OMS cria centro de alerta de pandemias em Berlim | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 05.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Saúde

OMS cria centro de alerta de pandemias em Berlim

Objetivo é evitar falhas nos sistemas globais evidenciadas pela covid-19 e acessar dados precocemente para acelerar prevenção e reação. Especialistas apontam que há sinais de que novas epidemias podem surgir.

Símbolo da OMS na sede da entidade em Genebra. Centro da OMS para Inteligência Pandêmica e Epidêmica será inaugurado em setembro em Berlim

Centro da OMS para Inteligência Pandêmica e Epidêmica será inaugurado em setembro em Berlim

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta quarta-feira (05/05) a criação de um centro global de alerta precoce de pandemias com sede em Berlim, onde serão avaliadas informações sobre ameaças pandêmicas emergentes. O objetivo é evitar as falhas nos sistemas globais de prevenção que foram evidencias pela covid-19.

O chamado Centro da OMS para Inteligência Pandêmica e Epidêmica, que será inaugurado ainda este ano, deverá analisar dados com mais rapidez e detalhamento, de modo a prevenir, detectar e preparar a reação para riscos que venham a surgir em todo o mundo.

A busca por sinais por parte dos profissionais do centro da OMS ocorrerá de um modo mais aprofundado do que nos sistemas atuais que monitoram informações públicas em busca de dados sobre prováveis surtos de doenças. 

"A pandemia de covid-19 expôs as falhas nos sistemas globais de detecção de inteligência sobre pandemias e epidemias”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. "Outros vírus vão surgir com potencial de deflagrar pandemias.”

"Os vírus se movem com rapidez, mas os dados poder ser ainda mais rápidos. Com as informações corretas, países e comunidades podem ficar um passo à frente e salvar vidas”, disse.

A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, afirmou que Berlim é um bom lugar para sediar o centro da OMS, uma vez que já conta com entidades de excelência nas áreas de saúde e digital, como o Instituto Robert Koch, a agência governamental alemã de controle e prevenção de doenças infecciosas.   

"Com toda essa excelência agora complementada pelo centro da OMS, podemos criar um ambiente para a pesquisa de saúde e de pandemias aqui em Berlim; um ambiente no qual estratégias importantes voltadas para a ação vão emergir para governos e lideres em todo o mundo”, disse Merkel em mensagem de vídeo.   

Novas epidemias podem surgir

As instalações devem estar aptas a funcionar em setembro deste ano. O financiamento do centro ainda está sendo discutido, mas a Alemanha vai arcar com os custos iniciais.    

O ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, disse que o mundo precisa dessa iniciativa, uma vez que os sistemas globais estão insuficientemente preparados para lidar com as crises geradas por surtos, mutações, patógenos e doenças transmitidas de animais para humanos.

"Há sinais de que outras epidemias podem ocorrer. Os dados podem nos fornecer sinais precoces”, observou o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan. "O centro nos permitirá desenvolver ferramentas para esse tipo de análise de previsão.” 

Uma missão conjunta de especialistas da ONU e da China concluiu em março que a hipótese mais provável do surgimento do coronavírus Sars-Cov-2 seria a transmissão da doença de morcegos para humanos, através de um animal intermediário.

O painel avaliou que o surto inicial pode ter surgido em setembro de 2019, antes de ter sido detectado pela primeira vez em dezembro do mesmo ano na cidade de Wuhan.

A OMS tomou conhecimento da doença no dia 31 de dezembro de 2019, quando a representação da entidade na China encontrou um relato na imprensa e um documento da Comissão de Saúde de Wuhan, sobre um surto de uma misteriosa pneumonia.

Desde então. a pandemia de covid-19 já matou mais de 3,2 milhões de pessoas, com mais de 154 milhões de infectados em todo mundo.

rc (AFP, DPA, AP)

Leia mais