Planetas do sistema Trappist podem ter água em abundância | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 05.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Planetas do sistema Trappist podem ter água em abundância

Estudo revela que sete planetas descobertos recentemente podem conter mais água que a Terra e são potencialmente habitáveis. Sistema é maior esperança atual na busca por evidências de vida extraterrestre.

Imagem da Nasa esquematiza sistema Trappist-1

Imagem da Nasa esquematiza sistema Trappist-1

Sete planetas recentemente descobertos na órbita de uma estrela na Via Láctea podem ter água em abundância e são potencialmente habitáveis, revelaram pesquisadores nesta segunda-feira (05/02).

Embora ainda se conheça pouco sobre as superfícies e atmosferas dos planetas do sistema chamado de Trappist-1, os cientistas não descartam a possibilidade de estes corpos celestes abrigarem alguma forma de vida rudimentar.

De acordo com estudos publicados pela revista científica Nature, os planetas são compostos principalmente por rochas, e até 5% de sua massa é formada por água. Na Terra, a água corresponde a apenas 0,02% da massa do planeta.

Não se sabe, no entanto, se a água dos planetas do sistema Trappist-1 está em estado líquido, o que é essencial para a existência de vida. A equipe de pesquisadores internacionais afirmou que ela pode estar na forma gasosa ou congelada, ou presa dentro de rochas.

Assistir ao vídeo 01:14

Como são os planetas recém-descobertos pela Nasa?

Todos os sete planetas foram considerados candidatos potenciais para abrigar água. O sistema é a maior esperança atual de pesquisadores para localizar evidências de vida extraterrestre.

"Todos os sete planetas se assemelham notavelmente a Mercúrio, Vênus, Terra, Lua e Marte", afirmou o coautor do estudo Amaury Triaud, da Universidade de Birmingham.

O terceiro e o quarto planeta do sistema a partir da estrela são os que têm maior probabilidade de serem habitáveis, segundo o coautor do estudo Simon Grimm, da Universidade de Berna.

Dos sete planetas, o quarto, chamado de Trappist-1e, é o mais parecido com a Terra. Embora ainda haja há muitas incógnitas sobre sua atmosfera e condições de sua superfície. Ele é, porém, o único com uma densidade semelhante à da Terra, o que sugere que pode ter um núcleo denso de ferro e e não necessariamente uma atmosfera espessa, um oceano ou uma capa de gelo.

Já os planetas 1b e c parecem ter núcleos rochosos e atmosferas muito mais gasosas do que a Terra. Os corpos 1f, g e h estão suficientemente distantes de sua estrela para que água possa congelar e formar uma camada de gelo na superfície. Segundo os pesquisadores, se possuírem uma atmosfera fina é provável que possam ter moléculas pesadas, como o dióxido de carbono.

O sistema Trappist-1 foi descoberto há um ano. Os planetas foram identificados com ajuda do telescópio espacial Spitzer, da Nasa, enviado ao espaço em 2003. Os corpos giram em órbitas planas e ordenadas ao redor da Trappist-1, uma estrela pequena e fria, localizada a cerca de 40 anos-luz da Terra, na constelação de Aquário. 

CN/efe/afp

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados