Pacote de medidas de Piñera aplacará protestos no Chile? | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 24.10.2019

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Pacote de medidas de Piñera aplacará protestos no Chile?

Com desigualdade gritante, atual crise poderia ter eclodido a qualquer momento, avaliam especialistas. Presidente anunciou medidas para 2020, mas problema não é orçamentário, e sim de modelo social.

Homem de máscara de gás, no topo de poste de luz, com edifício moderno ao fundo

Manifestações começaram com aumento de transportes públicos

Desde o retorno da democracia, em 1990, o Chile apresenta uma economia estável e importante redução do nível de pobreza – de cerca de 40% a 8,6%, segundo pesquisa de 2017. De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o país tem o terceiro maior Produto Interno Bruto (PIB) da América Latina (15.777 dólares per capita), atrás do Uruguai e do Panamá, e deverá crescer 3% em 2019.

Embora ultimamente não seja o país com maior crescimento econômico da região, o Chile conseguiu estabelecer uma boa reputação econômica em nível internacional, tendo fechado pelo menos 36 tratados de livre-comércio com diferentes nações. Além disso, detém selos de exportador agropecuário, vitivinícola, pesqueiro e mineiro, ocupando um posto ideal para a realização de investimentos. No entanto, a crise social que o país atualmente atravessa coloca, em grande medida, esses números em cheque.

Após os episódios de violência e as numerosas manifestações dos últimos dias, que deixaram pelo menos 18 mortos, a economia chilena não tem apresentado contas brilhantes. A crise repercutiu também na Bolsa de Comércio de Santiago, que caiu 4,6%, enquanto o peso chileno se desvalorizou 2% em relação ao dólar.

"Todos se perguntam o que aconteceu com esse país e com as mobilizações atuais. Em comparação com outros da América Latina, o Chile tem se caracterizado por estabilidade econômica, inflação controlada e, em geral, está melhor do que dez ou 20 anos atrás", admira-se Detlef Nolte, membro do Conselho Alemão de Relações Exteriores (DGAP).

Protestos contra o governo em Santiago, Chile

Protestos contra o governo em Santiago, Chile

Longe de constituir um paraíso econômico, o Chile é uma das nações mais desiguais do mundo, junto a outros sete Estados latino-americanos, segundo o índice Gini do Banco Mundial. Como se viu refletido em diversos cartazes e faixas das manifestações, o descontentamento social não é pelos 30 pesos (menos de 0,04 euro) adicionais no preço dos transportes públicos – medida que o governo suspendeu – mas sim por representarem 30 anos de injustiças sociais, devido à distribuição desequilibrada de riqueza.

Segundo um artigo de 2017 do jornal New York Times, "Myths of the 1 percent: What puts people at the top" (Mitos do 1%: O que coloca as pessoas no topo), e dados oficiais do Banco Mundial, compilados em 2015, o 1% mais rico da população chilena acumula 33% da renda. Além disso, 70% dos trabalhadores recebem salário mensal líquido inferior a 550 mil pesos (680 euros), indica a Fundação Sol.

"O que ocorre é que economia do Chile não era tão brilhante, nem tão exemplar", afirmou à DW Gonzalo Martner, doutor em economia da Universidade de Paris Nanterre. "Já não é o país que mais cresce, mantém uma desigualdade de renda comparável à do Brasil ou Colômbia, segundo o índice Gini. Esse movimento social tinha que eclodir em algum momento, ocorreu com o aumento do metrô, mas podia ter sido com qualquer coisa."

Nolte partilha essa visão: "O problema é a distribuição de riqueza. Nestes anos temos visto que não melhorou, a maioria dos chilenos não ganha o suficiente, está endividada, e o índice Gini não melhorou. Desde Augusto Pinochet, tudo está privatizado, o que é muito ruim para a maioria, que não dispõe de recursos para um sistema privado com altos custos."

Presidente do Chile, Sebastián Piñera

Presidente Sebastián Piñera cedeu a reivindicações, mas manifestações prosseguem

Nesta terça-feira (22/10), o presidente chileno, Sebastián Piñera, anunciou um pacote de medidas para aplacar algumas das demandas de parte dos cidadãos: um aumento do salário mínimo em 50 mil pesos (62 euros), novo imposto de cerca de 40% para os que ganhem mais de 8 milhões de pesos (9.950 euros), ou corte de 9,2% da tarifa de eletricidade, são algumas das propostas do mandatário para 2020, estimadas em 1,2 bilhão de euros.

Indagado pela DW se o Chile dispõe de condições econômicas para implementar as reformas propostas por Piñera, o professor Detlef Nolte frisa que ele "não é um país pobre, tem tido crescimento". "É necessário um processo legislativo, em que os partidos devem se pôr de acordo e ver o que se passa. É uma decisão sobre o modelo econômico, que precisa envolver a sociedade civil, a oposição; há que reforçar os sistemas sociais, de educação."

Quanto às medidas anunciadas, elas lhe parecem "paliativas": "Talvez sejam uma ajuda para os que não têm recursos, porém não é uma solução de longo prazo. A meu parecer, uma política mais redistributiva pode ajudar a melhorar a imagem do Chile, e talvez os investimentos das empresas", estima o membro do DGAP.

Por sua vez, o economista Gonzalo Martner acredita que o Chile obviamente dispõe dos recursos econômicos para implementar as medidas, mas a raiz do problema é a pouca disposição do governo para mudanças excessivamente profundas.

"O Chile hoje tem uma dúvida pública em torno de 27%, a da Alemanha é muito mais alta. Ou seja: o Chile possui uma capacidade de endividamento fiscal com taxas de risco muito baixas, o que permite que seja feito. Aqui, o problema não é econômico, mas de vontade política. Não é orçamentário, é do modelo social."

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTubeApp | Instagram | Newsletter

Leia mais