1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Jair Bolsonaro
Datafolha questionou entrevistados sobre atuação do governo em relação a crimes cometidos na AmazôniaFoto: Getty Images/AFP/E. Sa
CriminalidadeBrasil

Para 40%, Bolsonaro incentiva crimes na Amazônia

26 de junho de 2022

Pesquisa Datafolha questionou ainda atuação do governo de Jair Bolsonaro no caso Bruno e Dom. Mais de 70% dos brasileiros afirmam que assassinatos de jornalista e indigenista prejudica imagem do Brasil no exterior.

https://www.dw.com/pt-br/para-40-dos-brasileiros-bolsonaro-incentiva-crimes-na-amaz%C3%B4nia/a-62268440

Cerca de 40 % dos brasileiros acreditam que o presidente Jair Bolsonaro mais incentiva do que combate os crimes que são cometidos na Amazônia, revelou uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada neste sábado (25/06). O levantamento questionou os entrevistados se a política do atual governo era mais voltada a combater ou a estimular invasões de terras indígenas, desmatamento, atuação de garimpeiros e a pesca e caça ilegais.

Divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo, a pesquisa mostrou que 43% dos brasileiros afirmam que o governo Bolsonaro mais estimula o desmatamento na região e a ação de caçadores e pescadores ilegais. Já 35% dos entrevistados acreditam que o presidente mais combate a devastação da floresta, e 31% disseram o mesmo em relação a caça e pesca ilegais. Cerca de 8% acreditam que o governo não faz nem e nem outro.

Com relação ao garimpo ilegal na Amazônia, 40% dos brasileiros acham que o atual governo mais estimula essa atividade; e 33% acreditam que ele mais combate do que incentiva. Outros 26% acreditam que a atuação do governo é indiferente ou não souberam opinar.

Já 39% dos entrevistados acreditam que Bolsonaro estimula a invasão de terras indígenas; e 35% disseram que ele combate esse crime. A parcela dos que são neutros ou não souberam opinar ficou em 26%.

Caso Bruno e Dom

O Datafolha também questionou os entrevistados sobre o desaparecimento e assassinatos do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira e atuação do governo Bolsonaro no caso.

Dom Phillips e Bruno Pereira foram vistos pela última vez em 5 de junho, enquanto viajavam pelo Vale do Javari, uma região remota do estado do Amazonas palco de conflitos entre indígenas e invasores de terras. Dias depois, um dos suspeitos detido confessou ter matado os dois e indicou o local dos corpos.

Três pessoas foram pessoas já foram presas pelo crime. A polícia investiga os motivos dos assassinatos, apura se há alguma relação com a pesca ilegal na região e busca identificar mandantes.

Para 49% dos brasileiros, o governo fez menos do que poderia para investigar as mortes. Outros 27% disseram que foi feito tudo para o esclarecimento do caso. A pesquisa mostrou ainda que 6% acreditam que o governo fez o que poderia, e 18% não souberam opinar.

O caso está sendo investigado pela Polícia Federal e pela Polícia Civil do Amazonas. Após o desaparecimento, as primeiras buscas foram feitas por indígenas, somente quando o caso ganhou repercussão, inclusive internacional, o governo enviou militares e mais policiais para a região.

Segundo o levantamento, quase metade dos brasileiros, 47%, afirmou que as mortes de Dom e Bruno irá prejudicar muito a imagem do Brasil no exterior. Outros 26% avaliam que prejudicará um pouco. Para 17%, o caso não afeta a imagem do país, e 10% não souberam opinar.

O instituto Datafolha ouviu 2.556 pessoas com mais de 16 anos em 181 cidades do país entre os dias 22 e 23 de junho. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

cn (ots)