1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Posto de controle em uma estrada na República Tcheca
Posto de controle em uma estrada na República Tcheca Foto: picture-alliance/dpa/A. Weigel

OMS adverte para risco de pandemia de coronavírus

9 de março de 2020

Organização, no entanto, afirma que surtos ainda podem ser controlados. Israel e Arábia Saudita restringem entrada de passageiros. Prisioneiros na Itália se amotinam após governo suspender visitas para conter propagação.

https://www.dw.com/pt-br/oms-adverte-para-risco-de-pandemia-de-coronav%C3%ADrus/a-52698196

O coronavírus está mais perto de causar uma pandemia, mas os surtos em países ainda podem ser controlados por meio de uma combinação de medidas de contenção e mitigação, declarou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira (09/03).

"Quando chega a 100 países e 100 mil casos, é o momento de parar e pensar. Duas semanas atrás eram 30, 40 países, agora são 100. Não é uma questão de quantidade, mas de qualitativa, do caminho que estamos tomando. Nós estamos muito perto [da pandemia], porque a partir desse ponto muitos outros países vão ser afetados e o vírus estará em todo lugar", disse Michael Ryan, chefe do departamento de emergência da OMS em Genebra.

Ryan ainda afirmou que a pandemia é declarada quando uma doença já se espalhou em demasia por vários países e não pode mais ser contida. Ele explicou que, diante desse quadro, a OMS não está evitando a palavra, mas que teme a reação que uma eventual declaração nesse sentido possa provocar.

"A palavra é importante. Porque em muitas situações a palavra faz com que países se movam meramente para uma abordagem de mitigação. E o que sabemos é que ir para uma condição de mitigação é essencialmente falar que a doença vai se espalhar de forma incontida."

Mesmo diante desse quadro, a OMS avaliou que, ao contrário da gripe, ainda é possível controlar a situação. "Seria a primeira pandemia na história que poderia ser controlada. O ponto principal é não estamos à mercê deste vírus", declarou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. Ele assinalou que quatro países representam 93% dos quase 110.000 casos em todo o mundo. "Estamos encorajados pela Itália estar tomando medidas agressivas para conter sua epidemia e esperamos que essas medidas se mostrem eficazes nos próximos dias", acrescentou.

Israel e Arábia Saudita reforçam controle

Ainda nesta segunda-feira, o governo Israel anunciou que vai impor uma quarentena de 14 dias para qualquer pessoa que chegar do exterior como precaução contra a propagação do coronavírus. A medida vale tanto para cidadãos do país quanto para estrangeiros.

"Qualquer pessoa que chegue a Israel do exterior entrará em um isolamento de 14 dias", disse o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu. "Esta é uma decisão difícil. Mas é essencial para salvaguarda da saúde pública, e a saúde pública vem em primeiro lugar."

Membros do governo disseram que a ordem entrou em vigor imediatamente para os israelenses que retornam ao país. A partir de quinta-feira, qualquer não israelense que pretenda entrar no país vai ter que provar possuir os meios de ficar em quarentena.

A mídia israelense apontou que a medida pode colocar em isolamente cerca de 300 mil cidadãos em um país que tem 9 milhões de habitantes. Segundo o Ministério da Saúde, Israel tem atualmente 42 casos confirmados da covid-19.

Israel já havia ordenado que cidadãos que retornassem de vários países europeus e asiáticos ficassem 14 dias de quarentena em casa. Agora, a medida se aplica a qualquer pessoa que chegar do exterior.

Já a Arábia Saudita proibiu temporariamente a entrada de cidadãos e visitantes de 14 países para conter a doença. A medida afeta Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Bahrein, Líbano, Síria, Egito, Iraque, Omã, Itália, Coréia do Sul, França, Alemanha, Turquia e Espanha. Pessoas provenientes desses países ou qualquer pessoa que os tenha visitado nos últimos 14 dias serão temporariamente proibidas de entrar no reino.

A companhia aérea Etihad, que opera 12 voos diariamente para a Arábia Saudita, disse que três voos já estavam no ar quando o anúncio foi feito. Os aviões pousaram em Dammam, Jidá e Riad. Apenas cidadãos sauditas puderam desembarcar. Estrangeiros tiveram que retornar a Abu Dhabi.

O país ainda anunciou que aplicará uma multa de até meio milhão de riyals (mais de 600 mil reais) àqueles que não divulgarem as informações corretas relacionadas à saúde nos pontos de entrada do país.

Reação na Europa

Os novos casos de coronavírus na Europa têm levado governos locais a suspender eventos públicos e reforçar o controle. O governo irlandês anunciou nesta segunda-feira o cancelamento de todos os desfiles do dia de São Patrício para evitar a disseminação da doença.

Os atos que celebram o santo padroeiro do país atraem regularmente centenas de milhares de pessoas, em especial na capital Dublin, e são realizados em 17 de março. No ano passado, cerca de 500 mil pessoas participaram do evento na capital. Atualmente, a Irlanda tem 24 casos confirmados, segundo dados do departamento de saúde.

Já o governo da Itália anunciou no domingo uma série de medidas drásticas para conter o avanço do coronavírus, como um decreto que colocou em quarentena a maior parte do norte do país, impondo restrições ao deslocamento de pelo menos 16 milhões de pessoas.

A medida representou o esforço mais abrangente fora da China para conter o avanço da doença. A Itália é o terceiro país mais afetado pelo surto, depois da China e da Coreia do Sul. O governo italiano já registrou mais de 9 mil infecções e 463 mortes – 97 foram registradas apenas nesta segunda-feira.

Além de isolar o norte do país, o governo ainda ordenou o fechamento de cinemas, museus, teatros e piscinas públicas em todo o território italiano. O fechamento desses locais, assim como a quarentena no norte, deve valer até pelo menos 3 de abril.

As medidas têm provocado reações extremas e até mesmo violentas. Pelo menos seis presidiários morreram em cadeias italianas após o anúncio da quarentena. Prisioneiros protestaram em pelo menos 23 prisões em todo o país após serem informados sobre uma suspensão de visitas de parentes às prisões. Em alguns casos, os presos chegaram a manter guardas como reféns.

Na prisão de San Vittore, em Milão, detentos atearam fogo em um bloco de celas e depois subiram no telhado. Num presídio na cidade de Foggia, no sul, cerca de 20 detentos conseguiram fugir durante o motim. A maior parte foi rapidamente recapturada.

Já a Espanha anunciou que todas as escolas em Madri serão fechadas pelos próximos 14 dias.  Na França, o ministro da Cultura do país, Franck Riester, testou positivo para o novo coronavírus. Sua pasta disse que ele está "bem". Riester havia visitado recentemente o parlamento francês, onde cinco casos foram confirmados anteriormente, levando-o a fazer um teste.

Nos EUA, autoridades sanitárias pediram nesta segunda-feira aos americanos que correm um risco maior de desenvolver doenças graves se contraírem o novo coronavírus, como idosos e portadores de doenças crônicas, que comprem alimentos e remédios e se prepararem para permanecer em casa.

"Verifique se tem suprimentos à mão, como medicamentos de rotina para pressão arterial ou diabetes, além de medicamentos comuns e suprimentos médicos para tratar a febre e outros sintomas", disse Nancy Messonnier, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). "Tenha suprimentos suficientes para o lar e comida, para que estejam preparados para ficar em casa por um período de tempo", acrescentou.

JPS/dpa/afp/rt/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter