Oposição venezuelana racha após derrota eleitoral | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 25.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Oposição venezuelana racha após derrota eleitoral

Líder opositor Henrique Capriles critica governadores eleitos por aliança da oposição por prestarem juramento a contestada Assembleia Constituinte, dominada pelo chavismo, e anuncia rompimento com o grupo.

Capriles acusa de traição governadores eleitos pela oposição que prestaram juramento à Assembleia Constituinte

Capriles acusa de "traição" governadores eleitos pela oposição que prestaram juramento à Assembleia Constituinte

Henrique Capriles, uma das principais vozes de oposição ao regime do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou nesta quarta-feira (25/10) que deixará a coalizão opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD), gerando um sismo na base da oposição no país.

O motivo alegado pelo ex-candidato à presidência foi o que chamou de "traição" de um dos partidos da aliança ao aceitar que quatro governadores eleitos pela oposição nas últimas eleições regionais prestassem juramento à Assembleia Constituinte.

Leia também: Análise: O resultado que muitos temiam na Venezuela

"Nicolás Maduro encontrou sua oposição oficialista [...] que abaixa a cabeça e trai seus eleitores. Não serei parte dessa unidade", declarou Capriles.

A Assembleia Constituinte, eleita numa votação bastante contestada, é vista pela oposição como uma fraude. Diversos países se recusaram a reconhecer a legitimidade do processo eleitoral convocado por Maduro.

"Se alguém tem um tumor e não toma os medicamentos, deve-se retirar o tumor a qualquer momento e construir algo novo", disse Capriles à imprensa, afirmando que esta é uma oportunidade de reorganizar e fundar novamente a aliança opositora.

Assistir ao vídeo 02:38

"Venezuela está vivendo uma ditadura", diz ex-procuradora-geral

Ele acusou os quatro governadores da oposição, que pertencem ao partido Ação Democrática (AD), de "enganar e fraudar" seus eleitores, uma vez que teriam afirmado durante a campanha que não se submeteriam à Constituinte, dominada pelo chavismo.

Pelo ocorrido com os governadores, Capriles responsabilizou o secretário da AD, Ramos Allup, que acusou de almejar a candidatura à presidência pela oposição nas eleições de 2018. "Enquanto Ramos estiver na MUD eu não estarei", afirmou Capriles.

A AD elegeu os governadores das províncias de Anzoátegui, Médica, Nueva Esparta, e Táchira, os quais prestaram juramento perante a Constituinte.

Capriles elogiou Juan Pablo Guanipa, governador eleito pelo seu partido, Primero Justicia, no estado de Zulia, e que se negou a fazer o juramento perante a Assembleia Constituinte.

O sismo surpreendeu a oposição num momento crítico, em meio ao fortalecimento institucional do governo apos as vitórias nas eleições regionais e enquanto o país se volta para o pleito presidencial em 2018.

RC/dpa

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados