Os cincos anos do ″Vamos conseguir″ de Merkel | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 29.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Os cincos anos do "Vamos conseguir" de Merkel

Em 2015, quando centenas de milhares de refugiados entraram na Alemanha em poucos meses, chanceler federal garantiu que país daria conta da tarefa de acolhê-los. Como ela – e os que solicitaram refúgio – se saíram?

Merkel ao lado de rapaz fazendo selfie

A chanceler federal alemã se deixa fotografar em selfie com um imigrante sírio

Talvez nenhuma outra frase dita durante o longo mandato da chanceler federal alemã, Angela Merkel, tenha causado tanto impacto. As palavras "Wir schaffen das" ("Vamos conseguir") pretendiam inspirar confiança diante de uma enorme missão que ela mesma se impusera. Em questão de poucas semanas, dezenas de milhares de pessoas foram para a Alemanha, sobretudo através da Rota dos Bálcãs. Muitos delas foram inicialmente barradas na Hungria. A maioria vinha da Síria, mas outras do Norte da África, Iraque ou Afeganistão.

Merkel permitiu que elas entrassem na Alemanha, embora outros países da União Europeia (UE) tivessem de acolhê-los, segundo o Regulamento de Dublin, que estipula que solicitantes de refúgio devem ser registrados e acolhidos no primeiro país a que chegam no bloco. Em vez disso, a Alemanha permitiu a entrada devido ao grande afluxo de migrantes e às condições desumanas deles perto de suas fronteiras.

Quase meio milhão de pessoas solicitaram refúgio na Alemanha em 2015 e outras 750 mil no ano seguinte. O ministro do Interior na época, Thomas de Maizière, admitiu em meados deste mês que houve momentos de perda de controle. Seu sucessor, Horst Seehofer, então governador da Baviera, em 2016 chegou a caracterizar a situação como "domínio da ausência do Direito".

Hoje, a oposição ainda tem opiniões diferenciadas sobre a decisão de Merkel. Segundo Irene Mihalic, do Partido Verde, "a chanceler federal agiu certo ao não fechar as fronteiras naquela época. Caso contrário, iria se criar uma situação caótica no coração da Europa, com um potencial imensurável de conflito."

Várias pessoas aglomeradas em fila

Filas de espera para registro na Alemanha


Lars Castellucci, parlamentar do Partido Social-Democrata (SPD), concorda em grande parte com a afirmação, mas acha que "foi errado não ter envolvido mais os parceiros europeus, o que ainda hoje nos causa enormes dificuldades".

Gottfried Curio, do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD), é mais veemente em suas objeções. "Teria sido realista e responsável cumprir a lei e a ordem. Se as pessoas tivessem sido rejeitadas desde o início, menos gente teria iniciado a viagem e menos pessoas teriam se afogado no Mediterrâneo."

Aprovação e ceticismo

Fora da Alemanha, a decisão teve muita aprovação. Em 5 de setembro de 2015, o jornal americano The New York Times escreveu que a Alemanha estendeu a mão aos refugiados. Já a emissora Al-Jazeera disse que "a Alemanha abriu suas portas e fronteiras a todos aqueles que procuram refúgio e um porto seguro."

A decisão de Merkel dividiu a nação. Os céticos acreditavam desde o início que a Alemanha estava assumindo uma carga pesada demais. Outros perguntavam o que exatamente deveria ser feito e se o país deveria se sentir responsável por tantas pessoas de diferentes culturas.

O social-democrata Castellucci, cujo partido – então também parceiro minoritário da coalizão – compartilhava a responsabilidade pela implementação da política de Merkel, sentiu falta da apresentação de um plano mais detalhado por parte da chefe de governo. "Ela definitivamente deveria ter dito como podemos fazer isso e quem deve fazer o quê. E então deveria ter havido discussões sobre isso na sociedade", diz. "Isso talvez teria nos poupado um conflito inconciliável entre apoiadores e opositores de nossa política, o que acabou beneficiando os populistas." 

Criança recebe bicho de pelúcia ao lado de mulher em uma fila

A "cultura de boas-vindas" da Alemanha durou vários meses


A cultura inicial de "boas-vindas" que Merkel defendia se dissipou o mais tardar no réveillon de 2015, quando mulheres foram importunadas por homens de origem migratória na estação ferroviária central de Colônia. Antes disso, aconteceram vários ataques xenófobos a abrigos para refugiados, mostrando como o clima estava se deteriorando em partes do país.

Quem lucrou com esse descontentamento foi o partido antimigração AfD. Em muitas eleições, ele registrou fortes aumentos de votos e se tornou o partido de oposição mais forte após as eleições nacionais de 2017.

Merkel sempre defendeu sua decisão de 2015, mas em dezembro de 2016, numa convenção de seu partido, a União Democrata Cristã (CDU), disse que uma situação como a de 2015 "não pode, não deve e não precisa se repetir". Na sequência, o governo alemão restringiu sua política de refúgio e, a partir de 2016, o número de requerentes caiu, principalmente porque ao longo da Rota dos Bálcãs ficou cada vez mais difícil cruzar fronteiras.

Progressos na integração

Até que ponto esses recém-chegados foram integrados na Alemanha? Em termos de emprego, os migrantes ainda estão bem abaixo da média da população alemã. De acordo com um estudo de 2020 do Instituto de Pesquisa de Emprego (IAB), só cerca de metade das pessoas que vieram para a Alemanha desde 2013 têm um emprego. E a tendência de crescimento foi parcialmente anulada pela pandemia porque muitos refugiados foram demitidos, diz o estudo.

Com relação à criminalidade, outro indicador de integração, dados da Agência Federal de Investigação Criminal mostram que imigrantes estão desproporcionalmente envolvidos em casos de homicídios, lesões corporais graves e estupro. Isso decorre do fato de muitos serem homens jovens e tenderem a se envolver com mais frequência em tais delitos.

O porta-voz de política interna da CDU, Patrick Sensburg, diz que "a proteção de refugiados deve ser entendida principalmente como 'proteção temporária'. Quem deseja vir para cá para viver e trabalhar de forma permanente tem outros meios para o fazer, desde que traga as qualificações necessárias e aceite os nossos valores."

Homem com sacolas mostra foto amassada de Merkel

Chegada de refugiados na estação ferroviária central de Munique em setembro de 2015

A sociedade alemã continua profundamente dividida sobre a política de imigração. Cerca de 60% dos alemães acreditam que o país possa lidar bem com os refugiados, enquanto 40% pensam o contrário. O cientista político Herfried Münkler disse que 2015 "expôs uma cisão na sociedade alemã" e radicalizou o discurso político. "A tendência para o centro que víamos anteriormente acabou", disse.

Cinco anos após a famosa declaração de Merkel, teria a sociedade alemã mostrado saber enfrentar o desafio? O ex-ministro do Interior De Maizière acha que houve, pelo menos, um progresso significativo. Para Sensburg, a Alemanha, "de modo geral, dominou bem a crise dos refugiados de 2015".

Irene Mihalic ainda vê a missão como inacabada: "A integração não acontece da noite para o dia e teremos que continuar trabalhando nisso em todos os níveis. Mas estou convencida de que a imigração é uma grande oportunidade para a Alemanha, especialmente no que diz respeito ao mercado de trabalho e à evolução demográfica", afirma.

Estudos do instituto econômico DIW chegaram a conclusões semelhantes. Eles revelam que a Alemanha pode superar o desafio, mas que ainda há bastante a ser feito tanto pelos que buscaram refúgio na Alemanha quanto por aqueles que os acolheram.

Leia mais