1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Explosão na Crimeia
Explosão em depósito de munições na Crimeia espalhou fumaça pela regiãoFoto: Sergei Malgavko/TASS/IMAGO

Novas explosões são registradas na Crimeia ocupada

16 de agosto de 2022

Russos confirmam explosão em depósito militar e culpam "sabotagem". Colunas de fumaça também são vistas em outros locais. É a segunda vez em uma semana que explosões são registradas na península ocupada pela Rússia.

https://www.dw.com/pt-br/novas-explos%C3%B5es-s%C3%A3o-registradas-na-crimeia-ocupada-pelos-russos/a-62823548

Pela segunda vez em uma semana, explosões foram registradas na Crimeia, sinalizando uma escalada de ataques na península ucraniana ocupada pela Rússia desde 2014. Nesta terça-feira (16/08), foram registrados relatos de explosões em três locais diferentes, incluindo duas bases militares russas.

O governo russo confirmou uma das explosões, num depósito militar na cidade de Dzhankoi, apontando que a instalação foi danificada por "sabotagem".

"Na manhã de 16 de agosto, um armazém militar na cidade de Dzhankoi, a capital do distrito com o mesmo nome, foi danificado como resultado de sabotagem", disse o Ministério da Defesa numa declaração citada pela agência de notícias russa Tass. Pelo menos 3 mil moradores foram retirados da região após a detonação, e dois ficaram feridos, segundo Moscou.

As autoridades russas disseram que o incidente ocorreu às 6h15 locais (0h15 de Brasília). Horas depois, foram relatadas novas explosões em Simoferopol, 90 quilômetros ao sul, e uma imensa coluna de fumaça pôde ser vista numa base aérea em Gvardeyskoye, na região central da península.

A Ucrânia não reivindicou responsabilidade pelas explosões, mas celebrou os episódios, dando pistas de que estaria por trás dos ataques. A Força Aérea Ucraniana, por exemplo, tuitou um vídeo da explosão no depósito de munição perto de Dzhankoi.

O chefe da administração presidencial da Ucrânia, Andriy Yermak, saudou os episódios na Crimeia e prometeu a "completa libertação dos territórios ucranianos".

Já o conselheiro presidencial ucraniano Mikhailo Podoliak escreveu no Twitter que "a manhã, perto de Dzhankoy, começou com explosões".

"A Crimeia normal do país trata-se de Mar Negro, montanhas, recreação e turismo, mas a Crimeia ocupada por russos trata-se de explosões de depósitos de munições e um alto risco de morte para invasores e ladrões", acrescentou o conselheiro do presidente Volodimir Zelenski.

Explosão em base russa

As novas explosões ocorrem uma semana após uma explosão na base militar russa de Saki,  na Crimeia ocidental, que deixou um morto e quatro feridos. A fumaça dessa explosão pôde ser vista de quase toda a península. As Forças Armadas da Ucrânia afirmaram que nove aviões de guerra russos e a pista de decolagem da base aérea foram destruídos.

A Rússia, por sua vez, negou que qualquer aeronave tenha sido danificada ou que tenha ocorrido um ataque. A versão do Kremlin é que um acidente provocou a explosão de artefatos bélicos ali armazenados – uma explicação que não fez sentido para analistas militares, que acreditam ter havido um ataque com mísseis ucranianos.

A Crimeia é muito popular entre turistas russos como destino de férias de verão, e diversos foram surpreendidos pelas explosões e compartilharam em redes sociais vídeos de grandes nuvens de fumaça acima da base aérea.

No final de julho, autoridades da Crimeia anexada também afirmaram que um drone danificou a sede da Marinha russa em Sebastopol, deixando cinco feridos. Na ocasião, celebrações do Dia da Marinha russa foram canceladas na região.

jps/ek (DPA, Lusa, ots)