Parlamento da Holanda rejeita acordo UE-Mercosul | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 04.06.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Parlamento da Holanda rejeita acordo UE-Mercosul

Parlamentares citam preocupações com Amazônia ao aprovar moção que pede para governo holandês retirar apoio ao pacto. Além da Holanda, proposta encontra resistência na Áustria, França, Bélgica, Irlanda e Luxemburgo.

Mark Rutte

Governo de Mark Rutte ainda não se manifestou sobre moção aprovada pelo parlamento

O Parlamento da Holanda aprovou nesta quarta-feira (04/06) uma moção contra a ratificação do acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul. Os parlamentares exigem que o governo holandês retire seu apoio à proposta. A decisão dificulta a implementação do pacto negociado por mais de 20 anos.

No texto aprovado, os parlamentares pedem o governo informe a Bruxelas que está retirando seu apoio à finalização do acordo devido aos impactos que ele pode ter no meio ambiente, principalmente na Amazônia, e também a uma possível concorrência desleal que pode ser gerada, prejudicando assim os agricultores europeus.

O governo holandês ainda não se manifestou sobre a moção aprovada, que não é vinculativa. Para especialistas, a decisão colocou o governo numa posição delicada. Se por um lado, será difícil ignorar a votação, por outro, a retirada do apoio prejudicaria a reputação do país em Bruxelas.

A União Europeia se recusou nesta quinta-feira a comentar a votação. Em Bruxelas, a decisão é vista como um sinal político. "Se até a Holanda se opuser, será difícil [a ratificação]", disse uma fonte ouvida pela agência de notícias AFP.

O porta-voz da Comissão Europeia, Daniel Rosario, disse estar ciente do debate sobre o acordo em vários países europeus e defendeu a proposta, afirmando que ela "promove valores como o desenvolvimento sustentável e tem vantagens para agricultores e consumidores europeus".

Além da Holanda, o parlamento da Áustria também votou contra a ratificação do acordo. Um principal motivo citado na época pelos austríacos para justificar o bloqueio ao pacto foram dúvidas sobre o compromisso do governo de Jair Bolsonaro com o meio ambiente. Em fevereiro, o parlamento regional da Valônia, na Bélgica, também rejeitou o pacto.

A ratificação do acordo também encontra resistência na França, Irlanda e Luxemburgo. A explosão do desmatamento da Amazônia no ano passado é um dos fatores que levou europeus a se posicionarem contra a proposta.

Recentemente, após declarações do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobre a aproveitar a pandemia de covid-19 para alterar leis, cujas mudanças em circunstâncias normais poderiam ser recebidas com fortes críticas pela mídia e pela opinião pública, a eurodeputada alemã Anna Cavazzini, do Partido Verde, voltou a defender que o acordo não seja ratificado.

"O acordo aumenta a pressão sobre a Amazônia e a política de Bolsonaro já viola todas as obrigações ambientais previstas no pacto", disse Cavazzini à DW Brasil.

Desde o anúncio da assinatura do pacto em julho de 2019, após mais de 20 anos de negociação, pouco foi feito para colocá-lo em vigor. Fontes europeias disseram que o texto ainda está sendo finalizado por juristas e especialistas. Depois disso, ele precisa ser ratificado por todos os Estados-membros da UE.

CN/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais