Novos congressistas republicanos miram legado de Obama | Notícias internacionais e análises | DW | 03.01.2017

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

Novos congressistas republicanos miram legado de Obama

Novo Congresso toma posse e mira políticas como o Obamacare, além de regulamentações ambientais e industriais. Republicanos, que dominam o Legislativo, voltam atrás sobre Gabinete de Ética após críticas.

Obamacare, regulamentações ambientais e industriais são alguns dos principais alvos dos republicanos

Obamacare, regulamentações ambientais e industriais são alguns dos principais alvos dos republicanos

O novo Congresso dos Estados Unidos toma posse nesta terça-feira (03/01), consagrando o domínio de uma maioria republicana ansiosa para pôr fim a algumas das principais conquistas do presidente Barack Obama. A lei de assistência médica, conhecida como Obamacare, e regulamentações ambientais e industriais estão entre os principais alvos dos congressistas, que já antecipam a agenda liberal do presidente eleito, Donald Trump, que assume o cargo no dia 20 de janeiro.

Antes mesmo da posse do novo Congresso, o legado político de Obama já sofreu uma ameaça significativa. Os republicanos na Câmara dos Representantes votaram nesta segunda-feira pelo fim da autonomia do Gabinete de Ética do Congresso, um órgão independente criado em 2008 – ano da posse de Obama na presidência – para investigar denúncias de má conduta de parlamentares, após a prisão de alguns congressistas envolvidos em escândalos de corrupção. 

Os democratas protestaram, afirmando que o objetivo seria obliterar supervisões independentes das atividades dos congressistas antes mesmo do início da nova legislatura. Críticas também vieram do próprio partido, inclusive de Trump, e na tarde desta terça-feira os republicanos na Câmara dos Representantes acabaram voltando atrás em seus planos para o Gabinete de Ética.

Proposta criticada

Pela proposta, o Gabinete de Ética, considerado excessivamente intrusivo pelos republicanos, ficaria submetido ao controle do Comitê de Ética da Câmara, dirigido pelos próprios parlamentares, e trocaria de nome, passando a se chamar Gabinete de Verificação de Queixas do Congresso.

A líder democrata Nancy Pelosi, que criou o Gabinete de Ética do Congresso quando era presidente da Câmara, criticou a medida. "Evidentemente, a ética é a primeira vítima do novo Congresso republicano", afirmou.

Trump, por sua vez, afirmou que apesar de o Gabinete de Ética ser "injusto", os republicanos na Câmara dos Representantes deveriam focar neste momento em prioridades da política doméstica, como saúde e reforma fiscal.

Obama planeja para esta quarta-feira uma de suas raras visitas ao Congresso para discutir com os parlamentares democratas estratégias para tentar salvar sua política de saúde. Os republicanos no Senado, porém, planejam começar a demolir o Obamacare já nesta terça-feira. Nos próximos meses, os parlamentares devem trabalhar em legislações que visam anular amplamente diversos aspectos da lei de assistência médica. 

Em meio a essa agenda bastante atribulada, os senadores ainda terão que debater e confirmar as nomeações para o gabinete de Trump, num processo que não deverá transcorrer pacificamente. Alguns dos indicados pelo presidente eleito enfrentam rejeição não apenas de democratas, mas também de líderes do Partido Republicano.

RC/ap/rtr


 

Leia mais