ONG pede fim de prática para ″curar″ gays na China | Notícias internacionais e análises | DW | 15.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

ONG pede fim de prática para "curar" gays na China

Human Rights Watch reivindica combate à prática em que pessoas LGBT são internadas em clínicas e hospitais para que se "convertam" em heterossexuais. Casos envolvem terapia de aversão e tratamento de eletrochoque.

Casal de ativistas gays chineses: direitos ainda não são reconhecidos

Casal de ativistas gays chineses: direitos ainda não são reconhecidos

A ONG Human Rights Watch (HRW) pediu nesta quarta-feira (15/11) o fim da "terapia de conversão" na China, uma prática controversa que busca "curar" indivíduos membros da comunidade LGBT para torná-los heterossexuais.

A organização de defesa dos direitos humanos pediu ao governo em Pequim que enfrente a prática, que é ilegal de acordo com a legislação chinesa.

"Se as autoridades chinesas estão empenhadas em acabar com a discriminação e o abuso contra as pessoas LGBT, é hora de pôr fim a esta prática nas instalações médicas", disse Graeme Reid, diretor de direitos LGBT da HRW, em comunicado.

Para o relatório, foram entrevistadas 17 pessoas. Elas descreveram terem sido retidas em instalações médicas, algumas em alas psiquiátricas, e passado por "consultas psiquiátricas, hipnoterapia, medicação, terapia de aversão e tratamento de eletrochoque".

Na maioria dos casos, as pessoas foram tratadas em hospitais públicos, levadas pelos próprios familiares, embora a homossexualidade seja legal na China desde 1997 e tenha sido desqualificada como transtorno mental em 2001. 

"A experiência deixou um profundo impacto psicológico em mim", contou Yang Teng, ativista dos direitos dos gays que foi submetido a choques na cidade de Chongqing, no sudoeste do país.

No relatório, homossexuais contam como, uma vez internados, eram atormentados por médicos, que os chamavam de "doentes, pervertidos e sujos". Um deles foi submetido a terapia de aversão: "pacientes" tomavam medicação que forçava o enjoo, enquanto assistiam a pornografia gay.

Tommy Chen, porta-voz do grupo Rainbow Action Hong Kong, disse à agência alemã de notícias DPA que tem notado um aumento no número de incidentes e que a prática é ainda mais comum na região administrativa de Hong Kong.

"Eu diria que a situação da terapia de conversão em Hong Kong é ainda muito pior", disse. "O que se lê na China não é feito pelo governo, mas o caso da terapia de conversão em Hong Kong é apoiado pelo próprio governo de Hong Kong."

Segundo as diretrizes do Comitê Nacional de Saúde, o Estado tem obrigação de investigar atividades dos hospitais, onde é proibido o confinamento forçado de pacientes, a não ser que eles representem um perigo para a sociedade.

Mas o governo ainda não tem leis claras para tratar o caso das "conversões" e para punir os responsáveis por aplicá-las.

A sociedade chinesa continua a favorecer descendentes que possam levar o nome da família adiante, e como no país união entre gays e adoção de crianças por casais do mesmo sexo não são permitidas, muitos acabam forçando a internação de parentes homossexuais.

A China também não tem leis específicas que protejam cidadãos contra a homofobia, o que acaba afastando vítimas das "conversões" de buscarem justiça.

PV/dpa/ap/ots

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais