1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Sociedade

Obrigado, Twitter, por proibir propaganda política

Martin Muno
Martin Muno
31 de outubro de 2019

Decisão do CEO do Twitter de proibir publicidade política é correta e mostra que o serviço de mensagens curtas assume sua responsabilidade social. Mas outras redes também devem seguir o exemplo, opina Martin Muno.

https://www.dw.com/pt-br/opini%C3%A3o-obrigado-twitter-por-proibir-propaganda-pol%C3%ADtica/a-51070518
Twitter Logo
Com decisão, Twitter faz pressão sobre outras redes sociais, diz Martin MunoFoto: Imago Iamges/Zuma/J. Arriens

A novidade veio – como poderia ser diferente? – por tuíte: o CEO do Twitter, Jack Dorsey, anunciou que não aceitará mais publicidade política a partir de 22 de novembro. Com as palavras "acreditamos que o alcance da mensagem política deve ser conquistado, não comprado", ele deu início a uma série de tuítes sobre essa decisão.

Dorsey, que simplesmente se chama "Jack" no Twitter, deixou claro o que pretendia expor com esses tuítes: por um lado, o impacto que tem o conteúdo pago no Twitter e, pelo outro, os perigos com que as mídias sociais têm de lidar.

Dorsey chama isso de "otimização de mensagens baseada em aprendizado de máquina e microssegmentação, informações enganosas não verificadas e Deep Fake [tecnologia de manipulação de vídeos]. Tudo com velocidade crescente, sofisticação e tamanho esmagador".

A proibição de publicidade é mais um passo para conter a disseminação de conteúdo falso, inflamatório ou ofensivo no Twitter. Há apenas duas semanas, a plataforma adotou novas regras: tuítes que glorificarem o terrorismo, ameaçarem com violência ou violarem a privacidade e a esfera íntima poderão ser deletados. Também os políticos que não respeitarem as regras poderão ser sancionados – com seus seguidores, por exemplo, não podendo mais retuitar ou curtir os tuítes.

Não é nenhuma coincidência que os novos regulamentos venham no momento em que os partidos políticos dos EUA estão se preparando para a campanha presidencial de 2020 – uma campanha eleitoral que pode se tornar uma imensa troca de ofensas. Não foi por acaso que a equipe eleitoral do atual presidente e eterno tuiteiro Donald Trump condenou as restrições aos políticos como um ato de censura e estupidez.

Nesse contexto, ambas as decisões não são apenas moralmente corretas, mas mostram que o CEO de uma importante rede social também está disposto a assumir responsabilidade perante a sociedade. Elas também têm seu lado de esperteza: embora Dorsey renuncie à receita de publicidade, isso acontece apenas em pequena proporção. Pois a receita com publicidade política perfaz somente um milésimo da receita total de vendas da rede social.

O conteúdo simbólico da nova política do Twitter tem uma importância muito maior. Pois tanto com as regras mais rígidas quanto com a proibição de publicidade, Dorsey exerce pressão sobre outras mídias, especialmente o gigante das redes sociais Facebook.

Pois o chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, segue uma política oposta: ele enfatizou várias vezes que não se importa se o conteúdo divulgado em sua rede social esteja certo ou errado – sejam anúncios pagos ou simples postagens.

Além disso, nos próximos meses, Facebook quer incluir o portal de propaganda populista de direita Breitbart, iniciado por Steve Bannon, num feed de notícias de alta qualidade escolhidas por uma equipe de jornalistas experientes, a ser exibido nos próximos meses nos EUA. É isso que Zuckerberg entende por liberdade de expressão. Mas esse entendimento da liberdade de expressão, combinado com tecnologia de ponta, é capaz de destruir nossas sociedades liberais.

Para sermos cidadãos esclarecidos capazes de fazer escolhas racionais, precisamos necessariamente saber se uma mensagem é verdadeira ou falsa. Ter constatado isso e ter agido em conformidade com essa constatação é o mérito de Jack Dorsey. Não se trata de um passo revolucionário, mas pode ser um começo para tornar as redes sociais mais civilizadas. Por isso, obrigado, Twitter, obrigado, Jack!

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Martin Muno
Martin Muno Imigrante digital, interessado em questões de populismo e poder político.