No Bundestag, Merkel ignora xenofobia da AfD | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 16.05.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

No Bundestag, Merkel ignora xenofobia da AfD

Líder populista de direita utiliza debate sobre orçamento para atacar políticas migratórias e diz que país está sendo governado por "idiotas". Chanceler não perde a linha e foca temas como defesa e política externa.

Angela Merkel

Em discurso de mais de 30 minutos no Bundestag, Merkel não fez nenhuma menção à AfD

O primeiro debate geral do Bundestag (Parlamento alemão) do atual período legislativo foi aberto nesta quarta-feira (16/05), como manda a tradição, pela maior bancada opositora, que agora é a do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD). 

Alice Weidel, líder da AfD, aproveitou a oportunidade para lançar uma série de ataques ao governo da chanceler federal Angela Merkel, fugindo do tema principal, a proposta orçamentária para 2018, para promover a agenda anti-imigração de seu partido.

Ela acusou o governo de esconder na proposta orçamentária 30 bilhões de euros que o país paga anualmente à União Europeia (UE). "Falam de um orçamento equilibrado, mas os contribuintes estão sentados sobre uma montanha de dívidas", afirmou Weidel.

Ela disse que o governo deveria cuidar da riqueza dos cidadãos, e não "jogar dinheiro pela janela", deixando o fardo para as gerações mais novas.

Após exigir a redução de impostos para as classes média e baixa, Weidel logo mudaria o foco para a política migratória alemã, afirmando, sob vaias e aplausos, que a Alemanha se tornou um país de "imigração ilimitada de trabalhadores sem qualificação".

"Burcas, meninas com véus na cabeça, homens munidos de facas vivendo de benefícios e outras pessoas inúteis não vão assegurar nossa prosperidade, crescimento econômico e, especialmente, o bem-estar social", disse. Ela encerrou seu discurso afirmado que a Alemanha "está sendo governada por idiotas".

O presidente do Bundestag, Wolfgang Schäuble, advertiu formalmente a líder da AfD, afirmando que seu discurso discriminava "todas as mulheres que utilizam o véu" islâmico.

Merkel não morde a isca

Se a AfD pretendia provocar uma reação irritada de Merkel, a estratégia acabou não funcionando. Em seu discurso de mais de 30 minutos no Bundestag, a chanceler não fez nenhuma menção a Weidel ou ao partido populista de direita.

Ao contrário, ela foi direto aos temas específicos às políticas de seu governo, falando sobre temas como digitalização, incentivos para a construção de residências particulares, transferências financeiras entre o governo federal e os 16 estados do país.

Alice Weidel

Weidel: "Burcas, meninas com véus na cabeça, homens munidos de facas vivendo de benefícios e outras pessoas inúteis não vão assegurar nossa prosperidade"

Merkel ressaltou que o plano orçamentário não vai criar novas dívidas e previu que o país deverá reduzir o nível de endividamento para menos de 60%, em acordo com as diretrizes da UE. Essa postura, segundo afirmou, deixa a Alemanha em posição de liderança no bloco europeu.

"Nossa tarefa e fortalecer a zona do euro e deixá-la resistente a crises", disse a chanceler, destacando que cada Estado-membro deve se tornar individualmente mais competitivo no mercado global. Sobre o orçamento da UE, Merkel disse que trabalha para chegar a um acordo com a França antes da cúpula europeia marcada para o fim de junho.

Defesa e refugiados

A chanceler dedicou uma boa parte de sua fala à política externa e à defesa. Ela reiterou que a Alemanha se juntará à França e ao Reino Unido para preservar o acordo nuclear com o Irã, após os Estados Unidos abandonarem o pacto.

Ela justificou a expansão dos gastos militares afirmando a responsabilidade alemã de proteger as fronteiras da Polônia e o espaço aéreo dos Bálcãs, reafirmando que a Europa deve assumir responsabilidades maiores sobre a própria defesa e suas fronteiras externas.

"Não é o caso de começarmos uma corrida armamentista, mas sim, de nos equiparmos", declarou.

Merkel também defendeu a proposta de criar os chamados "centros-âncoras" para refugiados. O governo espera que as instalações centralizadas de acomodação para requerentes de refúgio acelerem as decisões sobre o direito de permanência na Alemanha e possíveis deportações. Esse foi o único ponto do discurso em que Merkel abordou a questão da imigração, a principal preocupação da AfD.

Os debates sobre a proposta de orçamento no Bundestag continuarão até esta sexta-feira. Após essa data, os parlamentares poderão propor emendas ao texto até o início de julho, quando ocorrerá a votação do plano orçamentário.

O orçamento para 2018 inclui 139,8 bilhões de euros para o sistema de segurança social e do trabalho, 38,5 bilhões para a defesa e 27,6 bilhões para os transportes e infraestrutura digital.

RC/dpa/dw/rtr/afp

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais