PIB da China despenca no primeiro trimestre | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 17.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

PIB da China despenca no primeiro trimestre

Segunda maior economia do mundo recua 6,8%, segundo dados oficiais, devido à pandemia de coronavírus. É a primeira queda desde que começaram a ser divulgados resultados trimestrais, em 1992.

Atividade industrial foi duramente afetada pelo combate ao coronavírus

Atividade industrial foi duramente afetada pelo combate ao coronavírus

A economia da China caiu pela primeira vez em décadas no primeiro trimestre de 2020, devido à crise do coronavírus, que praticamente freou a atividade econômica no país asiático.

O Escritório Nacional de Estatísticas (NBS) anunciou nesta sexta-feira (17/04) que o Produto Interno Bruto (PIB) da China caiu 6,8% no período de janeiro a março, na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior.

A queda se deveu às limitações sociais impostas pelo governo no combate ao novo coronavírus, que impediram a movimentação de trabalhadores, fecharam fábricas e lojas e afetaram duramente a economia.

Alguns analistas supõem que os números foram mascarados e que a queda real é ainda pior. "A contração real no primeiro trimestre é sem dúvida muito maior do que sugerem as cifras oficiais", estima o economista Ting Lu, do banco de investimento Nomura.

É a primeira queda desde 1992, quando a China começou a divulgar dados trimestrais. A última vez em que a China experimentou um ano de queda na economia foi em 1976, no fim da Revolução Cultural.

No primeiro trimestre do ano, a atividade industrial recuou 8,4% na China. As vendas caíram 19%. No geral, os resultados de março são melhores dos que os de janeiro e fevereiro, o que indica uma recuperação.

Em 2019, a economia da China, a segunda maior do mundo, cresceu 6,1%, um resultado modesto para um país acostumado a elevadas taxas de crescimento econômico nas últimas décadas.

Para este ano, muitos analistas avaliam que um crescimento de 1% a 3% é viável.

AS/afp/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais