O que se sabe sobre a variante indiana do coronavírus | Notícias internacionais e análises | DW | 11.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Pandemia

O que se sabe sobre a variante indiana do coronavírus

Nova cepa contém duas mutações já associadas a menor neutralização por anticorpos. OMS a classifica como "preocupante" e afirma que estudos preliminares indicam aumento da transmissibilidade.

Fila de pessoas em uma calçada de Mumbai. Elas usam máscara. Há motos estacionadas no fundo. Mulheres vestem roupas características da Índia.

Índia registrou mais de 270 mil casos de covid-19 na segunda-feira

A nova variante do coronavírus Sars-CoV-2 descoberta recentemente na Índia está sendo acompanhada com atenção por cientistas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras instituições da área ainda estão estudando a variante, denominada B.1.617, e, embora ainda não esteja totalmente comprovado que ela seja mais transmissível ou mortal, há muitos indícios de que ela seja um dos motivos por trás do aumento exponencial de casos de covid-19 na Índia nas últimas semanas.

Mutações em vírus são comuns, mas a maioria delas não afeta a capacidade de transmissão ou de causar formas graves de doenças. No entanto, algumas mutações, como as presentes nas variantes do coronavírus do Reino Unido, da África do Sul e do Brasil, podem torná-lo mais contagioso.

A B.1.617, também chamada de variante indiana, carrega duas mutações na proteína spike do coronavírus que já foram identificadas em outras variantes pelo mundo. Elas foram associadas, em outras análises, a uma capacidade reduzida de neutralização do coronavírus por anticorpos ou células T. 

A proteína spike é a parte que o vírus usa para penetrar nas células humanas. Já os linfócitos T são células com funções imunológicas de respostas antivirais, seja através da produção de citocinas, seja eliminando ativamente células infectadas. Isso significa que pessoas vacinadas ou que já tenham sido contaminadas podem estar menos protegidas contra a variante indiana.

Uma das mutações da variante indiana, a E484Q, é semelhante à E484K, identificada nas variantes britânica (B.1.1.7), sul-africana (B.1.351) e brasileira (P1). A outra mutação relevante da cepa originária da Índia, a L452R, foi detectada na variante da Califórnia (B.1.429).

As vacinas funcionam?

Quando uma mutação encontra um caminho para burlar o sistema imunológico, ela é chamada de mutação de escape. Em geral essas mutações reduzem a capacidade dos anticorpos ou das células T de neutralizar um vírus, mas determinante é o quão forte é essa redução.

Mutações de escape podem ser perigosas também para pessoas já vacinadas ou recuperadas da infecção, pois existe a possibilidade de a proteção já adquirida ser menor perante a variante.

"Ter duas dessas mutações que foram identificadas em outras variantes em outras partes do mundo é preocupante", disse Maria Van Kerkhove, chefe técnica de resposta à covid-19 da OMS. Apesar disso, a OMS, à espera de mais estudos, inicialmente classificou a variante como "de interesse" e não como "preocupante ou de interesse global".

A reclassificação para "preocupante" foi feita apenas em 10 de maio. Van Kerkhove disse haver estudos preliminares que apontam para um aumento da transmissibilidade e redução da neutralização dessa variante, o que levou à alteração.

Ela acrescentou que são necessários mais estudos epidemiológicos e de sequenciamento genético da variante, muito embora até o momento nada sugira que vacinas, tratamentos e diagnósticos não funcionem para ela.

O especialista em saúde Karl Lauterbach, deputado do partido alemão SPD, foi o primeiro a alertar para um estudo sobre a variante indiana feito na Índia. Os cientistas responsáveis pelo estudo concluíram que a vacina Covaxin é eficaz contra a variante B.1.617, o que indica que as outras vacinas também devem ser.

Uma variante é considerada "preocupante" se é sabido que ela se espalha mais facilmente, causa formas mais graves da doença, escapa ao sistema imunológico, muda o quadro clínico ou diminui a eficácia de vacinas e medicamentos. "As vacinas continuam funcionando contra as variantes preocupantes e, em particular, contra os sintomas graves, e isso é importante destacar", enfatizou Van Kerkhove.

Variante pode estar por trás de aumento de casos

Mesmo antes de haver evidências científicas de que a variante indiana fosse mais transmissível, especialistas da Índia já acreditavam que ela poderia estar relacionada ao grande aumento de casos de covid-19 no país nas últimas semanas. Somente no dia 11 de maio, quase 230 mil novas infecções foram registradas oficialmente.

A grave situação da pandemia no país fez o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, cancelar a viagem que faria à Índia na próxima semana. Por precaução, o Reino Unido vai restringir viagens à Índia a partir de sexta-feira.  

Em entrevista à Rádio France Internationale (RFI), o médico Surandipta Chandra, que trabalha numa clínica em Nova Délhi, disse que a variante "se espalha como um incêndio numa floresta". Para ele, um dos pontos preocupantes é que os testes de PCR já não conseguem detectar todos os casos.

"O vírus está se adaptando de forma inteligente, e esta mutação indiana parece escapar das testagens. Muitos doentes recebem resultados negativos nos testes, mas desenvolvem sintomas graves", explicou à RFI.

A variante foi observada pela primeira vez no final de 2020 em dois estados da Índia e confirmada no final de março.

A descoberta foi resultado de um esforço global de sequenciamento genético, com o objetivo de detectar, o quanto antes, qualquer modificação do vírus que possa torná-lo mais transmissível, capaz de causar mais sintomas sérios ou tornar os testes, vacinas ou medicamentos ineficazes.

A variante já foi registrada em países como Reino Unido, Alemanha, Austrália, Bélgica, Estados Unidos e Cingapura.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados