Pesquisadores alemães encontram ilhas submersas no Caribe | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Pesquisadores alemães encontram ilhas submersas no Caribe

Pesquisadores alemães encontraram ilhas submersas há milhões de anos no Mar do Caribe. O geólogo Martin Meschede falou com a Deutsche Welle sobre as descobertas da expedição e explicou também a causa dos terremotos.

default

Cordilheira submarina descoberta na pesquisa

Investigadores das universidades de Hannover, Kiel e Greifswald viajaram em março a bordo do barco alemão de pesquisa Meteor até o Mar do Caribe para estudar o fundo do mar, sobre o qual até hoje pouco se sabe. A descoberta inesperada de corais e caracóis a uma profundidade de entre 800 e 1.000 metros os surpreendeu. Foi assim que eles perceberam que haviam encontrado ilhas submersas há 50 milhões de anos. O geólogo Martin Meschede, da Universidade de Greifswald, explicou à Deutsche Welle os resultados da expedição.

Deutsche Welle: Quanto tempo durou a expedição a bordo do barco de investigação Meteor?

Martin Meschede: Durou sete semanas, das quais seis transcorreram em alto-mar.

Qual era o objetivo?

Inicialmente, queríamos pesquisar as formações rochosas de basalto no solo marinho e no contexto da formação das placas tectônicas do Caribe. Enviamos uma cesta de metal e um robô para o fundo do mar, com eles recolhemos formações rochosas e para nossa surpresa encontramos formações que não esperávamos. Esperávamos encontrar rochas de basalto nas profundezas. Mas encontramos pedras, corais e caracóis que se formam fora da superfície marinha, por isto deduzimos que estávamos diante de ilhas que submergiram ao longo de milhões de anos.

Flash-Galerie Karibik Inseln neue Entdeckung

Uma equipe interdisciplinar conduziu a pesquisa

A que profundidade foram encontradas?

A uma profundidade de entre 800 e 1.000 metros, onde elas não poderiam ter se formado. Por isso chegamos à conclusão de que eram ilhas no passado. Recolhemos as pedras de basalto a mais de 2 mil metros de profundidade. Somente com um robô ou com um submarino é possível chegar a essa profundidade.

Qual é a importância das descobertas?

O resultado foi surpreendente porque não esperávamos, mas ainda não é possível dizer nada sobre a importância dessas descobertas porque ainda estamos pesquisando. É um processo que deverá durar meses ou anos. São análises geológicas e químicas, análises de conteúdo dos fósseis.

O que se quer constatar?

O que queremos saber é a idade do material rochoso que se encontra nas profundezas, mas sobretudo o que provocou a submersão. Nunca saberemos o número de ilhas que existiram ali, pois para tal seria preciso medir as profundidades do Caribe, o que requereria anos ou décadas.

Flash-Galerie Karibik Inseln neue Entdeckung

Uma cesta de metal recolheu as rochas no fundo do mar

Como surgiu o projeto?

Trabalho desde 1996 no Caribe e nos arredores. Dirigi projetos na América Central, na Costa Rica, no México e em Cuba e já estive em diversas ilhas do Caribe. Ou seja, trabalho há muito tempo com a região. Há dois anos iniciamos esse projeto, viajando com o barco de pesquisa alemão Meteor, com o objetivo de estudar o fundo do mar do Caribe, que ainda foi pouco pesquisado.

Foi um projeto interdisciplinar?

Participaram o Prof. Hornler da Universidade de Kiel e o Dr. Backhausen, da Universiade de Hannover. Foi sim um projeto interdisciplinar, porque englobou vários campos da geologia, como a geofísica, a geoquímica. Eu venho da área da geodinâmica, e da expedição participaram sedimentólogos e paleontólogos. Também estava a bordo um colega suíço que conhecia muito bem o campo da pesquisa.

O que pode ter provocado a submersão dessas ilhas?

A causa da submersão dessas ilhas tem a ver com o complexo processo de formação das placas tectônicas e com a fricção à qual elas são submetidas. A placa do Caribe é muito pequena, sendo pressionada pelas placas norte-americana e sul-americana, que são grandes em comparação. A placa do Caribe está presa entre as duas, o que faz com que ela se fragmente. E essa fragmentação faz afundar uma parte da placa.

Flash-Galerie Karibik Inseln neue Entdeckung

Meteor, o barco de pesquisa

A região do Caribe é mais fragmentada que outras regiões?

É uma região tão vulnerável quanto qualquer outra que se encontre no meio de várias placas. Isso foi o que constatamos no começo do ano com o terremoto no Haiti. Nossa pesquisa aconteceu a uns 70 km de onde ocorreu o terremoto. Está claro por que ele foi tão devastador, pois ali é que se situa o limite entre as placas tectônicas.

Autora: Eva Usi (tm)
Revisão: Simone Lopes

Leia mais