação, saúde, cultura e lazer não são direito de todos, mas o privilégio de alguns. [...] Em que mesmo a necessidade de trabalhar, em troca de um salário mínimo equivalente a cerca de 300 dólares mensais, esbarra em dificuldades elementares como a falta de transporte adequado. [...] Em que estamos acostumados a burlar as leis."

Para fechar, Ruffato destacou o Brasil como um país paradoxal, ora visto como exótico e paradisíaco, ora como um local execrável e violento.