1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Papa Francisco durante oração dominical do Angelus, em foto de arquivo
Papa Francisco durante oração dominical do Angelus, em foto de arquivoFoto: Getty Images/AFP/A. Pizzoli

Papa pede solução pacífica e democrática na Venezuela

2 de julho de 2017

Após oração dominical do Angelus, pontífice diz que reza pelo país latino-americano e expressa "proximidade com as famílias que perderam os filhos em manifestações".

https://www.dw.com/pt-br/papa-pede-solu%C3%A7%C3%A3o-pac%C3%ADfica-e-democr%C3%A1tica-na-venezuela/a-39513342

O papa Francisco pediu neste domingo (02/07) uma "solução pacífica e democrática" para a Venezuela, por ocasião das comemorações da independência do país, a ocorrerem na próxima quarta-feira.

Diante dos fiéis reunidos na Praça de São Pedro, que assistiram à habitual oração do Angelus, o pontífice disse que reza "por esta querida nação" e expressou a sua "proximidade com famílias que perderam os filhos em manifestações na rua". "Faço um apelo para que se acabe com a violência e se encontre uma solução pacífica e democrática para a crise", disse. "Que Nossa Senhora de Coromoto interceda pela Venezuela!", concluiu o pontífice, que rezou uma Ave Maria com as milhares de pessoas que o ouviam, ao aludir à padroeira do país.

No começo do mês passado, o papa recebeu no Vaticano os membros da Direção da Conferência Episcopal da Venezuela (CEV), formada por seis bispos, depois que eles lhe pediram uma audiência para informá-lo sobre a situação do país. O papa já instou em várias ocasiões à resolução da crise que vive a Venezuela. 

Neste domingo não foi a primeira vez que ele se referiu, depois da oração do Angelus, à situação na Venezuela. Já em abril, ele fizera um apelo para se evitar "toda a violência" e defendeu a procura de "soluções políticas" no país.

Há semanas o país é abalado por protestos contra o governo do presidente Nicolás Maduro, após o Tribunal Supremo de Justiça, controlado pelo chavismo, ter decidido assumir as competências da Assembleia Nacional, dominada pela oposição desde 2015. Segundo a ONG Foro Penal, cerca de 80 pessoas já foram mortas nos protestos.

MD/lusa/efe/kna