OMS declara emergência internacional no Congo devido a ebola | Notícias internacionais e análises | DW | 17.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Saúde

OMS declara emergência internacional no Congo devido a ebola

Caso registrado numa das maiores cidades do país acende alerta da Organização Mundial de Saúde. Epidemia já deixou mais de 1,6 mil mortos em menos de um ano.

Funcionários da OMS trabalham na descontaminação de casa de paciente com ebola no Congo

Funcionários da OMS trabalham na descontaminação de casa de paciente com ebola no Congo

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou nesta quarta-feira (17/07) na República Democrática do Congo estado de emergência internacional devido ao surto de ebola que atinge o país. A designação é rara e usada apenas em casos de epidemias graves.

O surto de ebola no Congo é o segundo mais mortal já registrado no mundo e, apesar de ter sido contido em regiões remotas, a confirmação de um caso na cidade de Goma, no leste do país, nesta semana, preocupou especialistas.

"É o momento de a comunidade internacional se solidarizar com o povo do Congo, não de impor medidas punitivas e restrições contraproducentes que só servirão para isolar o país", afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, após a reunião do Comitê de Emergência da organização.

O atual surto de ebola começou há quase um ano e já deixou mais de 1,6 mil mortos. No início desta semana, foi registrado um caso em Goma, a cidade mais povoada do país, e localizada a 20 quilômetros da fronteira com Ruanda, o que aumenta o risco de uma propagação da epidemia.

Segundo Tedros, a cidade é a porta de entrada para a região dos Grandes Lagos Africanos e para o resto do mundo. O paciente de Goma foi identificado como um pastor evangélico que viajou para Butembo, uma das cidades mais atingidas pela recente epidemia. Ele teria tocado em vários pacientes com ebola e ocultou sua identidade para evitar exames de saúde durante sua volta para Goma.

"Há sinais preocupantes de uma possível expansão da epidemia. Apesar da melhora significativa em muitos lugares, há uma preocupação com a potencial disseminação em Goma", esclareceu o Comitê de Emergência da OMS. Há atualmente 22 casos suspeitos da doença na cidade e nenhum tem relação direta com o do pastor, que morreu.

A avaliação da OMS indica que o risco de a epidemia continuar a se espalhar no Congo "permanece muito alto", mas o risco de se expandir para fora dessa região "permanece baixo", acrescentou Tedros.

Cerca de 12 novos casos de ebola são registrados por dia na região. Este surto é o segundo mais mortífero da história, apenas ultrapassado pela epidemia que entre 2014 e 2016 atingiu a África Ocidental e que matou mais de 11,3 mil pessoas.

Países vizinhos do Congo, como Sudão do Sul, Uganda, Ruanda e Burundi, estão em alerta máximo. A OMS pediu que eles impulsionem as coordenações de risco e melhorem a preparação para detectar casos importados da doença. A organização destacou que o fechamento das fronteiras pode piorar a crise, ao levar pessoas a atravessarem por rotas clandestinas e sem controle.

De acordo com as diretrizes da OMS, a declaração de estado de emergência internacional traz implicações para a saúde pública além das fronteiras nacionais e permite a realização de ações internacionais imediatas com a liberação de mais recursos para combater o surto.

Essa é a quarta vez que a organização declara estado de emergência internacional diante uma epidemia. A primeira vez foi em 2009 com a pandemia da gripe suína. A designação ainda foi usada durante a propagação do poliovírus em 2014, no surto de ebola que devastou partes da África Ocidental entre 2014 e 2016 e na epidemia do vírus da zika em 2016.

A República Democrática do Congo foi atingida nove vezes pelo ebola – a primeira manifestação do vírus no país foi em 1976.

No entanto, trata-se da primeira vez que um surto de ebola ocorre numa zona de conflito. A presença de grupos armados leva ao deslocamento contínuo de centenas de milhares de pessoas que podem ter tido contato com o vírus e dificulta o trabalho de organizações de socorro.

O vírus ebola é transmitido por meio do contato direto com sangue ou fluidos corporais contaminados, causa febre hemorrágica e pode atingir uma taxa de mortalidade de 90% caso não seja tratado a tempo.

CN/lusa/afp/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais