1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Sociedade

Opinião: Dogmatismo em vez de ciência na Hungria

4 de agosto de 2019

Nomeação pelo premiê húngaro Viktor Orbán de um filólogo islamofóbico como novo supervisor da Academia de Ciências é um escândalo. E não cria um cenário científico competitivo, opina o jornalista Fabian Schmidt.

https://www.dw.com/pt-br/opini%C3%A3o-dogmatismo-em-vez-de-ci%C3%AAncia-na-hungria/a-49873444
Pessoas protestam contra o desmantelamento da Academia de Ciências da Hungria, no início de junho
Pessoas protestam contra o desmantelamento da Academia de Ciências da Hungria, no início de junhoFoto: Reuters/B. Szabo

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, decidiu que o novo e controverso comitê de supervisão da Academia de Ciências do país será presidido por Miklos Maroth. O filólogo clássico, de 76 anos, atraiu repetidamente a atenção com declarações islamofóbicas repugnantes que mostram pouco respeito pela dignidade humana.

O governo húngaro mostra, assim, sem ambiguidades, qual direção está tomando: a de volta ao passado. Isto se torna claro não só porque a xenofobia de Maroth já é conhecida, mas também porque já está no cerne do seu ensino universitário.

Para entender por que a nomeação de um filólogo é um sinal tão devastador para a ciência livre, deve-se primeiro notar a diferença fundamental entre Filologia e Linguística. As duas disciplinas acadêmicas não são de modo algum apenas dois termos para uma e a mesma coisa, como os leigos muitas vezes percebem erroneamente.

"Os filólogos são os sacerdotes da nação", resumiu meu bem-aventurado professor especializado em Bálcãs da Universidade Livre de Berlim, Norbert Reiter. Ele era um representante de uma eurolinguística comparativa progressista.

Por outro lado, filólogos como Maroth mal deixaram intelectualmente o século 19. Sua metodologia e ensino são caracterizados por ideias românticas e nacionalistas empoeiradas.

No seu mundo de pensamento há línguas, famílias linguísticas e árvores genealógicas que se desenvolvem como organismos biológicos. Os "povos" e as "línguas" formam unidades e estão geneticamente ligados. O objetivo da filologia é a delimitação: o que distingue as "línguas" uma das outras separa também os "povos" e as "nações" na conclusão inversa.

 

Para ser claro, isto é um disparate não científico e obscuro. Essa doutrina das "línguas" é essencialmente normativa e não empírica. Ela é adequada para a formação de professores que, por sua vez, treinam os alunos para escrever e falar "corretamente" – no sentido de uma linguagem padronizada. É assim que as "nações" podem ser formadas. Este é um objetivo político e social, mas não tem absolutamente nada a ver com ciência e investigação independentes.

O que esta filologia – que está comprometida com o objetivo político global superior – não pode alcançar é uma compreensão científica das múltiplas dimensões da comunicação. Isso só pode ser feito pela linguística. Ela não leva em conta "línguas", mas a língua. E ela não determina o que é "certo" ou "errado", mas olha as pessoas de forma empírica pelos olhos.

Ela usa como fio condutor a semiótica, ou seja, o estudo da comunicação via sinais. E se os sinais linguísticos (tanto lexicais como gramaticais) que duas pessoas usam entre si se originam de uma ou outra "língua", é interessante para linguistas comparativos, sobretudo, por causa do conhecimento científico.

Essa divagação foi necessária para entender por que nenhum panorama de pesquisa moderno e cosmopolita pode emergir com essa liderança que está mentalmente congelada no passado distante.

Um provérbio inglês diz: "Cães velhos não aprendem truques novos". E como deve um representante emérito de uma disciplina normativa convicta alguma vez entender o significado e a relevância de uma pesquisa empírica imparcial? Não importa se estamos falando de humanidades ou de ciências naturais. Se falta compreensão, nada muda.

Em todo o caso, o preenchimento desta vaga mostra que não há nada por trás da afirmação do ministério da Inovação, László Palkovics, de que o desempoderamento da academia tornará o cenário científico húngaro mais competitivo. Tudo isto está, portanto, claramente exposto como uma medida coerciva política.

Se os acadêmicos recebem um filólogo como supervisor maior, eles são aparentemente tratados como insignificantes. Se o governo tivesse pelo menos optado por um professor de engenharia mecânica de 50 anos, pelo menos teria preservado a aparência de uma vontade de inovar.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Fabian Schmidt
Fabian Schmidt Jornalista especializado em Ciência, com foco em tecnologia e invenções.