1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Bebês sul-coreanos de fraldas enquanto adultos massageiam suas pernas
Gastos do governo para incentivar casais a terem filhos tiveram pouco sucessoFoto: KIM JAE-HWAN/AFP/Getty Images
SociedadeCoreia do Sul

O que explica o declínio populacional da Coreia do Sul?

Julian Ryall
21 de dezembro de 2021

País tem a menor taxa de fertilidade do mundo, de 0,8 filho por mulher. Projeção mais pessimista estima que, em cem anos, população seria 23% da atual.

https://p.dw.com/p/44fMP

A Coreia do Sul está uma luta invisível por seu futuro, contra uma população em declínio. E dados governamentais divulgados em dezembro parecem mostrar que a quarta maior economia da Ásia está perdendo a batalha.

A sua população de quase 52 milhões de habitantes deve diminuir 0,18% em 2021, pela primeira vez desde que o país começou a fazer seu censo, de acordo com números divulgados pela Statistics Korea.

A instituição governamental responsável pelas estatísticas e dados do censo também fez uma projeção para o pior cenário, no qual a população atual cairia para cerca de 12 milhões até 2120, cerca de 23% da atual. 

Além disso, a Statistics Korea previu que a idade média da população deverá aumentar, de uma mediana de 43 anos em 2021 para 62 anos em 2070.

Os números não são uma surpresa para um país que há muito tempo está consciente dos desafios do declínio populacional. A combinação de envelhecimento da população com queda da taxa de natalidade significa problemas para a renovação da força de trabalho, enquanto o país enfrenta queda de receitas tributárias e aumento das despesas médicas.

Sucessivos governos têm tentado combater o declínio populacional, e já gastaram com o tema 225 trilhões de won (R$ 1,08 trilhão) na década encerrada em 2020, em grande parte com incentivos financeiros para que os casais tenham filhos. Mas, até agora, essa despesa teve pouco sucesso em aumentar as taxas de natalidade.

Fardo pesado e pressão sobre as famílias 

"Isso tem sido um problema por muito tempo, e temo que as coisas tenham piorado nos últimos anos, em parte por causa da pandemia", disse Ohe Hye-gyeong, uma pesquisadora da Universidade Cristã Internacional em Tóquio.

"Mas essa é uma questão estrutural que vem afetando a sociedade coreana há muitos anos. Embora existam vários fatores, acredito que o que tem sido descrito como 'paixão pela educação' em pais desesperados para que seus filhos tenham sucesso é a maior razão", disse ela à DW.

O rápido desenvolvimento e crescimento econômico da Coreia do Sul criou oportunidades que eram em grande parte impensáveis para os avós das crianças hoje em idade escolar, já que a nação foi reconstruída após a Guerra da Coreia de 1950-53, disse ela. Isso fomentou a crença de que a educação é fundamental para que a criança tenha oportunidades de trabalho e felicidade.

"Todos os pais querem dar aos seus filhos uma 'educação de elite', mesmo que isso signifique que eles gastem 50% de sua renda todos os anos em educação", disse Ohe. "Isso é um fardo enorme para as famílias e significa que a maioria dos casais só pode se dar ao luxo de ter um filho." 

A pressão é igualmente intensa quando um jovem deixa a escola ou a universidade, diz Park Saing-in, economista da Universidade Nacional de Seul. "É uma questão estrutural dentro do mundo corporativo e da sociedade como um todo na Coreia."

"As gerações mais jovens de hoje acham muito difícil encontrar um emprego seguro e bem remunerado. E mesmo aqueles que ocupam posições seguras nas principais empresas geralmente só trabalham nelas até a metade de seus 50 anos, quando se espera que eles sigam adiante e entrem no mercado de autônomos", diz.

Sensação de insegurança entre homens jovens

Da mesma forma, os jovens de 20 e 30 anos que não são capazes de conseguir um emprego seguro e bem remunerado são forçados a trabalhar em empregos de meio período com pouca segurança.

Ele disse que isso fomenta uma sensação de incerteza não propícia ao planejamento futuro, inclusive a constituição de famílias.

Outro fator que pode contribuir para o fenômeno é que as mulheres estão esperando mais tempo antes de ter filhos. Algumas optam por se dedicar somente a construir carreiras e a aprofundar sua educação e renunciam totalmente à maternidade.

Números divulgados pelo governo metropolitano de Seul em 16 de dezembro mostram que o número de casamentos na cidade caiu 43% nos últimos 20 anos, de 78.745 em 2000 para 44.746 no ano passado. A idade média dos primeiros casamentos era de 33 anos em 2020, acima dos 29 anos de duas décadas atrás.

A taxa de fertilidade do país é a mais baixa do mundo, com 0,8 filho por mulher. Uma taxa de fertilidade de 2,1 é considerada pelos demógrafos como o mínimo necessário para manter a população de um país.

Park disse à DW ser provável que um futuro governo aumente a idade mínima de aposentadoria para os trabalhadores, o que aliviaria parte da carga sobre o sistema de Previdência.

Entretanto, Ohe vê uma população em declínio como algo que levará a uma "sociedade ainda mais polarizada", onde muitas pessoas terão "ainda menos para gastar em educação e em seu futuro."