Nova morte de negro por policial nos EUA gera protestos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.07.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Nova morte de negro por policial nos EUA gera protestos

Vídeo amador mostra momento em que homem de 37 anos é alvo de disparos na capital de Louisiana. Centenas saem às ruas da cidade, e governador pede abertura de inquérito federal.

Centenas de pessoas se reuniram na noite desta quarta-feira (06/07) em Baton Rouge, capital do estado americano de Louisiana, para protestar após a morte do negro Alton Sterling por policiais, mostrada num vídeo amador divulgado na internet.

Sterling, de 37 anos, foi morto na terça-feira na cidade, depois de a polícia ter sido alertada que um homem negro, que vendia CDs de música e filmes na rua, empunhava uma arma e fazia ameaças.

O vídeo registrado com um celular mostra como, diante de uma loja de conveniência, um dos dois policiais, brancos, encosta uma arma no pescoço de Sterling, imobilizado. Então, ouve-se uma voz que grita: "Ele tem uma arma!", e dois disparos se seguem.

No vídeo, não fica claro se Sterling estava segurando ou pegando uma arma no momento em que foi alvo dos disparos. Uma testemunha relatou que a polícia retirou uma pistola do bolso dele depois dos tiros.

No protesto em Baton Rouge – onde 54% da população é negra –, algumas pessoas bloquearam o trânsito. Outras carregavam cartazes e cantavam palavras de ordem como: "Sem justiça, não há paz" ou "As vidas dos negros importam" – em referência ao movimento homônimo criado após a morte de outros negros pela polícia no país. Recentemente cidades como Ferguson e Baltimore foram palco de casos e protestos semelhantes.

Abertura de inquérito

O governador de Louisiana, John Edwards, anunciou que a morte de Sterling vai ser alvo de um inquérito federal. A investigação será dirigida pela divisão de direitos civis do Departamento de Justiça e pela polícia federal (FBI).

"Tenho preocupações muito sérias. O vídeo é, no mínimo, perturbador", declarou Edwards.

Carl Dabadie Jr., chefe da polícia de Baton Rouge, disse que Sterling estava armado, sem especificar o tipo de arma, e que ainda não está claro o que exatamente aconteceu. "Há muito que não entendemos. E eu exijo respostas", disse, chamando o incidente de uma "tragédia horrível". Os dois policiais foram colocados em licença administrativa.

Em comunicado, a candidata democrata à presidência Hillary Clinton classificou a morte de Sterling de tragédia e afirmou que a confiança entre polícia e comunidades precisa ser restabelecida.

"Algo está profundamente errado quando tantos americanos têm motivo para acreditar que nosso país não os considera tão preciosos quanto outros devido à cor de sua pele", disse Hillary.

Segundo o site mappingpoliceviolence.com, a polícia americana matou ao menos 346 negros no ano passado. Os cidadãos negros têm três vezes mais chance que os brancos de serem mortos pela polícia, e, em 2015, 30% das vítimas negras estavam desarmadas, comparado a 19% das brancas.

LPF/lusa/efe/ap/rtr

Leia mais