ONU expressa preocupação com direitos humanos na Venezuela | Notícias internacionais e análises | DW | 29.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

ONU expressa preocupação com direitos humanos na Venezuela

Representante da ONU diz que detenções arbitrárias e instrumentalização do sistema judiciário estão entre os problemas. Países oferecem ajuda para intermediar diálogo entre governo venezuelano e oposição.

Venezuelanos protestam contra o governo em Caracas

Venezuelanos protestam contra o governo em Caracas

O alto comissário das Nações Unidas para Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al-Hussein, afirmou nesta quinta-feira (29/09) que se preocupa com a situação de direitos humanos na Venezuela.

"Não possuímos um escritório de direitos humanos em Caracas ou na Venezuela, mas as Nações Unidas estão presentes no país e nos preocupamos muito com a situação", disse Hussein, numa coletiva de imprensa em Bogotá. O comissário foi à Colômbia para acompanhar a assinatura do acordo de paz.

Entre as preocupações, o representante da ONU apontou detenções arbitrárias e a instrumentalização do sistema judiciário pelo governo venezuelano. Hussein disse ainda que a única maneira para o país superar as dificuldades é abrindo perspectivas de direitos humanos, sociais e econômicas.

Referendo revogatório

O Brasil, Chile, México, Argentina, Paraguai e Peru afirmaram nesta quinta-feira estarem preocupados com a decisão do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela de adiar o referendo revogatório sobre o mandato do presidente Nicolás Maduro para 2017.

Numa declaração direcionada ao Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos, os países pediram que a Venezuela estabeleça um diálogo com a oposição para preservar a paz e a segurança e exigiram a libertação de presos políticos.

Os diplomatas do Brasil, Chile, México, Argentina, Paraguai e Peru reiteraram ainda seu apoio e disposição para intermediar o diálogo entre o governo de Maduro e os diversos atores políticos e sociais do país.

Os países afirmaram que somente com diálogo é possível promover a estabilidade política e a recuperação econômica.

CN/efe/rtr

Leia mais