PF cumpre mandados contra advogados de Lula e ex-advogado de Bolsonaro | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 09.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

PF cumpre mandados contra advogados de Lula e ex-advogado de Bolsonaro

Operação que apura desvios no Sistema S do Rio de Janeiro também cumpre mandados de busca contra advogada de Witzel e filhos de ministros do STJ e do TCU.

Polícial Federal

A Operação E$quema S, como foi batizada, foi deflagrada em paralelo ao início do trâmite de uma ação penal contra 26 pessoas

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (09/09) uma operação para cumprir 50 mandados de busca e apreensão no âmbito de uma investigação que apura suspeitas de desvios de recursos públicos na seção fluminense do Sistema S e um esquema de tráfico de influência no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Tribunal de Contas da União (TCU).

Entre os alvos da operação estão dois advogados do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin e Roberto Teixeira, e o advogado Frederick Wassef, ligado à família Bolsonaro e que ganhou notoriedade neste ano após ser acusado de esconder Fabrício Queiroz. Outro alvo da operação é a advogada Ana Tereza Basílio, que representa Wilson Witzel, governador afastado do Rio de Janeiro.

A operação é baseada na delação premiada de Orlando Diniz, ex-presidente do braço fluminense do Sistema S – que inclui a Fecomércio-RJ, Sesc-RJ e Senac-RJ. Diniz permaneceu quatro meses na prisão em 2018.

Os mandados estão sendo cumpridos em cinco estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Alagoas e Pernambuco. Não há mandados de prisão no âmbito da operação deflagrada nesta quarta.

As buscas foram autorizadas pelo juiz federal Marcelo Bretas, do braço da Lava Jato no Rio de Janeiro.

Agentes da PF também realizam buscas em endereços ligados ao ex-ministro César Asfor Rocha (STJ) e do seu filho, Caio Rocha; Tiago Cedraz (filho do ministro do TCU Aroldo Cedraz); e Eduardo Martins (filho do presidente do STJ, Humberto Martins).

A Operação E$quema S, como foi batizada, foi deflagrada em paralelo ao início do trâmite de uma ação penal contra 26 pessoas. Entre elas os advogados de Lula e Witzel, o ex-governador Sérgio Cabral e sua ex-esposa Adriana Ancelmo e  parentes de ministros do STJ e do TCU.

Lula e Bolsonaro não estão entre os investigados. Já Wassef, apesar de constar entre os alvos dos mandados de busca, não aparece na relação de denunciados divulgada pelo Ministério Público Federal (MPF).

Diniz, Roberto Teixeira, Cristiano Zanin, Ana Tereza Basílio, Eduardo Martins, Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo e mais quatro advogados foram denunciados por organização criminosa. 

Segundo o MPF, o esquema envolvia "o uso de contratos falsos com escritórios daqueles acusados ou de terceiros por eles indicados, em que os serviços advocatícios não eram prestados, mas remunerados por elevados honorários".

"As apurações comprovaram que Diniz (o ex-presidente da seção fluminense do Sistema S) era persuadido pelos integrantes da organização criminosa no sentido de que novos contratos (e honorários) eram necessários para ter facilidades em processos em curso (...) no TCU e no Judiciário."

De acordo com denúncia do Ministério Público Federal, os réus teriam desviado entre 2012 e 2018 pelo menos R$ 151 milhões do Sistema S, que é financiado com uma contribuição obrigatória de empresas.

Em nota o advogado Cristiano Zanin afirmou que a operação desta quarta-feira é uma “retaliação” da Lava Jato.

“Atentado à advocacia e retaliação. A iniciativa do Sr. Marcelo Bretas de autorizar a invasão da minha casa e do meu escritório de advocacia a pedido da Lava Jato somente pode ser entendida como mais uma clara tentativa de intimidação do Estado brasileiro pelo meu trabalho como advogado, que há tempos vem expondo as fissuras no Sistema de Justiça e do Estado Democrático de Direito. É público e notório que minha atuação na advocacia desmascarou as arbitrariedades praticadas pela Lava Jato, as relações espúrias de seus membros com entidades públicas e privadas e sobretudo com autoridades estrangeiras. ”

“O juiz Marcelo Bretas é notoriamente vinculado ao presidente Jair Bolsonaro e sua decisão no caso concreto está vinculada ao trabalho desenvolvido em favor de um delator assistido por advogados ligados ao Senador Flavio Bolsonaro. A situação fala por si só”, completou.

JPS/ots

Leia mais