Nobel de Medicina premia pesquisa sobre adaptação das células ao nível de oxigênio | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 07.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ciência

Nobel de Medicina premia pesquisa sobre adaptação das células ao nível de oxigênio

Trabalho de dois cientistas americanos e um britânico abre caminho para o "desenvolvimento de novas estratégias para combater a anemia, o câncer e muitas outras doenças", diz Comitê do Nobel.

Gregg Semenza (EUA), Peter Ratcliffe (Reino Unido) e William Kaelin (EUA) são os vencendores do Nobel de Medicina

Gregg Semenza (EUA), Peter Ratcliffe (Reino Unido) e William Kaelin (EUA) são os vencendores do Nobel de Medicina

O Nobel de Medicina de 2019 premiou um trio de cientistas que realizou uma pesquisa sobre a forma como as células se adaptam à disponibilidade de oxigénio, anunciou nesta segunda-feira (07/10) o Instituto Karolinska de Estocolmo  

Os vencedores são os americanos William Kaelin e Gregg Semenza e o britânico Peter Ratcliffe, que vão dividir a premiação de 9 milhões de coroas suecas (cerca de 3,7 milhões de reais).

Segundo o Comité do Nobel, os três cientistas conseguiram "identificar o maquinário molecular que regula a atividade dos genes na resposta às variações de oxigénio". Os pesquisadores estabeleceram a base para a compreensão de como os níveis de oxigénio afetam o metabolismo celular e a função fisiológica, o que "abre caminho para o desenvolvimento de novas estratégias para combater a anemia, o câncer e muitas outras doenças".

"A importância fundamental do oxigénio é conhecida há séculos, mas o processo de adaptação das células às variações dos níveis de oxigénio era um mistério", prosseguiu o comitê.

O nova-iorquino William Kaelin, de 61 anos, é especialista em medicina interna e oncologia e trabalha no Instituto Médico Howard Hughes. O também nova-iorquino Gregg Semenza, de 63 anos, é pediatra do Programa de Pesquisa Vascular do Instituto Johns Hopkins de Engenharia Celular. O britânico Peter Ratcliffe, de 65 de anos, é especialista em nefrologia do Instituto Francis Crick, em Londres, e diretor do Instituto Target Discovery em Oxford.

Esta é a primeira premiação do Nobel anunciada em 2019. Nesta terça-feira, será a vez do prêmio da área da Física e, na quarta-feira, o de Química. No dia 10, serão anunciados os prêmios de Literatura de 2018 e 2019 e na sexta-feira, o Nobel da Paz. A última premiação do ano será no dia 14 de outubro com a atribuição do Nobel de Economia.

Os dois Prêmios Nobel de Literatura relativos a 2018 e 2019 serão anunciados em conjunto após a premiação ter sido suspensa no ano passado em razão de escândalo envolvendo denúncias de 18 mulheres de abusos cometidos por Jean-Claude Arnault, artista francês vinculado à academia através de seu clube literário e marido de um de seus membros, Katarina Frostenson, além de crimes financeiros que abalaram a Academia de Estocolmo.

RC/lusa/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais