Parlamentares brasileiros visitam iniciativas verdes na Alemanha | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 07.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Parlamentares brasileiros visitam iniciativas verdes na Alemanha

Durante uma semana, grupo de oito deputados e senadores conheceu projetos sustentáveis, conversou com políticos alemães e ouviu preocupações sobre os rumos da política ambiental no Brasil.

Deputada Tabata Amaral e senadora Soraya Thronicke durante visita a central energética em Schwerin

Deputada Tabata Amaral e senadora Soraya Thronicke durante visita a central energética em Schwerin

Um grupo de oito parlamentares brasileiros visitou a Alemanha nesta semana para conhecer iniciativas verdes e políticas ambientais e climáticas desenvolvidas pelo país europeu, que tem investido pesado em energia renovável e está fazendo esforços para cumprir o Acordo de Paris, que visa conter o aquecimento global.

O grupo foi formado parlamentares de vários partidos. Participaram da viagem os senadores Fabiano Contarato (REDE-ES) e Soraya Thronicke (PSL-MS), além dos deputados federais Tabata Amaral (PDT-SP), Marília Arraes (PT -PE), Paulo Ganime (NOVO-RJ), Beto Pereira (PSDB-MS), Raul Henry (MDB-PE) e Arnaldo Jardim (CIDADANIAS-SP).

No decorrer da semana, os brasileiros participaram de conversas com parlamentares alemães, tiveram reuniões em ministérios e visitaram institutos de pesquisa, think tanks, iniciativas sustentáveis e empresas especializadas na área ambiental.

A DW Brasil acompanhou o grupo numa visita a uma central de armazenamento de energia na cidade de Schwerin, no norte da Alemanha. O local funciona a base de milhares de baterias de lítio e é fundamental para armazenar a eletricidade gerada pelas fontes de energia renováveis.

Assistir ao vídeo 03:59

Na Alemanha, parlamentares brasileiras debatem política ambiental e desenvolvimento

Um negócio em alta na Alemanha, uma vez que o país tem metas ambiciosas para a mudança da matriz energética. Até 2022, o governo pretende fechar todas as usinas nucleares e até 2050 produzir 80% da energia a partir de fontes renováveis, como a eólica e solar.

Durante muitos dos compromissos, o grupo de deputados ouviu de especialistas e da imprensa local perguntas e preocupações sobre a situação do meio ambiente no Brasil e sobre o futuro do Fundo Amazônia.

Em meados de maio, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que havia "indícios de irregularidades" em projetos do fundo. O governo deseja mudar as regras do Fundo Amazônia para a aplicação dos recursos, permitindo que o dinheiro possa ser usado para pagar indenizações a proprietários rurais, o que atualmente é vetado.

Criado em 2008 para financiar projetos que combatem o desmatamento na Amazônia Legal, o fundo de 3,4 bilhões de reais é financiado pela Noruega e Alemanha. A mudança nas regras está sendo discutida entre os países, no entanto, o futuro do fundo é incerto.

A deputada federal de oposição Tabata Amaral defendeu o Fundo Amazônia e afirmou que ele movimenta trabalhos importantes e os recursos são auditados.

"É importante sermos sinceros e falar dos riscos que existem, mas também falar do Fundo Amazônia, falar da importância da pressão de governos como o alemão sobre o que tá acontecendo no Brasil, para que não termos nenhum retrocesso", ressaltou Tabata.

Já a senadora governista Soraya Tronicke afirmou que há muita falta de informação sobre o que acontece no Brasil. "Tudo é má informação, está tudo baseado nisso, então passei para o ministro [Salles] e para o Ministério da Agricultura que precisamos intensificar a informação correta", disse. "Nós estamos fazendo um belo trabalho e o mundo não sabe", acrescentou.

Organizada pela Embaixada alemã no Brasil, a missão chamada "A proteção do clima e o papel do Parlamento" ocorreu entre os dias 2 e 7 de junho. Os custos da viagem foram pagos pelo governo da Alemanha. Segundo Daniela Dierker, do Ministério alemão do Exterior, a visita é positiva para os dois lados.

"Para os alemães é uma chance de mostrar o quão amplo é o espectro partidário brasileiro, o que é bem diferente da Alemanha. Por outro lado, é uma oportunidade para os brasileiros de trocar opiniões, comparar ideias e simplesmente dialogar", afirmou Dierker, que acompanhou o grupo na programação.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados