Pesquisadores desvendam mistério de múmia do Chile | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 22.03.2018

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ciência

Pesquisadores desvendam mistério de múmia do Chile

Estudo revela que esqueleto é de menina que nasceu prematura e com várias mutações genéticas. Encontrado no deserto do Atacama em 2003, ossada de aparência extraterrestre causou alvoroço internacional.

Pesquisadores acreditam que Ata nasceu morta ou morreu logo após o nascimento

Pesquisadores acreditam que Ata nasceu morta ou morreu logo após o nascimento

Pesquisadores revelaram nesta quinta-feira (22/03) detalhes sobre a origem de uma múmia descoberta no Chile e que causou alvoroço internacional. Encontrado em 2003, no deserto do Atacama, o esqueleto gerou boatos de que seria extraterrestre. A hipótese foi descartada logo por pesquisadores. Porém, várias questões permaneciam sem resposta.

O novo estudo, cuja análise do material genético da múmia de 15 centímetros, apelidada de Ata, durou cinco anos, revelou que o esqueleto pertence a uma menina que teve várias mutações genéticas.

Segundo os pesquisadores, trata-se de um bebê prematuro que nasceu com diversas deformações nos ossos e crânio devido a uma série de mutações ligadas ao nanismo e ao envelhecimento prematuro. Anteriormente, especialistas acreditavam que os ossos pertenciam a uma criança com idade entre 6 e 8 anos.

Pesquisadores acreditam que Ata nasceu morta ou morreu logo após o nascimento. A análise revelou também que o esqueleto, encontrado dentro de uma bolsa de couro atrás de uma igreja, não tem mais de 40 anos. Ata possui ainda apenas dez pares de costelas, enquanto o normal seriam 12.

Usando o DNA extraído da medula óssea da múmia, os pesquisadores fizeram uma análise completa do genoma e determinaram que Ata é sul-americana, provavelmente da região andina.

De acordo com o cientista Garry Nolan, da Universidade de Medicina de Stanford e um dos autores do estudo, a descoberta pode ajudar a descobrir tratamentos para pacientes com problemas nos ossos. "Talvez possa haver alguma maneira de acelerar o crescimento dos ossos", acrescentou.

CN/afp/dpa

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais