Onde os populistas encontram terreno na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 18.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2017

Onde os populistas encontram terreno na Alemanha

Embora em queda nas pesquisas, AfD garante seu eleitorado instigando o ressentimento contra imigrantes. Mas, paradoxalmente, o apoio ao partido é maior nas regiões do Leste, onde há menor número de refugiados.

Abrigo de refugiados em Wolgast, Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental

Abrigo de refugiados em Wolgast, Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental

Os populistas de direita da Alternativa para a Alemanha (AfD) já viram dias melhores. Em 2016 seu partido conquistou assentos em oito legislativos estaduais, chegando a obter mais de 20% em dois pleitos. Agora eles concentram meros 7% a 8% nas pesquisas de intenção de voto para as eleições ao Parlamento alemão de 24 de setembro.

Analistas concluem que cada vez mais a AfD se transformou numa legenda de um tema só, ao articular a irritação popular pela política de boas-vindas aos refugiados no país. Mas quem deduz que o apoio aos populistas seja maior nas áreas de maior concentração de requerentes de refúgio, se engana.

Leia a cobertura completa sobre a eleição na Alemanha em 2017

Na Alemanha eles são distribuídos pelos 16 estados segundo os níveis populacionais e de renda – portanto as unidades federativas mais pobres e menos populosas do Leste – antes pertencentes à Alemanha comunista – recebem menos refugiados do que as do Oeste. Mas a AfD continua tendo bom desempenho nas regiões orientais, contrariando a tendência nacional.

Isso se aplica em particular a Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, no Nordeste alemão, estado natal de ninguém menos do que a chanceler federal Angela Merkel. Com 1,6 milhão de habitantes, ele apresenta o menor número de refugiados per capita do país.

Na sondagem mais recente, divulgada em 23 de julho, 20,5% dos consultados disseram ser a favor da AfD – apenas três pontos percentuais a menos do que alcançaram os populistas na eleição de setembro último. Cabe investigar o que está acontecendo no único estado em que o apoio à AfD cresceu desde o começo de 2017.

Medo fala nas urnas

A presidente do Conselho de Refugiados de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, Ulrike Seemann-Katz, não tem papas na língua. Indagada por que um grupo anti-imigração tem tamanha aceitação numa região com tão poucos migrantes, sua resposta é bem direta: medo.

Assistir ao vídeo 00:38

"Acolhimento de refugiados vai contra os interesses da Alemanha"

"Psicologicamente é fácil explicar: seres humanos temem o que não conhecem", diz Seemann-Katz. Segundo ela, os residentes das zonas rurais do nordeste alemão quase não têm experiências pessoais com os solicitantes de refúgio, e os poucos abrigos para refugiados existentes funcionam como ilhas isoladas, com pouco apoio ou contato com o mundo exterior.

Os migrantes enviados para lá tendem a seguir rapidamente para as cidades. E, numa região com taxa de desemprego três vezes mais alta do que a média nacional, muitos se ressentem do que percebem como tratamento preferencial para os refugiados.

Seemann-Katz fica sensivelmente emocionada ao ler em voz alta os e-mails cheios de "puro racismo" que sua organização recebe regularmente. Um reclama por ter que varrer a calçada defronte da própria casa enquanto candidatos a refúgio desfilam o dia todo para baixo e para cima ,"com um smartphone na mão esquerda e um Red Bull na direita". Outro simplesmente pontifica: "Muito obrigado, Alemanha. A gente precisa de novas leis e mais deportações."

A funcionária não tem dúvida de que a força da AfD em sua região se explica pela hostilidade com os forasteiros e em especial com os refugiados. E não vê solução para quebrar o círculo vicioso da falta de familiaridade que gera medo e desprezo.

"Não acho que haja algo que possamos fazer. Os refugiados não querem ficar onde não são particularmente bem-vindos, isso é natural. Se você passar com um grupo de refugiados diante da casa [de um autor de e-mails de ódio], ele rapidamente baixará as persianas."

Não vamos conseguir nunca, Sra. Merkel: pichação no Leste Alemão alude à frase da premiê Vamos conseguir, em relação à onda migratória

"Não vamos conseguir nunca, Merkel": pichação no Leste Alemão alude à frase da premiê "Vamos conseguir"

Vitória com ajuda de Merkel?

Para explicar o que motiva o eleitorado a votar na AfD, a prefeita da cidade de Pasewalk, Sandra Nachtweih, apresenta uma lista de ressentimentos.

"O fato de eu me sentir prejudicado pelo que tenho aqui; por não me oferecerem nada; porque ninguém parece se importar. Porque os refugiados recebem tratamento especial: eles ganham uma geladeira e um apartamento novos e eu não. Essa é a frustração que vemos em relação aos nossos esforços para assistir aos refugiados", explica a política independente de esquerda.

Os políticos da AfD de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental negam que seu partido seja de um tema só. No entanto, os refugiados são a primeira coisa que mencionam para explicar o sucesso de sua legenda. E parecem estar bem cientes de que a ausência de requerentes de asilo na região, na verdade, não importa, ou até lhes facilita o recrutamento de eleitores.

"As pessoas têm medo, elas não querem ser invadidas por estrangeiros", argumenta o deputado Jürgen Strohschein. "No que se refere às políticas de refúgio, pode-se dizer que Merkel foi a nossa maior ajuda na eleição."

A ironia é que, segundo um relatório de 2016 da comissária do governo federal para o Leste Alemão, Iris Gleicke, os cidadãos de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental só estão se prejudicando com a própria ansiedade. O Nordeste alemão é abençoado com o litoral do Mar Báltico, uma enorme região de lagos e algumas das mais belas paisagens da Alemanha, mas precisa atrair migrantes para resistir aos desafios demográficos e ter sucesso no futuro.

Tema de campanha?

Num ano eleitoral como o corrente, contudo, os políticos dos partidos estabelecidos preferem não contrariar os eleitores potenciais do Leste, evitando confrontá-los com os aspectos negativos de suas atitudes regionais.

Após a eleição de 2016, o chefe da bancada estadual da União Democrata Cristã, Lorenz Caffier, atribuiu o mau desempenho do partido de Merkel em Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental a um ressentimento emocional pela política de refugiados da chefe de governo. "Só havia um tema, que era e é: os refugiados", disse, embora recusando-se a comentar sobre a popularidade da AfD em seu estado.

Em contrapartida, o adversário eleitoral de Merkel pelo Partido Social-Democrata (SPD), Martin Schulz, tem explorado o tema: recentemente ele ventilou a possibilidade – e instigou os medos – de uma segunda onda de solicitantes de asilo na Alemanha.

A representante dos migrantes Ulrike Seemann-Katz desaprova essa manobra de campanha. "Acho muito problemático que isso tenha se transformado numa questão eleitoral. Sempre houve um consenso de mantê-la fora das campanhas. Agora Schulz a recolocou na pauta, e eu acho que é um grande erro."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados