NYT liga Bolsonaro a agravamento da pandemia na América Latina | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 27.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

NYT liga Bolsonaro a agravamento da pandemia na América Latina

New York Times acusa brasileiro de implementar com Trump uma "campanha ideológica" que debilitou a capacidade dos sistemas de saúde da América Latina, agravando a pandemia na região.

Donald Trump e Jair Bolsonaro

Trump e Bolsonaro: desprezo pelo vírus e campanhas ideológicas que abriram América Latina para a covid-19, diz "NYT"

Reportagem publicada na primeira página da edição desta terça-feira (27/10) do jornal americano The New York Times acusa o presidente Jair Bolsonaro de, junto com o chefe de governo dos EUA, Donald Trump, colaborar para a debilitação dos sistemas de saúde no continente latino-americano e o consequente recrudescimento da pandemia de coronavírus na região.

O texto, intitulado, na versão online, Como Trump e Bolsonaro quebraram as defesas da América Latina para a covid-19, afirma que os dois líderes "compartilham o desprezo pelo vírus" e implementam uma "campanha ideológica" que prejudicou a "capacidade da América Latina de responder à covid-19".

Ambos os presidentes, segundo a publicação, fizeram da hidroxicloroquina um item central da reação à pandemia, "apesar do consenso médico de que a droga é ineficaz e até perigosa".

O jornal diz que Washington e Brasília agiram para que 10 mil médicos e enfermeiros cubanos fossem obrigados a abandonar áreas empobrecidas de Brasil, Equador, Bolívia e El Salvador. Muitos deles ficaram sem substitutos "somente meses antes de a pandemia chegar".

O artigo cita a evasão dos profissionais de saúde cubanos do Brasil com o fim da parceria com Cuba no programa Mais Médicos e a pressão do governo americano para que mais de mil médicos cubanos deixassem os outros três países latino-americanos no ano passado.

Os dois governos conforme a publicação, "atacaram a agência internacional mais capacitada a combater o vírus, a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), citando seu envolvimento com o programa médico cubano".

"Com a ajuda de Bolsonaro, Trump quase levou a agência à falência ao reter o financiamento prometido no auge do surto, em uma extensão não divulgada anteriormente", diz a reportagem.

"Sistemas de saúde fracos e cidades superpopulosas tornaram a América Latina inerentemente vulnerável. Mas ao expulsar médicos, bloquear medidas de assistência e promover falsas curas, Trump e Bolsonaro pioraram a situação, desmontando defesas", afirma o artigo. "Agora, a América Latina, com um terço das mortes no mundo, sofreu mais gravemente com a covid-19 do que qualquer outra região."

"Os Estados Unidos pararam de pagar suas contribuições anuais de 110 milhões de dólares, mais da metade do orçamento básico da agência. O governo Bolsonaro também congelou o pagamento de 24 milhões de dólares em dívidas. Bolsonaro e sua equipe se recusaram a comentar este artigo", diz o texto.

Leia mais