Perspectivas para política externa alemã em 2009 são difíceis | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 24.12.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Perspectivas para política externa alemã em 2009 são difíceis

Foi um ano de apertos para as relações exteriores: Afeganistão, China, Rússia. Seus protagonistas – Merkel e Steinmeier – discordam entre si, e no próximo ano serão adversários abertos na disputa pela chefia de governo.

default

O ministro do Exterior e a premiê: duas políticas externas?

O evento mais espetacular da política externa alemã em 2008 teve como protagonista, não o governo federal em Berlim, mas sim um estrangeiro até então relativamente desconhecido: Barack Obama. Como candidato democrata à presidência norte-americana, ele visitou a capital alemã em julho e discursou perante um público de 200 mil pessoas.

Dificilmente tantos haveriam comparecido, ainda que todo o governo alemão resolvesse apresentar-se de uma vez diante da Coluna da Vitória. Obama enfatizou em seu texto a cooperação transatlântica. Que George W. Bush arruinara – pelo menos é esta a opinião de muitos alemães.

Afeganistão: no, we can't

Em conseqüência, a atenção pública alemã praticamente ignorou a visita de despedida de Bush à chanceler federal alemã, Angela Merkel. Em diversas ocasiões ela já deixara claro onde ficam os limites absolutos para a política externa alemã. Por exemplo, no tocante à presença militar no Afeganistão: em hipótese alguma enviaria tropas ao sul do país, o foco dos combates. Um radical " no, we can't" do qual ainda falta convencer o novo presidente Obama.

Bildgalerie Obama in Berlin - Rede freies Format

Obama em Berlim

Berlim considera seu empenho pela estabilização do Afeganistão já bem acima da média: em outubro, o mandato da Bundeswehr foi ampliado para um máximo de 4.500 homens. Na opinião do ministro das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, os aliados deveriam reconhecer tal engajamento.

"Não só o que a Bundeswehr faz, mas também o que alcançamos com a numerosa ajuda para a reconstrução. Isso impõe respeito, também nos Estados Unidos, também a seu novo presidente", afirmou. Ainda sim, o Afeganistão permaneceu o tema mais penoso para a política de segurança alemã em 2008: dificuldades na formação da polícia e exército afegãos, e ataques do Talibã contra acampamentos e patrulhas alemãs.

Merkel obscurecida por Sarkozy

A atuação militar da Alemanha se estendeu também ao Kosovo, à Bósnia, o Chifre da África e diante da costa libanesa, além do envio de observadores desarmados ao Sul do Sudão e à Geórgia. E sua participação na missão antipirataria da UE na costa da Somália encerrou o ano.

Porém, no geral, a política externa de Berlim em 2008 pareceu muitas vezes reservada, por outras até mesmo indecisa. Uma parte do que o país alcançara no ano anterior – quando ocupou a presidência rotativa da União Européia – sucumbiu sob a crise financeira e o "não" da Irlanda ao tratado constitucional da UE.

EU-Gipfel in Brüssel Angela Merkel und Nicolas Sarkozy reiben zur Begrüßung ihre Nasen aneinander

Merkel à sombra de Sarkozy

Merkel deixou de ser a figura de ação, no centro da ribalta; seu relativo brilho foi ofuscado pelo hiperativo presidente francês, Nicolas Sarkozy. Pela hesitação em fechar o bilionário pacote de apoio à conjuntura, como resposta à crise global, Merkel foi repreendida abertamente por Paris.

Quando, como punição, a presidência francesa da UE exclui-a de determinados encontros de cúpula, Steinmeier comentou assim a situação: "Para dizer a verdade, não acho nem um pouco bonito a Alemanha e a chanceler federal não estarem presentes".

Aliados ou adversários?

Um outro obstáculo também marcou o ano diplomático de 2008 na Alemanha: a discordância parcial entre seus protagonistas, a democrata-cristã Merkel e o chefe da diplomacia, o social-democrata Steinmeier. Sobretudo no modo de lidar com países como a China, a Rússia ou a Síria, as opiniões de ambos chocam-se de frente.

Merkel tende ou à franqueza total, ou se retrai totalmente. Steinmeier aposta na aproximação através da diplomacia e do diálogo. O fato não é novo, porém agravou-se em 2008, levando a impasses bastante embaraçosos. Um prato cheio para a oposição: a Alemanha não tem uma, mas sim duas políticas externas, atiçou por exemplo o líder da bancada verde no Parlamento, Jürgen Trittin.

Steinmeier ist Kanzlerkandidat der SPD

Steinmeier: radiante candidato à Chancelaria Federal em 2009

Até mesmo o Dalai Lama sentiu na pele tal discrepância: em sua segunda visita ao país, a ministra do Desenvolvimento, Heidemarie Wieczorek-Zeul foi a única figura do gabinete governamental a recebê-lo. Em 2007, o encontro entre Merkel e o líder espiritual tibetano irritara seriamente a Pequim. E também ao ministro alemão do Exterior, em cuja opinião é alto demais o preço de tais reuniões para a política externa.

O fato de Steinmeier haver sido indicado para concorrer à Chancelaria Federal não deixa esperar muito das relações exteriores alemãs em 2009. Em ano eleitoral, o candidato do Partido Social Democrata (SPD) terá que forçosamente se destacar em relação à chefe de governo em exercício. O que de certo abafará a força de impacto da política externa da Alemanha.

Leia mais